Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nos tempos do Rádio-Telégrafo – Por Walter José da Silva

Jornal O Diário - Rua Sete, Centro de Vitória

Comecei minha vida profissional na imprensa ingressando no O DIÁRIO. Fui um dos primeiros servidores do jornal sendo contratado um mês antes de jornal ser rodado, pelo velho Lisboa, de saudosa memória.

NO DIÁRIO me aperfeiçoei na profissão de rádio-telegrafista. Os anos foram se passando e eu me tornei, modéstia à parte, o único profissional em Vitória que recebia noticiários telegráficos para os jornais e emissoras de rádio. Fiz muitas amizades durante o tempo em que ali trabalhei. Depois, fui para A Gazeta, A Tribuna, Rádio Espírito Santo, Rádio Vitória e Rádio Capixaba.

Transformei-me numa verdadeira "agência telegráfica", já que Vitória não tinha outro rádio-telegrafista que recebesse esses noticiários. Os meus já os fazia com redação, o que outros não faziam. Nos jornais, era só colocar as manchetes. Nas emissoras de rádio, o noticiário saía diretamente das minhas mãos para os locutores "mandarem para o ar".

Trabalhei nesses órgãos de imprensa até 1970, quando as agências telegráficas foram substituídas pelos modernos teletipos. Daí para cá fiquei somente na Rádio Espírito Santo, mas agora como redator noticiarista. Trabalhei no O DIÁRIO desde sua fundação até 1970.

 

Fonte: O Diário da Rua Sete – 40 versões de uma paixão, 1ª edição, Vitória – 1998.
Projeto, coordenação e edição: Antonio de Padua Gurgel
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2018

Imprensa

Colunas e festas – Por Ronaldo Nascimento

Colunas e festas – Por Ronaldo Nascimento

Minha vida como jornalista começou com uma substituição a Eleisson de Almeida, no extinto jornal Sete Dias, que era semanal e em cores, em 1958 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Carlos Tourinho - Jornalismo Regional: Mudanças à vista, 1996

A vida do jornalista é cercada por “sirenes”. Em vários sentidos, em diferentes configurações

Ver Artigo
O Diário Revisado – Cláudio Bueno da Rocha

Eu me lembro dO DIÁRIO como o jornal de Edgard dos Anjos. Ele me levou para lá em dezembro de 1969

Ver Artigo
Academia de Jornalismo – Por Rogério Medeiros

Cheguei nO DIÁRIO como fotógrafo dos cadernos do Edgard, que pagava mais do que ganhava o pessoal da redação

Ver Artigo
Um ateu no convento – Por Areovaldo Costa Oliveira

Fui encarregado de fazer a cobertura da Festa da Penha, mas não me informei a respeito do que escrever

Ver Artigo
Fé na gente, bairrismo neles – Por Marien Calixte

Uma sociedade sem hábitos culturais não tem como formar opinião. Uma sociedade sem opinião não está apta a formar sua própria cultura

Ver Artigo