Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Acordeom de Edson Quintaes

Foto cedida por Edson Quintaes

Sempre sonhei em tocar acordeom, quando fiz 15 anos comecei a tocar em vários lugares.

Em todas festas juninas eu era chamado para animar tocando nas "quadrilhas".

Na foto, eu tinha exatamente 15 anos, e ao meu lado estavam as colegas de acordeom, Giselda Cacciari e Yeda Castelar e Silva.

Nosso professor de acordeom era cego mas um excelente professor, nosso saudoso amigo professor Walter Fraga.

Toquei em tantas festas juninas que o fole de meu acordeom em poucos anos estragou, pois meu suor molhava o dito fole que era feito de papelão, portanto durou poucos anos.

Eu adorava tocar, ia para as festas com o meu instrumento prestando mais atenção na minha música, tentando nunca errar, e não ligando para as pessoas em volta.

Meu instrumento era um dos menores e mais simples, 80 baixos com 2 registros somente, super simples, mas o som era maravilhoso para os meus ouvidos, presente de natal dos meus finados paes, Balbino Quintaes Junior e Elsie de Almeida Quintaes, que Deus os tenham.

Parece que foi ontem...

Durante muitos anos nos bailes de festas juninas, eu já com 20, 30, 45 anos e com um conjunto musical tocando profissionalmente, nunca esqueci daquelas músicas da época das quadrilhas, e tocava sempre todas e como sempre todos gostavam...aplaudiam muito já usando teclados sofisticados como sintetizador e órgão eletrônico.

Em todos os clubes do Espírito Santo, alguns de Minas Gerais e outros do Rio de Janeiro, as músicas juninas sempre eram um motivo de alegria para todos os presentes.

Nos dias atuais, não sei onde foi parar o gosto pela verdadeira música...é um TUM TUM TUM...um bate-estaca sem melodia, muita luz, muita fumaça, muita gritaria, mas MÚSICA mesmo...nada ou quase nada.

Hoje se tirássemos as VOGAIS do nosso vocabulário, (aaa,eee,iii,ooo,uuu...) muitas "musicas" deixariam de existir...observem...! ! ! é lamentável...mas tenho esperança que um dia a juventude irá acordar e voltará a fazer novamente música com vários acordes, muitas melodias bonitas, etc etc.

PS: Não soltem balões, agradecemos.

 

Autor: Edson de Almeida Quintaes

Matérias Especiais

A lenda do Frade e a Freira

A lenda do Frade e a Freira

Conta a lenda que há muitos anos atrás um padre apaixonou-se por uma freira. Como o amor entre eles era impossível, foram transformados em pedra para que esse amor fosse eternizado

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Paisagens da Ilha do Mel - Por Maria Isabel Perini Muniz

A paisagem vista e interpretada através da arte nos mostra aspectos que se escondem do nosso olhar descuidado e muitas vezes indiferente

Ver Artigo
Guarapari de ontem

"Quem passasse pela ruazinha tranqüila, aquela ruazinha varrida pelo vento sul e cujo solo barrento todo se cobria de regatinhos formados pelas chuvaradas de verão, invariavelmente descobriria a velha rendeira curvada sobre a almofada, trocando os bilros, atenta ao trabalho e de toda alheia ao bulício e à agitação exteriores ..."

Ver Artigo
General das Artes

Conheci, na casa de Homero Massena, anos 60, um amigo dele muito especial. Pessoa sensível, de fino trato, grande admirador da boa pintura e da Arte do mestre. Algumas vezes servi de mensageiro entre os dois, levando ao escritório do amigo, textos do Massena (muitas vezes assinados com pseudônimos: J. Prates, J. Carlos...) para que ele (diretor do jornal) providenciasse a publicação.

Ver Artigo
Festejos de Natal: Reis

O Reis foi introduzido em Vila Velha pelo Padre Antunes de Sequeira. Filho de Vitória, onde nascera a 3 de fevereiro de 1832

Ver Artigo
Ceia Natalina

A ceia natalina do Brasil e de outros países guardam muitas tradições em comum. Elas tem origem em velhos hábitos da Roma antiga

Ver Artigo