Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Convento da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Convento da Penha - Foto José Luiz Pizzol, 1958

Alcandorado e belo, exposto ao raio e ao vento,

sentinela da barra, em perfil singular,

destaca-se, no espaço, o lendário Convento,

o trono de Maria entre a planície e o mar.

 

Peregrino, contempla o augusto monumento

da terra capixaba. Ali, vive a rezar,

em hosanas de glória, ou rudez do tormento,

o coração de um povo! Oh! sim, vem meditar –  

 

O sonho de Frei Pedro, — o monge do painel,

perdido na montanha, à sombra das palmeiras,

 inspira um florilégio, em poemas e prosa.

 

O artista o registrou, num primor de pincel,

e a Fé, tão superior aos cumes e às trincheiras,

conduz as multidões à Virgem Poderosa! ...

 

Maria Stella de Novaes

 

Fonte: O Relicário de um povo – O Santuário de Nossa Senhora da Penha, 2ª edição, 1958
Autora da poesia: Maria Stella de Novaes
Autora do livro: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2018

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

História da Festa da Penha

A Festa da Padroeira dos capixabas sempre foi o principal acontecimento religioso de Vila Velha. Segundo a Lei nº 7, de 12/11/1844, o dia da Festa da Penha passou a ser considerado feriado em toda a Província do Espírito Santo

Ver Artigo
Todos os motivos nos levam à Festa da Penha

Desde 1570 comemoramos a Festa da Penha oito dias após a Páscoa. Ela é a festa cristã pioneira da América

Ver Artigo
Campo de Piratininga na história do Convento

Os franciscanos compraram o campo de Piratininga, por 5$000, a Da. Catarina de Vide, viúva de Manuel de Vide, o compadre e amigo de Anchieta

Ver Artigo
As Terras do Convento – Por Nobertino Bahiense

O documento de doação feita pela Governadora da Capitania do Espírito Santo, Da. Luísa Grinalda, desde a longínqua data de 6 de dezembro de 1591

Ver Artigo
A Festa da Penha

A primeira Festa da Penha - como já se disse - foi realizada ainda em vida de Frei Pedro Palácios, que a promoveu. Escolheu ele a segunda-feira depois da dominga de Pascoela, dia consagrado, então, à devoção franciscana de Nossa Senhora dos Prazeres.

Ver Artigo