Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Convento de São Francisco

Convento de São Francisco

O Convento de São Francisco, o mais antigo do sul do Brasil, foi a primeira habitação que teve água a domicílio. O guardião Frei Paulo de Santo Antônio deve ter sido o primeiro entendido na arte de nivelar, topógrafo, digamos assim, na vila de Vitória. Foi o construtor do aqueduto que trouxe água da Fonte Grande para a cozinha do Convento (1643), donde se tirou um ramal, em tubo de ferro para o chafariz, que durou até o começo do século, fronteiro ao edifício da Maçonaria (1737).

Em 1744, quando se levantou o clássico cruzeiro, murou-se a ladeira nos dois lados, para facilitar o acesso das devotas até a portaria do Convento. As torres foram beneficiadas entre aquele ano e o de 1781, conforme atesta a cartela, que o estucador deixou gravado no nicho dos sinos.

Quem entalhou os alteres foi Frei Cosme de S. Damião (1617).

São Francisco, padroeiro da Ordem, encimava o altor mor, e nos nichos laterais, ficavam as imagens de Sto. Antônio e São Benedito. A irmandade deste milagroso Santo, de tez africana, foi célebre e constituiu motivo de muita rixa entre os devotos.

Santo Antônio, a requerimento de Frei Amaro da Conceição, 21 de fevereiro de 1752, foi matriculado soldado na Companhia de Infantaria, vencendo, por mês, um vintém de cada praça e dois por oficial. Comandava a unidade militar o Capitão José Borges, servindo de Procurador, Falcão Gouvêa.

No chão de marinha, doado pela Câmara, no lado da Lapa, o guardião Frei Diogo de Santo Inácio constrói pequeno armazém e um cais para atracação de canoas, recebendo o nome de Cais São Francisco, atingindo a Rua Tapera.

Os franciscanos tiveram noviciados antes de os seus irmãos de Ordem tê-lo inaugurado no Rio de Janeiro (1638).

Praticaram a caridade e não se descuidaram da pobreza. Cumpriram a missão nobilitante que o “Pobre de Assis” lhes deixaram como herança mister.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, Rio de Janeiro, Editora Pongetti, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilado por: Walter de Aguiar Filho, julho/2012

História do ES

Literatura no ES - Conclusões

Literatura no ES - Conclusões

Por quê a  literatura produzida no Espírito Santo pode ser considerada “marginal” ou “periférica” ?

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo