Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O imperdível Luís - Por Pedro Maia

Pedro Maia - Cronista do Cidade Aberta

É difícil para nós, jornalistas, fazermos noticia quando um jornalista morre. Mais difícil ainda é escrever sobre um jornalista morto, principalmente quando este jornalista é do porte de um Luís Eduardo Nascimento. E a tarefa se torna imensamente penosa quando se sabe que o jornalista morto era, antes de tudo, um amigo, um irmão.

Para os que não sabem, esta coluna, "Cidade Aberta", que escrevemos há coisa de uns oito anos, era originariamente assinada pelo Luís Eduardo, que neste espaço marcou época com o seu estilo irônico e sutil de dizer as coisas. Em 1981, quando o Marien Calixte respondia pela redação de A Tribuna, o Luís foi intimado a fazer a coluna social do jornal e nos indicou para substituí-lo na "Cidade Aberta".

Na ocasião ficamos temerosos do que poderia acontecer em substituir o titular que já havia marcado, com sua personalidade, a linha da coluna. Foi quando o Luís, do alto do seu otimismo sem fim, gritou no meio da redação:

— Qualé, ô Pedrãol Tu vais fazer até melhor que eu! Deixa de bobeira, se enquadra ô otário, e vai em frente...

De outra vez, quando a televisão já fazia parte de A Tribuna, nos convidaram para fazer um comentário sobre polícia no jornal da emissora, onde o Luís já ocupava dois minutos falando sobre coisas da cidade. Outra vez o medo da coisa nova e outra vez o conselho do Luís:

— Olha aí, ô mané! Tu já cantaste uma mulher bonita? Pois então. É a mesma coisa. É só olhar para a câmera na sua frente como se ela fosse uma mulher bonita, e conversar com ela, numa boa! Qual é Pedrão! Vai em frente...

E agindo exatamente como o Luís nos ensinou ficamos por quase dois anos no ar, no mesmo jornal em que o Luís também manteve o seu espaço, até se transferir para outra rede de comunicação.

Assim era a Luís Eduardo Nascimento. Às vezes irreverente, mas sempre usando de uma sutileza toda especial, ele conseguia malhar os outros como se estivesse elogiando e elogiava como se estivesse malhando. Um gozador nato, possuía aquilo que no meio jornalístico se define como "faro de repórter". Ele sabia o assunto que era o quente e sacava as coisas dentro de uma ótica de homem inteligente, integrado ao mundo em que vivia.

Luís adorava inventar coisas e em sua coluna, em A Tribuna (que era uma coluna social que não falava em sociedade), criou o termo "imperdível". Na época, o secretário de redação era o seu xará Luís Aparecido, que implicou com o termo e vivia gozando o Eduardo. "Ô Luís, este negócio de imperdível parece coisa de viado! Pára com isso, ô anta de galocha..." — dizia o Aparecido, para implicar com o seu xará.

Luís Eduardo ria e no outro dia tacava lá de novo o "imperdível". Passaram-se os anos e o termo ganhou a imprensa nacional, passando a figurar em colunas como a do Zózimo, no JB, e do Swam, no O Globo. Luís Eduardo nunca reivindicou para si a autoria da expressão, mas sempre que podia malhava o Aparecido: "Aquele paulista do Bexiga" — dizia ele do alto do seu sorriso carioca — "acha que sabe português. Imperdível é imperdível, e pronto".

Assim era o Luís Eduardo Nascimento. A imprensa perdeu um de seus nomes mais expressivos e nós perdemos um amigo, um irmão...

Que a terra lhe seja leve e que descanse em paz...

 

Capa: Helio Coelho e Ivan Alves
Projeto Gráfico: Ivan Alves
Edição: Bianca Santos Neves e Lúcia Maria Villas Bôas Maia
Revisão: Rossana Frizzera Bastos
Produção: Bianca Santos Neves
Composição, Diagramação, Arte Final, Fotolitos e Impressão: Sagraf Artes Gráficas Ltda
Apoio: Lei Rubem Braga e CVRD
Fonte: Cidade Aberta, Vitória – 1993
Autor: Pedro MaiaCompilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2020

Literatura e Crônicas

Empréstimos hipotecários, construções e operários - Por Eugênio Sette

Empréstimos hipotecários, construções e operários - Por Eugênio Sette

No final da luta, Você está com o vocabulário enriquecido com termos como "chapisco" e "desempoladeira" e "traço" e "bagulho", ao lado dos mais altissonantes palavrões da língua portuguesa, enquanto que as duplicatas se amontoam sobre a sua mesa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Que fim levaram as tanajuras? - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Não só o índio que comia, era toda a população, como confirma o relato Auguste de Saint-Hilaire

Ver Artigo
General Osório Número 120 - Por Mário Gurgel

Oferta de uma criatura residente na Rua General Osório 120, para a festa de Natal dos menores da Casa do Menino

Ver Artigo
Moqueca Capixaba - Por Renata Bomfim

As bocas anseiam e marejam como velas errantes ao mar

Ver Artigo
Discurso de Posse como Presidente da AEL - Ester Abreu Vieira de Oliveira

Junto com esta Diretoria, e em estreita aliança com todos os Acadêmicos, pelo difícil e digno dever de conduzir, em 2021, a celebração do I Centenário da AEL

Ver Artigo
Urubu ao molho pardo - Por Elmo Elton

Porque tivesse fama de bom cozinheiro, resolveu fornecer comida, a "preços módicos", a trabalhadores do trapiche de Vitória

Ver Artigo