Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O ES em meados do século XVIII

O Forte foi ampliado, ganhou aspecto circular e foi dotado de 15 canhoneiras. Foto sem data - Acervo Edward D Alcântara

Incúria da administração – Penúria do país

 

A importância estratégica da capitania obrigou não apenas à construção de custosa linha de fortificações, mas também ao aumento da guarnição militar (em 1736) para cinquenta soldados.(1)

O vice-rei conde de Sabugosa afirmou, certa feita, que “a capitania do Espirito Santo se conservou com melhor harmonia, sendo de donatários do que da Coroa”, atribuindo as “muitas desordens á pouca capacidade e má escolha de capitães mayores, desde o governo de Antonio Oliveira Madail”.(2)

Lado a lado daquelas desordens, a incúria das autoridades. Que fale um magistrado – o Dr. Mateus Nunes de Macedo, segundo ouvidor geral da comarca: “Aqui [Vitória] não há cadeia, nem Casa da Câmara, por terem caído de todo e não cuidarem os meus antecessores na sua reedificação, em tempo mais suave, se bem que a falta de meios seria então a causa, pois a Câmara não tem rendimento algum e por esse motivo, não tem alcaide por não haver dinheiro para se lhe pagar o seu ordenado, como não se paga o escrivão da mesma Câmara”.(3)

Seria o caso de se perguntar – em que estágio de civilização vivia o homem, neste pedaço de Brasil, em meados do século XVIII? Homem contemporâneo de uma brilhante fase da cultura européia e vizinho contíguo das mais ricas minas auríferas de sua época, pisando ele mesmo um solo generoso e ubérrimo, quase dois séculos mais tarde muito justamente batizado de Canaã...

 

NOTAS

(1) - “Fui servido determinar por resolução de catorze do prezente mez e anno, em consulta do meu Conselho Ultramarino que a Companhia [que] ali ha se complete logo com o numero de cincoenta soldados promptos e capazes, e que estes sejam pagos pela Provedoria mór dessa cidade da Bahia de socorros, fardas e farinhas, como se pratica com os dessa praça, ao que não chegar o rendimento dos dizimos daquella Capitania, e que para ella vá hum official pratico no exercicio da Artilharia, para ensinar os artilheiros e os possa pôr em bom metodo do serviço e juntamente, que de tres em tres annos vá dessa praça da Bahia hum engenheiro vêr e examinar as fortalezas e fazer as obras e reparos de Artilharia, indo dahi as ferragens” (Carta régia dirigida ao Vice-Rei do Brasil ... Lisboa, vinte de abril de 1736, ALMEIDA, Inventário, VIII, 439).

– As providências de que dá notícia essa carta régia têm, indubitavelmente, origem na carta, de quinze de outubro de 1732, do capitão-mor Cirne da Veiga (nota I do capítulo XI).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2018

História do ES

Os desenhos do Príncipe de Wied

Os desenhos do Príncipe de Wied

Só agora me chegou às mãos o livro de excertos e ilustrações relativo à Viagem ao Brasil, empreendida por Maximiliano, Príncipe de Wied, nos anos de 1815-1817

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Carta de Anchieta ao Capitão Miguel de Azevedo

Transcrição da carta de Anchieta ao Capitão Miguel de Azevedo, da Bahia, datada de 1° de dezembro de 1592

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Marcelino Champagnat

Marcellin Champagnat, aportuguesado para Marcelino Champagnat nasce a 20 de maio de 1789, em Marlhes, aldeia de montanha no Centro-Leste da França, no início da Revolução Francesa

Ver Artigo
A PMES na Guerra do Paraguai: há 150 anos – Gelson Loiola

O enviar do efetivo da companhia de Polícia para a guerra, foi autorizada pela Assembleia Legislativa Provincial  mediante a aprovação e sanção da Lei nº 3, de 4 de maio de 1868

Ver Artigo
A Viagem do Imperador Pedro II à Província do Espírito Santo

Aos 35 anos de idade, estava ele no auge da vitalidade, naquele verão de 1859/1860

Ver Artigo