Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O 1º Clube Carnavalesco de Vitória

Capa do Livro de Basílio Daemon, 1879 - Fonte: APEES

Funda-se neste ano de 1874, nesta capital, uma sociedade com o título Clube Recreio Carnavalesco, com o fim de oferecer a seus sócios distrações, havendo para esse fim jogo de bilhar, xadrez, gamão e bagatela; gabinete de leitura, aula de música e partidas mensais de dança.

Foi instalada no dia 19 de dezembro com um baile, tendo nesse dia tomado posse a primeira diretoria. A sociedade principiou a cumprir o seu programa, mas afinal os ambiciosos e desmanteladores acabaram por matá-la, havendo-se retirado muitos sócios desgostosos, o que a fez baquear.

 

Autor: Basílio Carvalho Daemon
Fonte: Província do Espírito Santo,1879
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2014

Variedades

A primeira mãe capixaba

A primeira mãe capixaba

Lia eu, certo dia, a origem da palavra Capixaba quando a minha familiar voz fanhosa interrompeu-me a leitura, para dar-me o seu amistoso – ‘Iane Coema, Cunhã! - Bom dia, minha velha, respondi-lhe. Que tens hoje para contar-me de tuas lindas histórias?

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O 1º Clube Carnavalesco de Vitória

Funda-se neste ano de 1874, nesta capital, uma sociedade com o título Clube Recreio Carnavalesco, com o fim de oferecer a seus sócios distrações

Ver Artigo
A História do Carnaval no Brasil - Por Haroldo Costa

Defendo com ardor e a mais profunda convicção que o nosso Carnaval representa hoje a mais fiel tradução das nossas heranças, contradições, perplexidades e perspectivas

Ver Artigo
A História do Carnaval

Foi em fins do século XIX e início do séc. XX que o carnaval do Brasil começou a conquistar fisionomia própria: nessa época já declinava o carnaval europeu

Ver Artigo
A maior tentação do poeta é ser poeta (para Otinho)

Poetas são exímios jogadores de esperteza. A palavra é sua peça de xadrez, seu dominó. Ao contrário dos que blasfemam, o poeta não é nuvem, nem inútil. O poeta tem corpo, é coisa sólida, pois seu poema é o corpo, mesmo quando morto, e seu poema é a alma de quem o lê

Ver Artigo
Casas antigas guardam histórias e mistérios (1ª parte)

No centro da cidade, casas quase centenárias a abandonadas causam medo e desconfiança 

Ver Artigo