Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Milagre da chuva

Foto: Walter Monteiro/2008
"Em 1769 os raios solares incendiavam os campos, e os cultivados, secavam as fontes e os ribeiros, e eram assim causa do desespero dos criadores e dos lavradores. Os habitantes da capital foram obrigados a ir buscar água para beber nos grandes rios longe da vila.

"A carestia dos gêneros alimentícios pesava sobre os consumidores, e os pobres já sentiam a fome. Em tanta calamidade, em vão recorrera-se às preces; pois continuava a seca.

"Observando-se que o fogo solar não abrangia o monte da Penha, concluiu-se que esta isenção era efeito da presença da Santa; e daí ocorreu o pensamento de valer-se da sua milagrosa influência a fim de fazer os moradores da vila da Vitória participantes da mesma graça. Imediatamente os mais devotos trataram de preparar uma sumaca para lá ir buscar a Senhora da Penha.

"No dia fixado para a partida, esta embarcação, pintada de novo, com um dossel de damasco e cortinas de seda bordadas a ouro, toda embandeirada e adornada

de flores naturais e artificiais, festões e fitas de todos os matizes, com o cortejo de muitas lanchas, canoas e escaleres ornados pela mesma forma, e carregados de povo, na vazante deslizava-se serena e resplandecente pelo meio do canal, como um rico andor de pomposa procissão.

"Tendo este barco chegado à enseada do Espírito Santo, os devotos, guiados pelo guardião de S. Francisco, sem demora dirigiram-se à igreja da Penha. Então o mesmo prelado, tomando a Imagem em seus braços, em procissão desceu até ao cais. Quando lá chegou, já ali se achavam os oficiais da câmara e pessoas respeitáveis da Vila Velha, para embargarem a viagem, alegando que a imagem era da vila, e que esta lhes pertencia de foro; portanto não consentiriam que lhes raptassem a sua padroeira. Aquiesceram porém à promessa do guardião, de que ele próprio a reconduziria com igual pompa.

"Logo que do forte de S. João foi avistada esta flotilha uma salva deu o sinal da aproximação. As autoridades eclesiásticas, civis e militares, as irmandades e confrarias, sacerdotes e habitantes da vila esperavam no cais a tão desejada salvadora.

"Defrontando o navio com o dito forte rompeu de novo a salva. Na vila os sons festivos dos sinos convidavam o povo a assistir ao desembarque do adorado objeto do voto comum. Continuou então a festa em terra pelo estalido de inúmeras girândolas, e dos foguetes do ar que estrondavam em todas as partes.

"No cais a Santa Virgem foi recebida debaixo do pálio, do qual Passou para um andor luxuosamente ornamentado; e assim seguiu a procissão para a igreja de S. Francisco.

"Por todas as ruas, onde o préstito transitou, o chão fora alcatifado de flores e folhas odoríferas; nas janelas e balcões dos sobrados sobressaíam ricas colchas de seda e damasco de diferentes cores com franjas de ouro.

"O acompanhamento dos habitantes da vila, da cercania e dos sertões foi tão numeroso, que a maior parte ficou na ladeira e no adro da igreja de S. Francisco.

"Imediatamente que o trono da Senhora penetrou neste templo, a negrura das nuvens fez do dia noite, e daí a poucos instantes a chuva caía em cataratas parecendo querer de uma só vez fartar os viventes, as plantas e a terra!

"Depois de uma novena em ação de graças a Imagem da Senhora da Penha foi com toda a solenidade restituída ao seu antigo santuário, só com a diferença, que por esta vez os mais jubilosos foram os moradores da Vila Velha."

 

Autor: Guilherme Santos Neves
Fonte: História Popular do Convento da Penha - 3ª edição, 2008

Convento da Penha

Daqui se avista o Convento da Penha!

Daqui se avista o Convento da Penha!

Bem, Estamos às vésperas da Festa maior em que os capixabas exaltam a nossa querida Padroeira. E não será mal – ao revés, será bem – que aqui faça eu, aquém interessar possa, esta sugestão que a muitos parecerá ingênua...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Gruta de Frei Pedro Palácios, Oratório e Frontal do Portão - Por Seu Dedê

Na época da jurisdição do capelão Padre José Ludwin, a missa do domingo, véspera da Festa da Penha, era celebrada às nove horas em frente ao oratório

Ver Artigo
Fonte Milagrosa do Convento da Penha

Localizada no terraço inferior do Convento de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo
O genial Vitor Meireles no Convento da Penha no ano de 1871

Os pincéis mágicos que imortalizaram as grandes telas históricas também estiveram na Penha, manejados pelo genial Vitor Meireles

Ver Artigo
A Penha do meu tempo – Por Areobaldo Lellis Horta

Via-se a senzala, em ruínas, composta de pequeno número de casebres, quase destelhados uns, outros de paredes fendidas e atacadas pela hera

Ver Artigo
O Convento da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Peregrino, contempla o augusto monumento  da terra capixaba. Ali, vive a rezar, em hosanas de glória, ou rudez do tormento, o coração de um povo!

Ver Artigo