Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Bondinho de Cachoeiro

Bonde de Cachoeiro do Itapemirim operou de 1924 a 1938

Foi no correr do ano de mil novecentos e vinte e quatro, quando administrava o município o engenheiro Seabra Muniz, que Cachoeiro de Itapemirim se viu dotada do importante melhoramento nos transportes urbanos: o bonde elétrico.

A linha foi instalada por Gustavo Corção, a princípio, entre a Fábrica de Tecidos e a Ponte do Amarelo e estendida, depois, até a estação Bahia e Minas. A “Companhia Serviços Reunidos Itapemirim”, que, por contrato, assumiu o encargo da manutenção dos bondes, não pode atender às cláusulas contratuais para construir a linha do lado norte, até a Fábrica do Cimento.

O folclorista Leonardo Motta, ao passar pela cidade, na ante-véspera da Revolução de 30, realizando brejeiras conferências literárias, colheu do livreiro Reynaldo Machado a informação de como a gente da terra apelidava os bondinhos: Upa e Cupa. E registrou, no seu livro: “No Tempo de Lampião”, a cacofonia de duplo sentido que os cachoeirenses se compraziam em formar na frase informativa de que quando o Upa sobe o Cupa desce.

Nas ruas apertadas, calçadas de paralelepípedos, o bondinho (que até nem era grande), atravancava o trânsito, rangendo, gingando, provocando barulhenta estática nos rádios receptores das residências, entrando em disputa com as carroças, caminhões, alguns poucos fordecos e chevrolets, de passeio, na primazia da passagem. E surgiam outros problemas, pois os bondes, com o seu peso, abalavam os calçamentos até uma distância de dois metros, sendo necessário levantar os paralelepípedos e reparar as linhas com a maior frequência.

Quando a energia elétrica que era fornecida pela Central Brasileira foi se tornando cara e o serviço dos bondes ficou oneroso, a exemplo do que vinha ocorrendo em todas as cidades brasileiras servidas por esse transporte, ele teve de ser suspenso.

Lembro-me que, em 4 de junho de 1938, publiquei uma crônica no Correio do Sul, na qual coloquei pessoas romanticamente debruçadas nas janelas, com lágrimas nos olhos e lencinho branco acenando um adeus ao último bondinho de Cachoeiro...

 

Nota do Site:

Significado de Estática

s.f. Física. Parte da mecânica que estuda o equilíbrio dos sistemas de forças. Radiofonia. Ruídos causados pela eletricidade atmosférica nas transmissões radiofônicas

 

 

Fonte: De Vasco Coutinho aos Contemporâneos, 1977
Autor: Levy Rocha
Compilação: Walter de Aguiar Filho

Bonde

A última lancha da noite

A última lancha da noite

O usuário que estivesse em Vitória e precisasse pegar o último bonde em Paul arriscava-se a não consegui-lo se perdesse a lancha em direção àquele ponto

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Bonde

O bonde proveniente de Paul fazia a sua última parada para apanhar ou deixar passageiros no ponto que antecedia Piratininga, nas proximidades do bar Ponto Chic, seguindo daí, sem mais parar, até Piratininga

Ver Artigo
Bonde em Vila Velha e Vitória

Eram dois bondes – um saía de Paul, o outro de Vila Velha. O cruzamento entre eles se dava na estação de Aribiri

Ver Artigo
Mais uma de Catraieiro

Li matéria dos catraeiros que fazem até hoje a travessia entre Vitória e Vila Velha. Gostei muito, e novamente fui ao passado ! ! !Na década de 50 e 60 (até 1967...) eu tocava acordeom nas noites de várias cidades de nosso estado. 

Ver Artigo
Bonde

Os primeiros bondes a circular em Vitória eram do tipo locomotiva movido a carvão. Os veículos pertenciam à Companhia Ferro Carril e faziam a linha Vitória/ Praia do Suá

Ver Artigo
A última lancha da noite

O usuário que estivesse em Vitória e precisasse pegar o último bonde em Paul arriscava-se a não consegui-lo se perdesse a lancha em direção àquele ponto

Ver Artigo