Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Culto a Nossa Senhora da Penha

Nossa Senhora da Penha

O culto a Nossa Senhora da Penha começou como culto a Nossa Senhora dos Prazeres, ou Nossa Senhora das Alegrias, a virgem representada no quadro trazido da Espanha por Frei Pedro Palácios, franciscano que veio a pedido do donatário da Capitania do Espírito Santo, Dom Vasco Fernandes Coutinho.

Nossa Senhora das Alegrias era e ainda é uma santa muito querida em Portugal. Há igrejinhas em sua homenagem e para sua devoção em Leiria, na Freguesia de São Roque, em Câmara de Lobos, em Vinhais, em Fronteira, em Trofa, na Freguesia de Adeganha. Só no Norte Alentejano, há uma em Alter do Chão, construída no século XVI e outra em Castelo de Vide, datada do século XVII.

O dia de Nossa Senhora das Alegrias é comemorado na segunda-feira depois do domingo de Páscoa, portanto varia a cada ano. Mas vai cair sempre num dia entre a última semana de março e a primeira semana de abril.

Frei Pedro Palácios morreu numa quarta-feira, depois da segunda festa que fez em louvor à santa. Morreu ajoelhado, na capelinha que para ela ergueu no alto da pedra onde hoje está o Convento.

Quando a igreja foi construída a população local era formada por portugueses e índios. Os portugueses chamavam penha ou penhasco o que hoje nós chamamos pedra: uma grande elevação de rocha sólida. Estando a igrejinha no alto da penha, passou a ser chamada Igreja da Penha. E a sua protetora, Nossa Senhora da Penha.

Assim ficou. Até hoje a santa padroeira do Espírito Santo é Nossa Senhora da Penha. Apesar de haver uma outra Nossa Senhora da Penha, a padroeira dos peregrinos. A nossa é, portanto, a Nossa Senhora das Alegrias - ou dos Prazeres - que, como conta a lenda de Frei Pedro Palácios, quis que sua casa fosse edificada no alto da penha que se ergue na Prainha.

 

Fonte: Nossa Senhora da Penha – Padroeira do Espírito Santo – 2005
Autora: Sandra Medeiros
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2015

Convento da Penha

O Quadro – Por Orminda Escobar Gomes

O Quadro – Por Orminda Escobar Gomes

Depois galgou o monte a pesquisar... e, atento, de assombro cheio, — olhando o pico, no momento... entre, as palmeiras viu — O Quadro da Senhora!

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

História da Festa da Penha

A Festa da Padroeira dos capixabas sempre foi o principal acontecimento religioso de Vila Velha. Segundo a Lei nº 7, de 12/11/1844, o dia da Festa da Penha passou a ser considerado feriado em toda a Província do Espírito Santo

Ver Artigo
Todos os motivos nos levam à Festa da Penha

Desde 1570 comemoramos a Festa da Penha oito dias após a Páscoa. Ela é a festa cristã pioneira da América

Ver Artigo
Campo de Piratininga na história do Convento

Os franciscanos compraram o campo de Piratininga, por 5$000, a Da. Catarina de Vide, viúva de Manuel de Vide, o compadre e amigo de Anchieta

Ver Artigo
As Terras do Convento – Por Nobertino Bahiense

O documento de doação feita pela Governadora da Capitania do Espírito Santo, Da. Luísa Grinalda, desde a longínqua data de 6 de dezembro de 1591

Ver Artigo
A Festa da Penha

A primeira Festa da Penha - como já se disse - foi realizada ainda em vida de Frei Pedro Palácios, que a promoveu. Escolheu ele a segunda-feira depois da dominga de Pascoela, dia consagrado, então, à devoção franciscana de Nossa Senhora dos Prazeres.

Ver Artigo