Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Núcleo de norte-americanos no ES

Lagoa Juparanã - Linhares, ES - Fonte: Prefeitura Municipal de Linhares

Para se entender o estabelecimento dos norte-americanos em terras do município de Linhares é necessária uma breve exposição histórica.

No ano de 1860, teve início nos Estados Unidos da América do Norte a luta a que se chamou "guerra da secessão"; luta civil cujo principal motivo era a escravidão. Os americanos estabelecidos ao norte do país desejavam aboli-la, e os do sul, latifundiários do algodão, que demandava muita mão-de-obra escrava, puseram-se naturalmente contra. A guerra durou cinco anos e, no final, venceram os ianques ou nortistas. Os sulistas ficaram inconformados, principalmente porque, quase no fim da guerra, o presidente Lincoln aboliu a escravidão.

Muitos desses sulistas, ou confederados, emigraram para países onde a escravidão era ainda permitida. E como o Brasil era um destes, vários vieram ter aqui.

Para o Espírito Santo veio um grande grupo em 1865, chefiado pelo coronel Charles G. Gunter, de Alabama. Celebrou contrato com o Governo que o autorizava a medir 20 léguas por 10, de terras nas margens norte e sul do Rio Doce, próximas ao rio Mutum e Guandu. Esta área, como sabemos, pertencia ao município de Linhares. Mas o Coronel fixou-se apenas no "fertilíssimo vale, à beira do lago Juparanã e iniciou seu cultivo com diversos indivíduos de sua terra natal". Quatro anos mais tarde o Ministério da Agricultura manda o engenheiro Virgínio Gama Lobo inspecionar o cumprimento do contrato.

O engenheiro então informa em relatório várias irregularidades. O senhor Charles estava tirando jacarandá, "permitindo que os intrusos se aproveitassem das terras do Estado", e uma das terras que ocupou na lagoa Juparanã fugia completamente aos termos do contrato. Inclusive, o zeloso engenherio nomeia como "intrusos" vários linharenses de renome por aqui na época. Ao final, ele diz que apenas alguns americanos restavam no rio Doce: Brasil Manley Gunter, Augusto Teodoro Adnet e mais três outros.

Ofício da Câmara de 1884 informa que este Adnet era diretor do Aldeamento Indígena de Mutum, e, como já referimos anteriormente, um parente dos Gunter fixou-se em Linhares por bastante tempo.

Não vingou, pois, este núcleo colonial norte-americano em Linhares, ou motivado pela "má direção do empresário" ou por situações outras de adaptação.

 

Fonte: Panorama Histórico de Linhares - 1982
Autora: Maria Lúcia Grossi Zunti
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2012

Imigração no ES

Tiroleses

Tiroleses

Em meados de 1800, mais ou menos 1857, austríacos da região do Tirol se instalaram no Município de Santa Leopoldina

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Imigrantes Italianos – Venda Nova dos Imigrantes

A classe operária não tinha perspectivas de melhoria se continuasse a viver na Itália. Sabe-se que diversas famílias que colonizaram Venda Nova (Falqueto, Caliman e Zandonadi). A vinda para a América os fascinava.

Ver Artigo
Colonização Polonesa no ES

Com a construção da ponte sobre o Rio Doce, em Colatina, uma das soluções encontradas pelo Governo Estadual foi fomentar a imigração para povoar aquela região

Ver Artigo
Emigrantes Portugueses de Origem Judaica - Ester Abreu

A autora fala a respeito das diásporas judaicas, os percalços desse povo para conservar seu estilo de vida e religião e da presença desse povo no Espírito Santo, oriundos de Portugal

Ver Artigo
Fotógrafo Cilmar Franceschetto pesquisa comunidade italiana

A beleza do biótipo de influência italiana é tema permanente no trabalho de antropologia visual de Cilmar Franceschetto

Ver Artigo
Imigrantes deixaram portugueses para trás

Na opinião de Renato Pacheco, lusos perderam o bonde da história e foram suplantados por uma cultura mais forte, que fez o desenvolvimento do Estado

Ver Artigo