Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O avião caiu, mas Luiz Buaiz sobreviveu

ACIDENTE AÉREO REGISTRADO EM 09.05.1962 - Avião da Cruzeiro do Sul - Convair CV-240-0 - Prefixo: PP-CEZ Vinte e três pessoas morreram a bordo no Aeroporto de Vitória, vindo do Rio de Janeiro

Trabalhar e fazer o bem são coisas que sempre deram sentido à vida de Luiz Buaiz. Viajando a trabalho, e com o objetivo de ajudar, ele se viu envolvido em um fato, lembrado por muitos amigos e pela família, que mostra uma das poucas vezes em que ele deu trabalho: o acidente de avião de que escapou e o susto que deu na cidade inteira.

Alexandre repete a história contada por Rogério Andião e José Ignácio Ferreira, mas numa versão com mais dados. Alguns, diferentes: “O médico a quem eu sou mais grato é Dr. Leonardo. Meu pai estava no Rio tentando arrumar emprego para ele, mas a reunião que teria para isso atrasou. Meu pai perdeu o avião, da Cruzeiro do Sul, que ia pegar. O avião caiu e todos que estavam a bordo morreram. Inclusive o Fábio Ruschi e a Judith Castello Leão. [Nota do site: Conforme nos foi informado por João Castello Lopes Ribeiro, quem faleceu neste acidente aéreo foi Jacy Leão Castello Leite e não a sua irmã Judith Leão Castello Ribeiro, esta veio a falecer 23.03.1982]

Como ele perdeu o voo, resolveu ir ao teatro. Além do meu pai, uma série de pessoas deixou de vir nesse horário para ver um jogo do Botafogo. Nesse período era muito difícil a comunicação. Para fazer uma ligação para o Rio, demorava horas. O interurbano era feito com a ajuda da telefonista. O nome dele constava na lista de passageiros, mas, no seu lugar, quem embarcou foi um padre, para quem ele manda rezar missa até hoje.

O nome dele estava na lista dos passageiros, e – descobrimos quando a ligação saiu – a conta no hotel tinha sido encerrada. Achamos que ele tinha embarcado. Em casa todos nós estávamos rezando o terço, acendendo velas, foi uma loucura. Nesse meio tempo meu tio José Buaiz estava no balcão da Cruzeiro brigando com os atendentes. O grande problema é que a lista de passageiros saía, mas não especificava os sobrenomes. Portanto, tinha uns quatro ou cinco de nome Luiz na lista. Quando ele chegou ao hotel e viu a pilha de recados, achou que aqui é que tinha morrido alguém.

Estávamos rezando e chorando quando ele ligou. Quem atendeu achou que era o Levi, que tinha a voz igual à dele. Foi um alívio. Então, graças a esse médico, Dr. Leonardo, que precisava de um emprego, meu pai está comigo até hoje.”

 

PRODUÇÃO

 

Copyright by © Luiz Buaiz – 2012

 

Coordenação do Projeto: Angela Buaiz

 

Captação de Recursos: ABZ Projetos

 

Texto e Edição: Sandra Medeiros

 

Colaboraram nas entrevistas:

Leonardo Quarto

Angela Buaiz

Ruth Vieira Gabriel

 

Revisão: Herbert Farias

 

Projeto e Edição Gráfica: Sandra Medeiros

 

Editoração Eletrônica: Rafael Teixeira e Sandra Medeiros

 

Digitalização: Shan Med

 

Tratamento de Imagens: TrioStudio; Shan Med

 

Fonte: Luiz Buaiz, biografia de um homem incomum – Vitória, ES – 2012.
Autora: Sandra Medeiros
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezvembro/2020

Variedades

Trianon: um souvenir - Por Luís de Almeida

Trianon: um souvenir - Por Luís de Almeida

Abrir um cinema em Jucutuquara, ora direis, acaso perdeste o tino. Pois vos digo que o Georges Henri Delanos perdeu sim e ergueu ali o Cine Trianon

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Proclamação da República e o Espírito Santo

A despeito de não ter havido a participação popular, a Proclamação da República não se explica pelo ato de Deodoro da Fonseca

Ver Artigo
Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo
O Exército Brasileiro em solo Espiritossantense

A nova denominação de 3º Batalhão de Caçadores veio do Decreto nº 13.916, de 11 de dezembro de 1919, permanecendo com a mesma, até 24 de janeiro de 1949 

Ver Artigo
Praia do Ribeiro e Ilha da Baleia – Por Edward Athayde D’Alcântara

A ilha da Baleia no período do Brasil Império e Colônia foi considerada como ponto estratégico para defesa da Capitania

Ver Artigo
Capítulo III - A viagem a Capitania do ES pelo Príncipe Maximiliano de Weid-Neuwied

Maximiliano e sua comitiva partem rumo ao “desconhecido”, em de novembro de 1815

Ver Artigo