Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O “grande leilão”

Corredor de Transporte Centroleste

Até onde é possível saber, os indicadores mostram que os governadores pós-ditadura não mediram esforços para respeitar a “cartilha” da política econômica neoliberal. Seguindo uma tendência federal e até mesmo mundial, tomaram decisões para integrar o Espírito Santo ao mercado global.

Nos últimos 20 anos, percebemos, no Estado, os “efeitos colaterais” da globalização econômica, especialmente o fenômeno das privatizações. Diversas empresas estatais foram “leiloadas”, na Bolsa do Rio de Janeiro, sob o comando – e o “martelo” – do governo brasileiro.

Em 1989, a Cofavi foi privatizada. Em 1992 e 1997, respectivamente, foi a vez da CST e da CVRD. O sistema de telefonia estatal (Telest) e de fornecimento de energia (Escelsa) também foram vendidos para grupos empresarias privados de capital predominantemente estrangeiro.

O Porto de Tubarão deixou de ser exportador exclusivo de minério de ferro e aço. Em I993, foi reestruturado com píeres específicos para atracamento de supergraneleiros que transportam, para o exterior, os grãos de soja que vêm da região Centro-Oeste do Brasil.

O complexo portuário ligado à CVRD, além do porto de Tubarão, engloba, hoje, outros dois: o terminal de Vila Velha (antigo Atalaia) e o porto de Praia Mole. Pelo primeiro, são exportados, em contêineres, diversas mercadorias: peças de automóveis, chocolates, refrigerantes, granitos etc.  O segundo é especializado em produtos siderúrgicos fabricados pela CST, Usiminas e Açominas.

Há, também, o porto de Regência, em Linhares, com um terminal de embarque de petróleo, além de outros portos que já foram citados no transcorrer deste capítulo.

A posição geográfica do Espírito Santo e sua “vocação portuária” foram fatores determinantes para a implementação, a partir de 1991, do Corredor de Transporte Centroleste – CTC. Segundo o geógrafo Miguel Kill, o CTC é: “uma integração de portos capixabas com rodovias e ferrovias, principalmente com a Estrada de Ferro Vitória Minas, com o objetivo de exportar parte da produção agrícola e industrial dos Estados do Corredor (...) e importar produtos para estes estados”.

Metaforicamente, o litoral capixaba passou a funcionar como a “garganta” de um imenso “funil” por onde passam, em “mão dupla”, mercadorias provenientes e destinadas aos Estados de MG,GO,TO,MT,MS e BA, além do Distrito Federal – ou seja, grande parte da hinterlândia brasileira depende dos portos do Espírito Santo.

 

Fonte: História do Espírito Santo, Vitória/2002
Autor: José Pontes Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2011

Variedades

Casas antigas guardam histórias e mistérios (2ª parte)

Casas antigas guardam histórias e mistérios (2ª parte)

“Às vezes fico angustiado pensando como a velha sofreu aqui, olho para o sótão e me dá arrepios”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Último Dia – Por Betty Feliz

Fomos passear na Lanchonete Sete e copiar alguns modelos do verão nas vitrinas da Doll Sport, que era o must da moda capixaba em 1968 

Ver Artigo
Nascida em 23 de maio - Por Terê Thomazini

Dia 23 de maio de 1970 foi meu nascimento aqui na cidade de Vila Velha. Na verdade dez anos antes, na cidade de São Gabriel da Palha Dona Lacy Thomazini dava a luz a uma menina que seria a primeira dos seus seis filhos

Ver Artigo
O Titânio na Costa do Espírito Santo – Por Archimimo Mattos

Os depósitos litorâneos de Benevente, Guarapari, Itapemirim  são de fácil exploração comercial, como, aliás, já foi feito com as areias monazíticas

Ver Artigo
A origem do nome Morro da Manteigueira

A Casa da Manteigueira, um antigo solar que tinha fama de ser assombrado pelos espíritos de dois amantes...

Ver Artigo
Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo