Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Natal e seus festejos

Natal - Presépio e o Menino Jesus

NATAL, festa máxima da cristandade! Como hoje, também a Vila Velha antiga se preparava para este grande dia.

A residência do Desembargador Ferreira Coelho muitos dias antes movimentava-se e era ornamentada pela beleza das jovens que tomavam parte nos ensaios da LAPINHA, representação trazida por ele, de Pernambuco em 1901.

Com que dedicação realizava os ensaios! E, com a paciência de um monge, ia aos poucos vencendo a timidez tão natural nas jovens daquele tempo. Quanta diplomacia tinha de empregar, quando, ainda nos ensaios, os ânimos se alteravam pelo entusiasmo dos partidos - "Cordão Azul" e "Cordão Encarnado". Mas todo sacrifício era recompensado pelo êxito da apresentação na noite de Natal.

Convidados especiais não só da cidade mas também da Capital, inclusive, de certa feita, o Presidente do Estado, Coronel Henrique Coutinho, prestigiavam o ensaiador com suas presenças. A banda de música da Polícia Militar compareceu algumas vezes dando maior brilhantismo à festa.

Bandeiras, bandeirolas, faixas, tronos, coroas, fogos, bandejas de balas e tantas outras surpresas eram preparadas às encondidas pelas famílias, para homenagear seus partidos.

Vestidos, gravatas, lenços e roupas das crianças, tudo azul e encarnado. A cidade nesta noite quase se coloria só de azul e encarnado.

A representação significava a aparição de um anjo aos pastores, anunciando o nascimento d´Aquele que salvaria a humanidade.

As mocinhas vestidas de branco com faixa da cor do seu partido, chapéu de palha com flores, representavam as pastorinhas que, dançando e cantando versos alusivos ao grande acontecimento, acorriam ao presépio armado no fundo do palco, para adorar o Menino Jesus e lhe oferecer prendas.

Em uma fila ficavam as pastorinhas do "Cordão Azul" com sua Contramestra e Libertina, que se destacavam dentre as demais porque se apresentavam sozinhas, exibindo lindas fantasias.

A Libertina representava uma moça leviana que se deixou conquistar por um belo jovem (o diabo disfarçado) e se apresentava diversas vezes sozinha cantando versos referentes ao seu amado. Mais tarde, após ser aprisionada pelo dito cujo, é salva pelo Anjo Gabriel.

Na fila do lado oposto, as pastoras do "Cordão Encarnado" também com sua Mestra, Cigana, Graça e Flora, em cujas apresentações isoladas davam um espetáculo de beleza e graça. A Cigana se destacava de suas companheiras pela beleza de sua fantasia que realçava sua figura quando se apresentava no palco para cantar.

A religião encabeçava a fila do "Cordão Encarnado" e era também chamada a Mestra. Vestia-se com um belo manto de cetim vermelho, portando um cetro.

Para representar a Graça do "Cordão Encarnado" era escolhida sempre uma jovem muito bonita, que fizesse jus aos versos que cantava.

A Flora sobraçava uma cesta de flores.

O Desembargador Ferreira Coleho apresentou a Lapinha até 1914.

Onze anos depois, embora não residindo mais o Desembargador Coelho em Vila Velha, a Lapinha foi novamente apresentada para alegira do seu povo. Desta vez o apresentador foi o Sr. Clementino Barcelos, a quem Vila Velha muito deve, pois mesmo desconhecendo a importância da conservação destas tradições populares como a Lapinha, Reis e outras, muito fez.

Voltou, então, a Lapinha a ser apresentada durante muitos anos, porém com fantasias mais atualizadas, inclusive baianas.

Em diversos números, as pastorinhas cantavam bailando e batendo pandeiros.

Desde a sua primeira apresentação pelo Sr. Clementino Barcelos em 1925, após um recesso de 11 anos, a Lapinha nunca foi esquecida, pois de vez em quando é apresentada em Vila Velha. Assim tem sido nos anos de 1925, 1927, 2932, 1935, 1940, 1944, 1960, entre outros.

No decorrer desse período, 2 gerações tomaram parte na Lapinha. Da citação de participantes que, a seguir, fazemos, constam nomes de pais e filhos. Nair e Araci Botelho, Emília e Maria do Espírito Santo, Mário Braga, Alfredo Leite, Adir e Altair Feu, Titila Guimarães, Ivete Jorge, Marina Bermudes, Venícia Torres, João Barcelos, Eunice Guedes, Aurete e Siltes Freitas, Marina Pitanga, Dilma e Dicla Leão, Ormi Viana, Maria José Zamborlini, Sinaura Valadares, Isis Zata, Aurete Machado, Joana Maria Mauro, Marli Caldeira, Penha e Alzirinha Silva, Célia Marta Pitanga, Regina Helena Silveira, Regina Lúcia Barcelos e Mauro Machado.

 

Fonte: Vila Velha de Outrora,1990
Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2011

Vila Velha

Ensaios Sobre os Alagamentos do Município de Vila Velha

Ensaios Sobre os Alagamentos do Município de Vila Velha

Para falarmos sobre os alagamentos em Vila Velha, precisamos primeiro conhecer sua situação em relação ao nível do mar

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Centenário da chegada do Exército em Vila Velha (2017)

O aniversário do Batalhão ficou sendo considerado o dia da data embrionária de sua fundação, 19 de abril, coincidentemente dia do Índio e do aniversário de Vargas

Ver Artigo
Carnaval antigo de Vila Velha

O Carnaval de Vila Velha também tem a sua tradição. Logo no seu início as mulheres não se fantasiavam, porém os homens caprichavam para apresentar fantasias caras ou extravagantes

Ver Artigo
O Natal e seus festejos

NATAL, festa máxima da cristandade! Como hoje, também a Vila Velha antiga se preparava para este grande dia na residência do Desembargador Ferreira Coelho 

Ver Artigo
Curiosidades de Vila Velha

Na pesca com a maré cheia, os peixes principais eram as tainhas e os robalos. Além disso, nas marés baixas, o rio era rico em caranguejos, guaiamuns, aratus, canivetes, siriobas, rerietês, berbigão e siris

Ver Artigo
Paul

Qual a origem do topônimo "Paul"?

Ver Artigo