Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Movimento Natural da População do Espírito Santo em 1937

Empenhados em que sejam conhecidos, com a maior rapidez, os resultados do movimento natural da população do Estado (movimento do registro civil), durante o ano de 1937, organizamos as tabelas que se seguem, as quais constituem uma ligeira síntese da bioestatística do Estado, que precede à publicação dos resultados completos do ano.

Como se verifica da nota ao pé da última tabela, a bioestatística do Estado, ora  divulgada, abrange todos os registros efetuados durante o ano de 1937, sem falta de um só cartório, o que vimos conseguindo desde o ano de 1928.

Analisando-se, sucintamente, o movimento natural da população durante o ano de 1937, podemos verificar ter havido os seguintes aumentos em relação ao ano interior:

Ver Quadro 1 logo abaixo do texto.

Reduzindo essas cifras absolutas em relativas, podemos verificar que, por 1.000 habitantes, o movimento apresentou as seguintes características:

Ver Quadro 2 logo abaixo do texto.

As cifras relativas da mortalidade infantil, ou seja o número de óbitos de crianças abaixo de um ano por 1.000 nascidos e vivos 100 óbitos gerais, foram as seguintes:

Ver Quadro 3 logo abaixo do texto.

Com referência a mortalidade infantil, devemos salientar, no entanto, que os coeficientes em 1.000 nascidos vivos não expressam, com a necessária justeza, a relação proporcional entre os óbitos de crianças com menos de um ano e o total geral de nascimentos, devido as precárias condições de registro civil, motivadas por fatores diversos, entre os quais merece especial destaque a falta de gratuidade do registro. No Espírito Santo, na vigência do decreto 9.886, o registro ficava por 2$000, uma vez que os pais não eram obrigados a levar a certidão de registro feito. Todavia, ao entrar em vigor o decreto nº 18.542 (dos registros públicos), a despesa do registro elevou-se a 12$000, por ter sido tornada obrigatória a extração de certidão no ato do registro. Casos como no registro de criança nascida morta, em que a despesa se eleva a 24$000, por exigir a lei duplo registro – de nascimento e de óbito. Por isso, pouco valor tem o coeficiente da mortalidade infantil, quando tomado em relação ao número de nascidos vivos.

Sendo o registro de óbitos mais perfeito, principalmente no Espírito Santo, onde o Departamento de Estatística Geral exerce relativa vigilância em torno dos cemitérios particulares, no sentido de evitar sepultamentos sem guia do registro civil, podemos apreciar melhor a mortalidade infantil através da relação percentual entre o número de óbitos abaixo de um ano e o total geral de óbitos. Através dessas cifras, verifica-se que a porcentagem se manteve na freqüência de 22 a 28 durante todo o  período decenal.

Se, como ficou demonstrado, o total de nascidos vivos em 1937 superou o total de óbitos em 22.724 registros, ou seja, mais de duas vezes, isso se deve, em sua maior parte, à circunstância de terem sido registradas 18.448 pessoas nascidas em anos anteriores, registros feitos em virtude da lei federal nº 252, cuja vigência já terminou.

O movimento natural da população do Estado oferece aspectos bem mais interessantes, observado no decênio 1928-1937. Em números absolutos, esse movimento assim se expressou:

Ver Quadro 4 logo abaixo do texto.

A população, para o primeiro ano do decênio, foi calculada em 571.649 habitantes e, para o ano de 1937, a sua estimativa foi de 729.951, onde resulta um aumento de 158.392 habitantes no decênio.

Tendo sido de 140.998 o excesso de nascidos vivos sobre óbitos, no decênio, (apesar da deficiência evidente do registro civil), verifica-se que a diferença é de apenas 17.314, que deve corresponder as cifras de transmigração.

 

Fonte: Revista Annuário do Espírito Santo, 1937
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2017



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Resumo da narrativa de Thomas Cavendish (6ª Parte)

Resumo da narrativa de Thomas Cavendish (6ª Parte)

"Revogaram minha licença de marinheiro. Essa nada edificante aventura pelos Mares do Sul fechou as portas do Sete Mares para mim”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Fundação de Vitória

Aquela provisão lança por terra a tradição de que foi o triunfo alcançado pelos ilhéus a 08/09/1551 que deu nome a Vitória

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
Jesuítas no Espírito Santo

Em 1549 partiram da Bahia – escalaram no porto da “povoação do Espírito Santo” Leonardo Nunes e Diogo Jácome

Ver Artigo
Origem do nome das cidades do ES

Muitas vezes, por um simples motivo, surge a origem do nome de uma cidade, como por exemplo, o hábito dos moradores de tomar um cafezinho que, de tão ralo, mais parecia água doce. Daí veio o nome da cidade de Água Doce. E o nome da cidade de Águia Branca, de onde surgiu essa idéia? 

Ver Artigo
Araribóia X Villegagnon

Araribóia, comandante de duzentos temiminós que o Espírito Santo mandou à luta contra os franceses de Villegagnon

Ver Artigo