Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Apedrejamento e o quebra-quebra – Por Adelpho Monjardim

Vale em Fradinhos em 1980. Hoje Rua Áureo Poli Monjardim (Arquivo PMV)

“Entre o Céu e a Terra muita coisa há que escapa à nossa vã filosofia”. Fenômenos que somente no sobrenatural buscamos explicação. Um desses fenômenos ocorreu aqui, aí pelos anos cinqüenta. O Morro da Fonte Grande, palco do estranho episódio, situa-se no coração da Cidade. Entre as residências ali existentes destacava-se a de uma família reconhecidamente religiosa e de costumes severos. Não obstante foi a escolhida para a alucinante manifestação das forças do Além, pois só assim podemos denominar o que escapa às leis naturais.

Naquela noite, após o jantar, reunida na sala, a família comentava os fatos do dia. Tudo muito íntimo, tudo muito simples. De repente violento baque em cima do telhado. Coisa pesada cai dentro do forro. Mal refeitos do choque os familiares ouviram novo baque e logo verdadeira chuva de pedras. Eram mesmo pedras. Com o peso o forro começou a se afundar. Alarmados, os moradores procuraram averiguar as causas. Pensaram logo em artes dos moleques, mas o primeiro que chegou à porta quase foi atingido por um paralelepípedo. Mesmo com a presença da polícia o bombardeio continuou. Interessante, as casas vizinhas nada sofreram. Em poucos minutos o telhado quedou arrasado e as pedras continuaram caindo. — Alma do outro mundo não respeita polícia, comentou um curioso.

A polícia apurou que os paralelepípedos procediam de um calçamento que estava sendo feito a mais de cem metros dali. Qual a força humana capaz de tal proeza?

Alguém lembrou chamar um médium que morava próximo, porém ele já havia tomado a iniciativa de apurar o fenômeno.

Acreditem ou não, mas com as suas rezas tudo serenou. Fora a doméstica, inocente, a causadora de tudo aquilo. Ela atraíra os maus espíritos.

Em um de seus livros, Vítor Hugo relata fato idêntico, sucedido em Paris.

Outro fenômeno extraordinário sucedeu em uma residência, na Praia do Canto, nesta Cidade de Vitória. Tudo muito calmo, tudo muito tranqüilo, na residência de um alto funcionário da Municipalidade. Nada prenunciava sucessos tão estranhos, tão extraordinários. Caía a tarde. No alto da cristaleira, na sala de jantar, um vaso de flores enfeitava o ambiente. Despreocupados conversavam todos, quando impelido por estranha força o vaso se elevou no espaço para violentamente se espatifar no chão. Surpresos viram tudo se quebrar dentro da cristaleira; os móveis saírem dos seus lugares e as cadeiras voarem de encontro às paredes. Aterrados abandonaram a casa e pediram auxílio à polícia. Informado do que ocorria, um tio do proprietário apareceu. Céptico, mas curioso, quis ver de perto o que se passava. Ao penetrar na sala, não obstante o caos, fez comentário descrente e irônico. Mal acabou de falar a poltrona restante projetou-se sobre ele. Só teve tempo de ganhar a rua, mais branco que um bilhete de loteria.

Com a presença de um médium serenou o pandemônio. Como no primeiro caso fora a empregadinha a causa involuntária do mal.

Como a Ciência explica o fenômeno? Existe o sobrenatural?

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

O despertar de um sonho – Por Adelpho Monjardim

O despertar de um sonho – Por Adelpho Monjardim

Com voz pausada e mansa falou-lhe de um tesouro enterrado no Convento de São Francisco

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo