Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Quadriênio Jerônimo Monteiro

Jerônimo Monteiro

A vinte e três de maio de 1908, Silva Coutinho passou a presidência a Jerônimo de Sousa Monteiro, que trazia para o governo um programa de amplas realizações.

Preliminarmente, promoveu o congraçamento dos partidos, conseguindo sólida base política para sua administração. Da fusão de elementos do Partido Construtor e do Republicano Federal – aquele chefiado por Muniz Freire, o segundo por Torquato Moreira – surgiu o Partido Republicano Espírito-Santense, dirigido pelo próprio presidente.

Durante o quadriênio Jerônimo Monteiro, o Estado experimentou largos benefícios da ação governamental: abertura de estradas, fomento da produção agrícola, melhoria dos rebanhos bovinos, construção da usina de açúcar de Paineiras – ao tempo considerada a melhor do Brasil –, desenvolvimento do ensino público (II) e melhoria do aparelho administrativo.

Vitória transformou-se em cidade moderna, dotada que foi dos serviços de água, esgotos, luz e bondes elétricos.(35) Rasgaram-se novas ruas. Surgiram a Vila Moscoso e seu belíssimo parque. Os principais edifícios públicos foram reconstruídos, inclusive o antigo Colégio dos jesuítas – que sofreu remodelação completa, graças à qual o velho casarão se transformou no atual e majestoso Palácio

Anchieta.(36) De sua iniciativa foram, também, a construção do atual Hospital da Misericórdia e a criação da Caixa Beneficente Jerônimo Monteiro.

Vale ressaltar que Jerônimo Monteiro realizou obras tão vultosas – até hoje lembradas em meio às mais gratas referências pelos capixabas – sem apelar para empréstimos. Ao contrário, coube-lhe a tarefa de amortizar – com pontualidade exemplar – as dívidas de seus antecessores.

 

NOTAS

(35) - Serviços de luz elétrica e água inaugurados a cinco de setembro de 1909; de esgotos, a vinte e nove de janeiro de 1911; de bondes, a vinte e um de junho de 1911. A iluminação elétrica de Vila Velha foi inaugurada a trinta de julho de 1910. A primeira localidade espírito-santense a desfrutar das vantagens da iluminação elétrica foi Cachoeiro de Itapemirim, sendo o serviço inaugurado a primeiro de novembro de 1903 (MARINS, Minha Terra, 73).

(II) LUIZ DERENZI escreve, com a segurança de quem conhece o tema, na sua bem elaborada Biografia de uma Ilha: “Que era o ensino no Espírito Santo, até 1908? Um mito e, para as famílias abastadas, em pequeno número por sinal, um privilégio. O Estado guardava posição desairosa com suas 125 escolas para uma população presumível de 250.000 habitantes. Não havia magistério, não havia escolas e, pior ainda, sem orientação pedagógica capaz de acrescer o rendimento cultural dos professores. Com o espírito arejado, que lhe adornava o patriotismo, Jerônimo Monteiro, ufano de sua terra, não foi nativista. Sua visão panorâmica era objetiva. Pretendendo elevar o nível do Estado, não podia subordinar-se a caprichos de fronteira. Em S. Paulo, contratou a Carlos Gomes Cardim, educador entusiasta e jovem, forjado no dinamismo da cultura paulistana, sempre na dianteira do progresso nacional, confiando-lhe o problema da instrução pública. A vinte e nove de junho, trinta e sete dias após o novo Governo, Gomes Cardim se investia na Inspetoria do Ensino. Seus conhecimentos, carinho e método de trabalho dinamizaram todos os subordinados. Não deixou vestígio da velha e retrógrada estrutura educacional de professores autodidatas, adeptos da eficácia da palmatória. A escola passou a ser desejada, tornou-se centro de atração infantil. Os professores se envaideciam de sua nobre missão social. Tudo foi modificado: edifícios, magistério, metodologia, disciplina e educação. Nasceu a mística escolar, irradiada pelo ambiente sadio da comunidade.

Os recreios, os jogos, o batalhão, a cultura física, o cântico de hinos patrióticos, a instrução cívica e moral criaram ambiente e interesse aos alunos e pais. A modelagem, as artes domésticas e o jornal escolar despertaram virtudes adormecidas. A instrução média mereceu igual cuidado.

O Ginásio Espírito-santense, fundado a vinte e quatro de maio de 1906, logrou equiparação. A Escola Normal, além de reestruturada, foi reconstruída, ganhando salão nobre, dependências administrativas, gabinete de história natural e nova arquitetura.

A fim de aumentar o contingente de professores, reclamados pela abertura de escolas em toda a parte, é equiparado o Colégio N. S. Auxiliadora, das Irmãs do Carmo, educandário tão querido e prestante, com seu internato para alunas do interior. Inspetores escolares fiscalizam, com carinho e sacrifício, em longas caminhadas a cavalo, o método de ensino e o aproveitamento dos alunos. Foi, sem dúvida, a mais bela cruzada, galhardamente vencida pelo Governo: a difusão do ensino primário. É preciso ter-se em vista as condições geográficas e a fraca densidade demográfica do Estado, naquela época. A localização das escolas rurais não era fácil, dadas as distâncias entre os moradores agrícolas. A hospedagem dos professores, outra dificuldade que, ainda hoje, não tem solução plausível. Em resumo, houve verdadeiro movimento educacional no sentido dinâmico do termo.

A reabertura da Biblioteca Pública, a fundação da Escola de Belas Artes, os Congressos Pedagógicos, as reuniões de professores, as visitas de homens de letras e de ciências propiciaram a elevação cultural da sociedade. Carlos Reis, à testa da Escola de Pintura, descobriu vocações e incutiu gosto pelas artes plásticas.

Professores cultos e capazes encontram clima no magistério enobrecido. Deocleciano de Oliveira pôde suceder a Gomes Cardim, sem deslustrar a obra renovadora. O estímulo atinge o magistério particular. Abrem-se cursos primários, que se tornariam famosos. A semente educacional germinou com viço e o nome do Estado transpôs as fronteiras, alcançando classificação honrosa nas estatísticas nacionais. A vinte e três de maio de 1912 o número de escolas se elevava a 247” (op. cit., 189-90) .

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, setembro/2017

História do ES

O Combate na Baía do Espírito Santo - Cavendish (5ª Parte)

O Combate na Baía do Espírito Santo - Cavendish (5ª Parte)

O capitão Morgan lembrou minhas palavras aos marinheiros, mas alguns “cabeças-duras” começaram a praguejar, dizendo que sempre consideraram Morgan um covarde, que fingia sofrer de diarréia, para fugir da briga, quando na verdade, se borrava de medo de tudo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Panorama da cultura capixaba

O historiador Renato Pacheco explica que o Estado passou 350 anos fechado a qualquer tipo de progresso

Ver Artigo
Censo de 1940

As jazidas calcárias no Espírito Santo estão encravadas nas formações arqueanas do sul do Estado e pertencem à província metalogênica da serra do Mar

Ver Artigo
O primeiro mapa do Espírito Santo

É de justiça assinalar o levantamento, em 1612, da primeira carta geográfica do território capixaba, por Marcos de Azeredo

Ver Artigo
Mário Aristides Freire – Secretário da Fazenda (1930-1943)

Distingue-se, na obra administrativa desses doze anos, a atuação do secretário da Fazenda – Mário Aristides Freire. 

Ver Artigo
Chácara do Vintém - Por Elmo Elton

No governo de Florentino Avidos, desapropriados os terrenos da Chácara do Vintém, foram abertas as ruas Deocleciano de Oliveira, Aristides Freire e do Vintém, as três com entrada pela Graciano Neves

Ver Artigo