Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Culto a Nossa Senhora da Penha

Nossa Senhora da Penha

O culto a Nossa Senhora da Penha começou como culto a Nossa Senhora dos Prazeres, ou Nossa Senhora das Alegrias, a virgem representada no quadro trazido da Espanha por Frei Pedro Palácios, franciscano que veio a pedido do donatário da Capitania do Espírito Santo, Dom Vasco Fernandes Coutinho.

Nossa Senhora das Alegrias era e ainda é uma santa muito querida em Portugal. Há igrejinhas em sua homenagem e para sua devoção em Leiria, na Freguesia de São Roque, em Câmara de Lobos, em Vinhais, em Fronteira, em Trofa, na Freguesia de Adeganha. Só no Norte Alentejano, há uma em Alter do Chão, construída no século XVI e outra em Castelo de Vide, datada do século XVII.

O dia de Nossa Senhora das Alegrias é comemorado na segunda-feira depois do domingo de Páscoa, portanto varia a cada ano. Mas vai cair sempre num dia entre a última semana de março e a primeira semana de abril.

Frei Pedro Palácios morreu numa quarta-feira, depois da segunda festa que fez em louvor à santa. Morreu ajoelhado, na capelinha que para ela ergueu no alto da pedra onde hoje está o Convento.

Quando a igreja foi construída a população local era formada por portugueses e índios. Os portugueses chamavam penha ou penhasco o que hoje nós chamamos pedra: uma grande elevação de rocha sólida. Estando a igrejinha no alto da penha, passou a ser chamada Igreja da Penha. E a sua protetora, Nossa Senhora da Penha.

Assim ficou. Até hoje a santa padroeira do Espírito Santo é Nossa Senhora da Penha. Apesar de haver uma outra Nossa Senhora da Penha, a padroeira dos peregrinos. A nossa é, portanto, a Nossa Senhora das Alegrias - ou dos Prazeres - que, como conta a lenda de Frei Pedro Palácios, quis que sua casa fosse edificada no alto da penha que se ergue na Prainha.

 

Fonte: Nossa Senhora da Penha – Padroeira do Espírito Santo – 2005
Autora: Sandra Medeiros
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2015

Convento da Penha

Milagres e Graças da Penha – Por Norbertino Bahiense

Milagres e Graças da Penha – Por Norbertino Bahiense

De certo tempo para cá, foi adotado no Convento o sistema de registrar no mármore, as graças recebidas ou os milagres atribuídos à Santa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Gruta de Frei Pedro Palácios, Oratório e Frontal do Portão - Por Seu Dedê

Na época da jurisdição do capelão Padre José Ludwin, a missa do domingo, véspera da Festa da Penha, era celebrada às nove horas em frente ao oratório

Ver Artigo
Fonte Milagrosa do Convento da Penha

Localizada no terraço inferior do Convento de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo
O genial Vitor Meireles no Convento da Penha no ano de 1871

Os pincéis mágicos que imortalizaram as grandes telas históricas também estiveram na Penha, manejados pelo genial Vitor Meireles

Ver Artigo
A Penha do meu tempo – Por Areobaldo Lellis Horta

Via-se a senzala, em ruínas, composta de pequeno número de casebres, quase destelhados uns, outros de paredes fendidas e atacadas pela hera

Ver Artigo
O Convento da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Peregrino, contempla o augusto monumento  da terra capixaba. Ali, vive a rezar, em hosanas de glória, ou rudez do tormento, o coração de um povo!

Ver Artigo