Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O outro lado da revolta de Queimado

Igreja do Queimado - Serra,ES

Em 19 de março de 1849, registrou-se na Província um fato que a História denominou “Insurreição do Queimado”. Insurreição é sinônimo de revolta. E tudo aconteceu no Queimado, que é hoje município da Serra.

A história é simples de ser contada.

À margem esquerda do Rio Santa Maria da Vitória que servia de transporte para homens e mercadorias com destino ao interior da região, em certo ponto surgiu um povoado que se denominou São José do Queimado. Aí deveria construir-se uma igreja e não havia recursos para isso. A população era em geral muito pobre e os fazendeiros moravam longe e pouco se interessavam pelo assunto. Mas era uma freguesia e não podia deixar de ter uma igreja bonita, com sinos suspensos numa torre bem alta.

O pároco propôs-se edificar o templo.

Logo correu a notícia de que os escravos que ajudassem a levantar a obra receberiam, no dia da inauguração, a carta de alforria.

O entusiasmo tomou conta dos cativos que se lançaram ao trabalho movidos pelo cântico da liberdade. Os dias santos eram dias de festa e a festa era ver subir as paredes em cujos coroamento estaria o reconhecimento da sua condição de criaturas humanas.

Um ano inteiro trabalharam, isto é, em noites de luar, e aos domingos e nas horas de folga que tivessem nas fazendas.

No dia da inauguração, depois da missa, os escravos esperaram o cumprimento da promessa. Tudo lhes foi negado. O frade italiano, Gregório de Bene, negou tudo e se retirou apressadamente da paróquia.

Mas... teria havido mesmo essa promessa?

Condenar o Padre Bene por uma promessa que não sabemos se foi, realmente, feita, seria uma leviandade. O número de escravos que teriam ajudado a levantar o templo não passou de vinte ou pouco mais. E mais de duzentos participarem do levante.

Não teriam esses negros cativos se aproveitado do episódio para, sofridos e desesperados, fazer ecoar um grito de liberdade?

***

O sacrifício das vítimas serviu de alerta para que as autoridades e o povo em geral pensassem mais e se preocupassem com a terrível dominação do homem pelo homem.

 

Fonte: ESPÍRITO SANTO - História de suas lutas e conquistas, 2002
Autora: Neida Lúcia Moraes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2012

 

Link Relacionado:

Insurreição de Queimado

História do ES

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo