Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Culto a Nossa Senhora da Penha

Nossa Senhora da Penha

O culto a Nossa Senhora da Penha começou como culto a Nossa Senhora dos Prazeres, ou Nossa Senhora das Alegrias, a virgem representada no quadro trazido da Espanha por Frei Pedro Palácios, franciscano que veio a pedido do donatário da Capitania do Espírito Santo, Dom Vasco Fernandes Coutinho.

Nossa Senhora das Alegrias era e ainda é uma santa muito querida em Portugal. Há igrejinhas em sua homenagem e para sua devoção em Leiria, na Freguesia de São Roque, em Câmara de Lobos, em Vinhais, em Fronteira, em Trofa, na Freguesia de Adeganha. Só no Norte Alentejano, há uma em Alter do Chão, construída no século XVI e outra em Castelo de Vide, datada do século XVII.

O dia de Nossa Senhora das Alegrias é comemorado na segunda-feira depois do domingo de Páscoa, portanto varia a cada ano. Mas vai cair sempre num dia entre a última semana de março e a primeira semana de abril.

Frei Pedro Palácios morreu numa quarta-feira, depois da segunda festa que fez em louvor à santa. Morreu ajoelhado, na capelinha que para ela ergueu no alto da pedra onde hoje está o Convento.

Quando a igreja foi construída a população local era formada por portugueses e índios. Os portugueses chamavam penha ou penhasco o que hoje nós chamamos pedra: uma grande elevação de rocha sólida. Estando a igrejinha no alto da penha, passou a ser chamada Igreja da Penha. E a sua protetora, Nossa Senhora da Penha.

Assim ficou. Até hoje a santa padroeira do Espírito Santo é Nossa Senhora da Penha. Apesar de haver uma outra Nossa Senhora da Penha, a padroeira dos peregrinos. A nossa é, portanto, a Nossa Senhora das Alegrias - ou dos Prazeres - que, como conta a lenda de Frei Pedro Palácios, quis que sua casa fosse edificada no alto da penha que se ergue na Prainha.

 

Fonte: Nossa Senhora da Penha – Padroeira do Espírito Santo – 2005
Autora: Sandra Medeiros
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2015

Convento da Penha

O Franciscano Frei Pedro Palácios trouxe a devoção da Penha

O Franciscano Frei Pedro Palácios trouxe a devoção da Penha

Frei Pedro Palácios nasceu na Espanha, filho de nobres e desde muito cedo mostrou sua inclinação para as doutrinas da fé

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Natureza e a Obra – Por Norbertino Bahiense

A história do Convento da Penha constitui um dos preciosos capítulos na própria História do Brasil e, talvez, o primeiro da História do Espírito Santo

Ver Artigo
As Terras do Convento – Por Nobertino Bahiense

O documento de doação feita pela Governadora da Capitania do Espírito Santo, Da. Luísa Grinalda, desde a longínqua data de 6 de dezembro de 1591

Ver Artigo
A Arquitetura do Convento da Penha, pela voz de um técnico americano

O Alpendre, que, avançando, projeta ao espaço, por assim dizer, a sobriedade das linhas retas e formas sólidas das paredes da fachada

Ver Artigo
O Roubo de 1925 ao Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

O Convento foi assaltado e roubado por mãos criminosas que levaram o manto, a coroa e as jóias da imagem de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo
Pedro Palácios – Por Solimar de Oliveira

Ave, condor da fé, que aos píncaros supremos elevastes, a arder na religiosa unção

Ver Artigo