Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O lote de Vasco Coutinho

A chegada de Vasco Coutinho, na tela de Morgana de Sá,1999 - Acervo: Casa da Memória de Vila Velha, ES

A Terra Papagalli – “Terra dos Papagaios”, como o Brasil era indicado nos portulanos (mapas de navegação) daquela época – foi dividida, em 1534, em 15 lotes de tamanhos irregulares. Esses lotes foram doados – na verdade, arrendados – a 12 súditos de D. João III, que, com justiça, recebeu o apelido de “o Colonizador”.

É importante destacar que, apesar de hereditárias, as capitanias continuavam sendo propriedade real, ou seja, estatal, já que existia uma identificação entre rei e Estado – lembremo-nos da famosa frase atribuída ao “Rei-Sol”, Luis XIV, símbolo maior do absolutismo francês e europeu: “L’État c’est moi”, isto é, “O Estado sou eu”.

Portanto, ao arrendatário da capitania hereditária, o rei concedia apenas o direito à posse das terras para exploração e usufruto das riquezas nela descobertas. Em retribuição, cabia ao donatário o dever de pagar os impostos devidos à Coroa portuguesa – geralmente uma porcentagem de tudo o que fosse encontrado ou produzido no lote. Ao monarca restava, por fim, o direito de resgatar as terras, caso o donatário não tivesse herdeiros ou não cumprisse a missão de povoar, explorar, defender, catequizar, enfim, de efetivamente colonizar o domínio senhorial recebido. Com a morte do capitão-donatário titular, a sucessão da capitania podia ser feita por “fêmeas, bastardos, herdeiros transversais e, até mesmo, por seus ascendentes”, caso não houvesse descendente direto e legítimo.

Os direitos e os deveres estavam definidos no Foral. Esse documento, com a Carta de Doação, selava as relações jurídicas entre o rei e o donatário.

Na Carta de Doação entregue a Vasco F. Coutinho ficou estabelecida a localização e o tamanho de sua capitania. O rei D. João III demarcou as terras cedidas nos seguintes termos:

“As cinqüenta léguas de terras [doadas a Vasco F. Coutinho] começam na parte onde acabam as cinqüenta léguas cedias a Pedro Tourinho [Donatário da Capitania de Porto Seguro] (...) ao longo da costa [litorânea] e (...) entrarão na mesma largura [50 léguas, no sentido leste-oeste] pelo sertão e terra firme adentro, tanto quanto puderem entrar, até o limite de meus domínios conquistados [na América]”


Fazemos uma constatação espantosa ao observar as dimensões do lote. Era uma faixa de terra com 350 quilômetros (50 léguas) de litoral e que seguia, na mesma largura, “sertão adentro até a linha imaginária de Tordesilhas, que dividia os domínios ibéricos – portugueses e espanhóis – na América. Englobava, praticamente, as atuais medidas do Estado do Espírito Santo, partes de Minas Gerais, São Paulo, Goiás e Rio de Janeiro.

Vasco F. Coutinho, portanto, recebeu um lote de terras cinco vezes maior do que o reino de Portugal. Foram-lhes concedidos, também, poderes majestáticos, que deveriam ser exercidos em seu domínio. Estava autorizado, por exemplo, a doar sesmarias (latifúndios), a cobrar dízimos, a capturar e escravizar índios, a legislar e a aplicar as leis – inclusive, se necessário, a pena de morte.

 

Fonte: HISTÓRIA DO ESPÍRITO SANTO - Uma abordagem didática e atualizada 1535-2002
Autor: José P. Schayder

Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2012



GALERIA:

📷
📷


Vasco Fernandes Coutinho

Delação de Duarte de Lemos e outras cartas

Delação de Duarte de Lemos e outras cartas

Carta de DUARTE DE LEMOS escrita de Porto-Seguro a D. João III, em 14/07/1550. “Senhor, V. A. saberá como Vasco Fernandes Coutinho...”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pobre Vasco! - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Enfim, passa da hora de reabilitar o nome de Vasco F. Coutinho e de lhe fazer justiça

Ver Artigo
Vasco da Glória - Francisco Aurélio Ribeiro

Frei Vicente do Salvador, em sua História do Brasil, de 1600 e pouco, afirmou que Vasco Fernandes Coutinho morreu pobre e abandonado

Ver Artigo
Vida Escolar – Grupo Escolar Vasco Fernandes Coutinho (2ª Parte - final)

Em 1931, surge o Grupo Escolar “Vasco Coutinho”, pelo Decreto n° 1.720 de 23 de outubro. O diretor de então era Flávio Moraes. Em 1932 é iniciada a construção do prédio atual da escola

Ver Artigo
No princípio – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
Os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo