Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Morro do Alecrim – Por Maria Stella de Novaes

Enseada de Inhoá, 1912 - Local onde está localizada a EAMES - Vila Velha, ES

Conta-se que, em tempos remotos, à meia-noite, os pescadores da Praia de Inhoá ouviam prantos e lamentações, que pareciam vir de um oratório encantado, existente no meio do Morro do Alecrim.

Certa vez, em conversa à beira do fogo, uso daquele tempo, surgiu a explicação, quando certo romeiro foi à Penha e, depois, ao Forte de Piratininga, pedir ao Comandante que lhe desse pousada e permissão de aguardar o navio, para Campos ou Cabo Frio. À noite, relatou episódios da viagem, perante a referida autoridade, o Mestre de Campo, José de Alcobaça, e outros.

Conversa-vai, conversa-vem, e José de Alcobaça deu sua nota: — Ouvira que, em certa parte do Morro do Alecrim, havia um poço onde foram atirados os ladrões de alfaias da capela do Pe. Gouvêa, — o oratório ali existente. O sacrilégio assinalou o declínio das ordens religiosas, na Capitania. O próprio sacerdote ali jazia detido, sob uma pedra, e precisava de fazer revelações.

Afirmava o orador verdade nessa história. Fora mesmo testemunha de certa visão: — um vulto de batina vagava algumas noites, pela região; sumia-se, à presença de alguém. Viam-no as mulheres, sobre as águas, quando iam à fonte. Padres dançavam, por cima dos cardais. E, nas pontas das pedras, encontravam-se cabeças e pés de criaturas que, repentinamente, se convertiam em gansos. Apareciam, ainda, criaturas informes, cobertas de escamas! ... Espumavam. Fervia a água, então, e os monstros debatiam-se, até que desapareciam. Piratas infestavam as praias e salteadores, o sertão. Arrancaram até as entranhas de um íncola, porque se recusara a indicar a jazida de ouro, no Marinho. (1)

Contava ainda que, à meia-noite, no Morro do Alecrim, subiam fantasmas, armados de punhais ensangüentados. Entoavam hinos de morte aos vivos, que eles esperavam, no Além.

À tarde, rugidos subterrâneos, semelhantes aos de um gigante, abalavam o Morro.

Dizem que, em confirmação dessa lenda, foram encontrados, numa das salas do velho Convento dos Jesuítas, um esqueleto e um pergaminho, com estes versos:

- Tu que passas, na esplendente

abóbada do Morro ardente,

sombra pálida, tremente,

como os raios do luar,

de onde vens? Qual é o teu fito?

És tu arcanjo proscrito?

Por que passas, no granito?

Voa ao Céu, ou voa ao mar?

Por que sempre, a noite, velas?

Quando o espaço é todo estrelas,

tu surges, entre elas?

Nos ermos e sempre só?

Por que corres tais paragens

e usas dessas roupagens,

 fugindo ao ar e às aragens,

rojando-te, assim, no pó?

 

Resposta do fantasma:

 

Sou a inveja; curto fome!

A mim se prende um mistério.

Réprobo sou; vivo triste, aéreo,

qual ave agoureira, em cemitério.

 

Ando, assim, na penitência,

porque fui denunciado,

Recebi as alfaias da igreja.

Repare, - sou um excomungado!

 

Atualmente, o Morro do Alecrim está desbravado; acabaram-se as matas e os cardais. É um arrebalde promissor de Vila Velha, na margem da rodovia, para os municípios do Sul e o Rio de Janeiro.

(Esta lenda encontra-se na coleção de Peçanha Póvoa e nos jornais da Biblioteca Pública do Espírito Santo).

 

NOTAS

1 – Relação com a lenda “O Tesouro de Caçaroca”.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Como a noite reinou sobre a Terra

Como a noite reinou sobre a Terra

A terra era um maravilhoso jardim de eterna Primavera, em que reinava a Aurora, envolvida em seu manto de gás, resplandecente à primeira luz do dia...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo