Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nossa Senhora do Rosário e o Congo

Autora Catarina Zambe

Embora alguns autores atribuam a gênese do Congado a uma influência européia, ligando-a as lutas religiosas da Idade Média, a hipótese mais forte é que defende a origem afro-brasileira do culto. É importante lembrar que o processo de catequese, através de missionários dominicanos, levara Nossa Senhora do Rosário à África, impondo seu culto aos negros. O acréscimo dos elementos de coroação de reis, lutas e bailados guerreiros é a contribuição africana, numa rememoração das  práticas da Terra-Mãe, cristianizando suas práticas de culto à Natureza.

A festa de Nossa Senhora do Rosário, no Brasil, está ligada a grupos negros que realizam os autos populares conhecidos pelos nomes de Congadas, Congado ou Congos. Por essa vinculação aos negros, as Congadas se tornaram também uma festa de santos de cor, como São Benedito e Santa Efigênia

O culto das Congadas tem origem afro-brasileira. A África pré-colonial recebeu a influência dos religiosos Missionários Dominicanos, que levaram, junto com sua Catequese, a devoção à Nossa Senhora do Rosário aos negros africanos.,. O modelo religioso dominicano foi recriado com elementos próprios da cultura africana, dando origem às chamadas congadas. 

A devoção à Senhora do Rosário tem a ver com luta, com vitória e, sobretudo com a PAZ. Os Congadeiros expressam tudo isto com as suas danças: a confiança naquela que é força nas suas lutas e a vitória como acordo festivo entre adversários. A Congada contém, inclusive, um significado muito atual. O mundo de hoje vive, de fato, uma profunda tensão religiosa com nuances de dominação política e econômica. Em Fátima, a mesma que diz “Eu sou a Senhora do Rosário” também se titula a Rainha da Paz. Sua mensagem fala de muitos rosários pela PAZ. A espiritualidade quase pueril das Congadas na sua devoção a Nossa Senhora do Rosário tem muito a nos ensinar como um apelo a tomarmos nosso Terço na mão e conquistarmos, com Nossa Senhora, muitas vitórias pela paz. 

 

Autor: Gether Lima, maio/2011

Variedades

Fazenda Araçatiba – Por Basílio Daemon

Fazenda Araçatiba – Por Basílio Daemon

Documento da arrematação da fazenda de Araçatiba, terras pertencentes ao capitão Manoel Bento da Rocha e tenente coronel Manoel Fernandes Vieira

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Semana Santa – Por Edward Athayde D’Alcântara

Quinta- Feira, saem da Igreja do Rosário, em procissão, as Filhas de Maria conduzindo o andor de Nossa Senhora das Dores

Ver Artigo
Personagens Originais - Por Areobaldo Lellis Horta

Éramos, nós, eu, meu pai e meu irmão, os seus companheiros de pescaria na Barrinha, fronteiro ao Monte Moreno

Ver Artigo
Casamentos – Por Areobaldo Lellis Horta

Era eu muito criança, quando assisti, pela primeira vez um casamento em Vitória

Ver Artigo
Peroás e Caramurus – Por Areobaldo Lellis Horta

 "Peroás" e "Caramurus" constituíram dois grandes partidos populares, de caráter eminentemente religioso e social, em que se dividiam os habitantes de Vitória

Ver Artigo
O Último Dia – Por Betty Feliz

Fomos passear na Lanchonete Sete e copiar alguns modelos do verão nas vitrinas da Doll Sport, que era o must da moda capixaba em 1968 

Ver Artigo