Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nova e poderosa força: os jesuítas

Palácio Anchieta e Igreja de São Tiago, no início do Século XX

Já sabemos que em 1551, quando por aqui passou Pero de Góis, a discórdia e o desvario quase punham a terra a perder.(1)

Foi, entretanto, nesse mesmo ano de 1551 que chegaram à donataria os apóstolos de uma nova era – os jesuítas. Efetivamente, a presença dos comandados de Nóbrega na capitania do Espírito Santo assinala sensível mudança na conduta dos cristãos e certa moderação nas atitudes dos silvícolas.

Dois inacianos inauguraram a catequese na terra capixaba: o padre Afonso Brás(2) e o irmão Simão Gonçalves.(3) Aqui devem ter chegado antes de se findar o mês de março, pois que deixaram Porto Seguro a vinte e três.(4)

Na carta em que relata os seus primeiros dias e trabalhos, Afonso Brás nos fala da recepção que “los moradores con grande plazer y alegria” lhe fizeram. Antes de qualquer iniciativa – porque estavam em vésperas da Páscoa – “no me ocupé ni entendí en otra cosa, si no en confessar y hazer otras obras pias”. Informa o padre no singular, porque só a ele cabiam aqueles misteres. A tarefa seguinte foi a construção de “una pobre casa, para nós poder recoger en ella; ella está ya cuberta de paja, y sin paredes. Trabajaré porque se edifique aquí una

hermita junto della en un sitio muy bueno, en la qual podamos dezir missa, confessar, hazer la doctrina, y otras cosas semejantes”.(5) Era a especialidade do padre Afonso Brás, que deixou outras construções em São Paulo e no Rio de Janeiro, nomeadamente.(6)

 

NOTAS

(1) - Carta de vinte e nove de abril de 1551, já citada – foot-note n.º 33 do capítulo IV.

(2) - Padre Afonso Brás – Natural de S. Paio de Arcos, Anadia (antigo termo da vila de Avelãs de Cima), nasceu por volta de 1524. Ingressou na Companhia em Coimbra a vinte e dois de abril de 1546 (ou 1548, conforme querem outros). Veio para o Brasil na segunda expedição – a de 1550. Fundou o Colégio do Espírito Santo em 1551 e é um dos fundadores de São Paulo, dirigindo a construção das primeiras casas. Trabalhou por mais de sessenta anos no Brasil, inclusive no Rio de Janeiro, destacando-se na Companhia como carpinteiro e mestre de obras, ou arquiteto. Faleceu no Rio de Janeiro, aos trinta de maio de 1610. Estes os principais elementos biográficos do primeiro missionário do Espírito Santo, segundo o que se contém na História da Companhia de Jesus, do padre SERAFIM LEITE, S. J. – vols. I (p. 215) e VIII (p. 122).

(3) - Ir. coadjutor Simão Gonçalves – Fora soldado antes de ingressar na Companhia, o que fez na Bahia, logo após a chegada dos primeiros jesuítas. “Foi o primeiro soldado que se cá tomou”, disse Nóbrega, referindo-se a ele. Ajudou o ensinar os meninos na Bahia. Em 1562 estava na capitania de São Vicente e em 1567 já era morto, pois não consta do respectivo catálogo. Não confundir com o padre Simeão Gonçalves (Cf. LEITE, HCJB, I, 573).

(4) - BRÁS, Cartas, I, 273.

(5) - BRÁS, Cartas, I, 274.

(6) - LEITE, HCJB, I, 215, nota 2, in fine; VIII, 122.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

Igrejas

Convento São Francisco é restaurado pela Vale

Convento São Francisco é restaurado pela Vale

O projeto foi executado pela empresa Empório Capixaba e patrocinado pela Lei Rouanet com apoio da Vale 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo XII

Escola Modelo Jerônimo Monteiro em construção, Vitória (1912). APEES — Coleção Jerônimo Monteiro

Ver Artigo
Ano de 1558 – Por Basílio Daemon

Aporta ao Espírito Santo Pedro Palácios, leigo franciscano do Convento da Arrábida, em Portugal, sendo natural de Medina do Rio Seco, em Espanha   

Ver Artigo
Ano de 1556 – Por Basílio Daemon

Os temiminós foram aldeados em terras da hoje vila de Guarapari, às margens do rio do Peixe Verde, nome derivado do de Pirá-Obig   

Ver Artigo
Ação da Igreja na época Colonial – Por João Eurípedes Franklin Leal

Em Vila Velha, Afonso Brás cuidou de levantar uma igreja dedicada a de N. S. do Rosário, 1551

Ver Artigo
Ano de 1551 – Por Basílio Daemon

Em março de 1551, tendo chegado o Pe. Afonso Brás e um irmão de nome José de Paiva, deram começo à capela, consagrando-a a Nossa Senhora do Rosário   

Ver Artigo