Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Acordeom de Edson Quintaes

Foto cedida por Edson Quintaes

Sempre sonhei em tocar acordeom, quando fiz 15 anos comecei a tocar em vários lugares.

Em todas festas juninas eu era chamado para animar tocando nas "quadrilhas".

Na foto, eu tinha exatamente 15 anos, e ao meu lado estavam as colegas de acordeom, Giselda Cacciari e Yeda Castelar e Silva.

Nosso professor de acordeom era cego mas um excelente professor, nosso saudoso amigo professor Walter Fraga.

Toquei em tantas festas juninas que o fole de meu acordeom em poucos anos estragou, pois meu suor molhava o dito fole que era feito de papelão, portanto durou poucos anos.

Eu adorava tocar, ia para as festas com o meu instrumento prestando mais atenção na minha música, tentando nunca errar, e não ligando para as pessoas em volta.

Meu instrumento era um dos menores e mais simples, 80 baixos com 2 registros somente, super simples, mas o som era maravilhoso para os meus ouvidos, presente de natal dos meus finados paes, Balbino Quintaes Junior e Elsie de Almeida Quintaes, que Deus os tenham.

Parece que foi ontem...

Durante muitos anos nos bailes de festas juninas, eu já com 20, 30, 45 anos e com um conjunto musical tocando profissionalmente, nunca esqueci daquelas músicas da época das quadrilhas, e tocava sempre todas e como sempre todos gostavam...aplaudiam muito já usando teclados sofisticados como sintetizador e órgão eletrônico.

Em todos os clubes do Espírito Santo, alguns de Minas Gerais e outros do Rio de Janeiro, as músicas juninas sempre eram um motivo de alegria para todos os presentes.

Nos dias atuais, não sei onde foi parar o gosto pela verdadeira música...é um TUM TUM TUM...um bate-estaca sem melodia, muita luz, muita fumaça, muita gritaria, mas MÚSICA mesmo...nada ou quase nada.

Hoje se tirássemos as VOGAIS do nosso vocabulário, (aaa,eee,iii,ooo,uuu...) muitas "musicas" deixariam de existir...observem...! ! ! é lamentável...mas tenho esperança que um dia a juventude irá acordar e voltará a fazer novamente música com vários acordes, muitas melodias bonitas, etc etc.

PS: Não soltem balões, agradecemos.

 

Autor: Edson de Almeida Quintaes

Matérias Especiais

Muares no Espírito Santo – Por Ormando Moraes

Muares no Espírito Santo – Por Ormando Moraes

Então, o que se viu, atravessando serras e vales, foi a epopéia das tropas e dos tropeiros transportando a produção do Espírito Santo, especialmente o café

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo XVI

Fazia-se o desembarque de passageiros, em escaleres e lanchas pequenas que atracavam às escadas dos navios

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo II

Na foto ilustrativa, o casal Francisco de Sousa Monteiro e Henriqueta Rios de Sousa, pais de Jerônimo Monteiro (fim do séc. XIX). APEES — Coleção Maria Stella de Novaes

Ver Artigo
Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Carta endereçada ao escritor Walter de Aguiar Filho, autor do livro "Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno", pelas lembranças que nos traz sobre Vila Velha de outrora e pelo alerta sobre a identidade e cultura do canela-verde. Confira!

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VIII (FINAL)

Cristóvão Jaques foi o único que fez reconhecimentos e assentou padrões, conforme estão de acordo todos os cronistas e historiadores, estando por isso provado ser ele o primeiro que reconheceu a costa da província do ES

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VII

Com a chegada e desembarque, na província do Espírito Santo, do donatário Vasco Fernandes Coutinho, a 23 de maio de 1535, temos finalizado a notícia dos navegantes que tocaram ou não nas costas desta província

Ver Artigo