Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Marrocos

Rua Duque de Caxias e o Bar Marrocos mais a frente

O MARROCOS

 

Os bares nascem, vivem, parecem eternos a um

determinado momento, e morrem.

Paulo Mendes Campos

 

 

 

Acabo de saber - mas que castigo!

que acaba de fechar meu velho bar.

Fechou tranqüilamente sem pesar.

num último e sentido adeus amigo.

Daquela velha rua só restava

o Marrocos, já por demais cansado,

vivendo tão-somente do passado,

fingindo que ele apenas não mudava.

Velhos pileques pelas madrugadas,

conversas, mesas fartas de bebidas,

dores de cotovelo mal curtidas,

agora são lembranças alojadas

     amarga e tristemente na memória

     da cidade moderna que é Vitória.

 

 

Fonte: Escritores de Vitória, 1995
Autor: Miguel Depes Tallon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro de 2014

Literatura e Crônicas

Quinca Cigano - A GAZETA, Bienal Rubem Braga

Quinca Cigano - A GAZETA, Bienal Rubem Braga

Em uma de suas mais conhecidas crônicas, Quinca Cigano, 1951, Rubem Braga fala dos pios de Cachoeiro. A fábrica fundada em 1903 por Maurílio Coelho ainda funciona no mesmo casarão, às margens de um braço encachoeirado do Rio Itapemirim

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo
O Amor do Mar – Por Elizabeth Martins

Estranho amor que me faz tomar a amada cada dia mais bela para que outros caiam na armadilha do seu fascínio, aprisionado por seu doce visgo

Ver Artigo
Terra natal: cidade presépio – Por Ana Maria Machado

Ficávamos todos contemplando extasiados as luzes fracas dentro das janelas pareciam piscar de longe

Ver Artigo
Réu Papagaio - Por Carminha Corrêa

O ano era 1977. O local: redação do jornal A Gazeta, na rua General Osório. Já passava das 18 horas, fechamento de edição

Ver Artigo
Colunismo

O colunista é. o leitor comum, que dispõe de um jornal para dar permanência às suas observações. Seu estilo deve ser coloquial, exprimindo reações subjetivas, como num bate-papo

Ver Artigo