Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

No tempo dos donatários

Vasco Fernandes Coutinho, primeiro Donatário da Capitania do ES

Vasco Fernandes Coutinho, que foi capitão de navio e alcaide-mor de Ormuz, regressou à Europa, em 1522, e desembarcou na lendária Praia de Restelo, decidido a estabelecer-se, na sua propriedade o solar de Alenquer, amparado nos seus rendimentos: cem mil réis de moradia, na matrícula de 1449, e três mil réis, como fidalgo na matrícula de 1450, além de uma tença que Dom João III lhe concedera, como prêmio de suas façanhas, na Índia.

Casara-se com Da. Maria do Campo, filha de André do Campo, senhor da Erra, e Da. Maria de Azevedo.

Latente, porém, a lembrança das aventuras, em Goa e Málaca, avivara-se-lhe, perante a notícia de que as novas terras descobertas, na derrota cabralina, seriam colonizadas, para garantia da sua posse, pela Coroa Lusitana, contra invasores e piratas, ávidos de suas riquezas.

No solar de Alenquer, Vasco Fernandes Coutinho medita em novas empresas, agora, na Terra de Santa Cruz.

El-Rei Dom João III, que em 1532, dividira o Brasil em Capitanias hereditárias, examina as concessões; aponta ao seu fiel servidor as terras seguintes à doação feita a Pero de Campos Tourinho e correspondentes à undécima parte assinalada no conjunto.

- Data de 1º de junho de 1534 a Carta-Régia de doação da 11ª capitania a Vasco Fernandes Coutinho, assinada em Évora. Determina os limites, ao Norte, com a Capitania de porto-Seguro, de Pero de Campos Tourinho, separada pelo Rio Mucuri, “na ponta do Sul”, e cinqüenta léguas de costa, até a Capitania de São Tomé, doada a Pero de Góis, limitada pela Serra de Santa Catarina das Mós, ao Sul do Rio Itabapoana. A Oeste, as terras deviam entrar “na mesma largura pelo sertão e terra firme adentro tanto quanto puderem entrar e for de minha conquista”, especificava o documento régio.

Nas cinqüenta léguas de costa, estavam incluídas “quaisquer ilhas que houver, até dez léguas ao mar”.
Todas as capitanias estavam demarcadas, com cinqüenta léguas de costa marítima, “pelo sertão e terra firme adentro”, até a linha de Tordesilhas, limite convencionado entre Portugal e Espanha, para suas expansões territoriais.

Data de 7 de outubro de 1534 o Foral que determinava os direitos e deveres dos colonos, em face da Carta-Régia de doação.

A 14 de agosto de 1539, Vasco Fernandes Coutinho e Pero de Góis firmaram um acordo para que os limites de suas capitanias fosse o Rio Santa Catarina. A confirmação régia datava de 12 de março de 1543.

 

Fonte: História do Espírito Santo
Autora: Maria Stella de Novaes

Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2013

Especiais

Guerra, Guerra

Guerra, Guerra

Vila Rubim. Dia 17 de agosto de 1942. Alta noite, o servente de banco Joaquim Pirajá é acordado por um tropel que sobe a ladeira. Vai verificar que barulheira era aquela. São os saídos do comício da Praça Oito

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Praia do Canto era assim... - Por Sandra Aguiar

Das mãos de um engenheiro sanitarista, Francisco Saturnino Rodrigues de Brito, saiu o desenho do bairro

Ver Artigo
Um Bosque Sagrado - Por Sandra Aguiar

Para o morro da Barrinha, bosques e vários jardins, possibilitando passeios, que seriam, como dizia, o encanto do novo bairro

Ver Artigo
Primeiras grandes mudanças na Praia do Canto - Por Sandra Aguiar

A maior e melhor recordação, segundo ele, é da praia, bem em frente ao Miramar, que atraía maior número de pessoas

Ver Artigo
Vitória - Cidade sol na década de 1920: economia, sociedade e cultura

Florentino Avidos (1924-1928), priorizou a ampliação da malha ferroviária, já iniciada por Nestor Gomes (1920-1924)

Ver Artigo
A UFES e eu - Por Ailse Cypreste Romanelli

Primeira turma de Pedagogia: Anna Maria Bernardes, Regina Helena Magalhães, João de Abreu Ribeiro, Enilda Lordello, Gercia Guimarães e Ailse Terezinha Cypreste  

Ver Artigo