Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Britz fecha

Prédio do antigo Britz Bar - Foto: Walter de Aguiar Filho, 08/2011

Amanhã não fecha,

porque depois de amanhã é domingo

Não se desesperem.

Pensem nas cubas libres que virão,

nos versos que estão para escrever.

Deixem que vá a leilão,

mas não arredem o pé de suas mesas,

nem abram mão de sua orlofe

imprensada entre o limão e o açúcar.

 

O Britz fecha.

Quinta, depois do carnaval, em agosto.

Que janela me indicou tal portaria,

Se bar era sem porta.

 

O Britz fecha.

Onde procurar o chope gelado,

o americano e o sergio egito.

 

O Britz fecha.

O vento sul, desnorteado,

vai bater a porta que ninguém

nunca viu.

 

O Britz fecha,

no vermelho,

em débito de sonatas e paixões

a corações errantes

nas tantas contas que ficaram por quitar

 

Fonte: Escritos de Vitória – bares, botequins etc.
Autor: Anilton Trancoso
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012

Variedades

Espírito Santo: uma visão logística

Espírito Santo: uma visão logística

O nosso aeroporto ainda é muito modesto, tanto para cargas nacionais quanto internacionais. Temos investimentos já alocados e com data de início para o 1º trimestre de 2003, projetando-se o término das obras para os próximos 5 anos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O 1º Clube Carnavalesco de Vitória

Funda-se neste ano de 1874, nesta capital, uma sociedade com o título Clube Recreio Carnavalesco, com o fim de oferecer a seus sócios distrações

Ver Artigo
A História do Carnaval no Brasil - Por Haroldo Costa

Defendo com ardor e a mais profunda convicção que o nosso Carnaval representa hoje a mais fiel tradução das nossas heranças, contradições, perplexidades e perspectivas

Ver Artigo
A História do Carnaval

Foi em fins do século XIX e início do séc. XX que o carnaval do Brasil começou a conquistar fisionomia própria: nessa época já declinava o carnaval europeu

Ver Artigo
A maior tentação do poeta é ser poeta (para Otinho)

Poetas são exímios jogadores de esperteza. A palavra é sua peça de xadrez, seu dominó. Ao contrário dos que blasfemam, o poeta não é nuvem, nem inútil. O poeta tem corpo, é coisa sólida, pois seu poema é o corpo, mesmo quando morto, e seu poema é a alma de quem o lê

Ver Artigo
Casas antigas guardam histórias e mistérios (1ª parte)

No centro da cidade, casas quase centenárias a abandonadas causam medo e desconfiança 

Ver Artigo