Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Convento de São Francisco

Convento de São Francisco

O Convento de São Francisco, o mais antigo do sul do Brasil, foi a primeira habitação que teve água a domicílio. O guardião Frei Paulo de Santo Antônio deve ter sido o primeiro entendido na arte de nivelar, topógrafo, digamos assim, na vila de Vitória. Foi o construtor do aqueduto que trouxe água da Fonte Grande para a cozinha do Convento (1643), donde se tirou um ramal, em tubo de ferro para o chafariz, que durou até o começo do século, fronteiro ao edifício da Maçonaria (1737).

Em 1744, quando se levantou o clássico cruzeiro, murou-se a ladeira nos dois lados, para facilitar o acesso das devotas até a portaria do Convento. As torres foram beneficiadas entre aquele ano e o de 1781, conforme atesta a cartela, que o estucador deixou gravado no nicho dos sinos.

Quem entalhou os alteres foi Frei Cosme de S. Damião (1617).

São Francisco, padroeiro da Ordem, encimava o altor mor, e nos nichos laterais, ficavam as imagens de Sto. Antônio e São Benedito. A irmandade deste milagroso Santo, de tez africana, foi célebre e constituiu motivo de muita rixa entre os devotos.

Santo Antônio, a requerimento de Frei Amaro da Conceição, 21 de fevereiro de 1752, foi matriculado soldado na Companhia de Infantaria, vencendo, por mês, um vintém de cada praça e dois por oficial. Comandava a unidade militar o Capitão José Borges, servindo de Procurador, Falcão Gouvêa.

No chão de marinha, doado pela Câmara, no lado da Lapa, o guardião Frei Diogo de Santo Inácio constrói pequeno armazém e um cais para atracação de canoas, recebendo o nome de Cais São Francisco, atingindo a Rua Tapera.

Os franciscanos tiveram noviciados antes de os seus irmãos de Ordem tê-lo inaugurado no Rio de Janeiro (1638).

Praticaram a caridade e não se descuidaram da pobreza. Cumpriram a missão nobilitante que o “Pobre de Assis” lhes deixaram como herança mister.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, Rio de Janeiro, Editora Pongetti, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilado por: Walter de Aguiar Filho, julho/2012

História do ES

Massacre na Praça

Massacre na Praça

Foi num clima de confronto que os caravaneiros da AL chegaram ao comício do Largo do Colégio do Carmo, prometendo um festival de denúncias contra a candidatura de Júlio Prestes

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo