Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Acordeom de Edson Quintaes

Foto cedida por Edson Quintaes

Sempre sonhei em tocar acordeom, quando fiz 15 anos comecei a tocar em vários lugares.

Em todas festas juninas eu era chamado para animar tocando nas "quadrilhas".

Na foto, eu tinha exatamente 15 anos, e ao meu lado estavam as colegas de acordeom, Giselda Cacciari e Yeda Castelar e Silva.

Nosso professor de acordeom era cego mas um excelente professor, nosso saudoso amigo professor Walter Fraga.

Toquei em tantas festas juninas que o fole de meu acordeom em poucos anos estragou, pois meu suor molhava o dito fole que era feito de papelão, portanto durou poucos anos.

Eu adorava tocar, ia para as festas com o meu instrumento prestando mais atenção na minha música, tentando nunca errar, e não ligando para as pessoas em volta.

Meu instrumento era um dos menores e mais simples, 80 baixos com 2 registros somente, super simples, mas o som era maravilhoso para os meus ouvidos, presente de natal dos meus finados paes, Balbino Quintaes Junior e Elsie de Almeida Quintaes, que Deus os tenham.

Parece que foi ontem...

Durante muitos anos nos bailes de festas juninas, eu já com 20, 30, 45 anos e com um conjunto musical tocando profissionalmente, nunca esqueci daquelas músicas da época das quadrilhas, e tocava sempre todas e como sempre todos gostavam...aplaudiam muito já usando teclados sofisticados como sintetizador e órgão eletrônico.

Em todos os clubes do Espírito Santo, alguns de Minas Gerais e outros do Rio de Janeiro, as músicas juninas sempre eram um motivo de alegria para todos os presentes.

Nos dias atuais, não sei onde foi parar o gosto pela verdadeira música...é um TUM TUM TUM...um bate-estaca sem melodia, muita luz, muita fumaça, muita gritaria, mas MÚSICA mesmo...nada ou quase nada.

Hoje se tirássemos as VOGAIS do nosso vocabulário, (aaa,eee,iii,ooo,uuu...) muitas "musicas" deixariam de existir...observem...! ! ! é lamentável...mas tenho esperança que um dia a juventude irá acordar e voltará a fazer novamente música com vários acordes, muitas melodias bonitas, etc etc.

PS: Não soltem balões, agradecemos.

 

Autor: Edson de Almeida Quintaes

Matérias Especiais

Rumo ao Forno Grande

Rumo ao Forno Grande

Vá rumo ao Parque Estadual de Forno Grande, em Castelo, seguindo pela BR 206, no limite entre os municípios de Domingos Marins e Venda Nova do Imigrante, entrando à esquerda, seguindo pela estrada da terra do tomate, são 25 quilômetros até o local

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Edificações de Vitória

Preservando a memória do Centro, Vitória guarda também o Teatro Carlos Gomes, a sede do Palácio Anchieta, o Mercado da Capixaba, o Teatro Glória, o Arquivo Municipal, o Palácio Domingos Martins

Ver Artigo
Museu de Arte Moderna do Espírito Santo

Endereço por muitos anos do prédio da Secretaria de Administração, o museu foi o primeiro imóvel inaugurado na gestão de Florentino Avidos como presidente do estado do Espírito Santo

Ver Artigo
Posfácio do livro Parabéns Pra Você – Por Cariê Lindenberg

Por fim, o que mais me marca em Maria é a sua determinação, força de vontade e grande fibra

Ver Artigo
Páginas soltas – Por D. Maria Lindenberg

Noventa anos significam uma vida repleta de bons e de maus momentos. De triunfos e de derrotas

Ver Artigo
Depois de Carlos – Por D. Maria Lindenberg

O domingo de 19 de agosto de 1990 deveria ser igual a qualquer outro

Ver Artigo