Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O que o capixaba tem?

Fomos impedidos de abrir estradas e de avançar. Por muitos anos, o capixaba viveria assim, como sentinela do ouro

O que a baiana tem todo mundo sabe. Elas já foram cantadas em verso e prosa pelo mundo inteiro, seus vestidos são marca registrada e seus acarajés e vatapás deliciam os mais exigentes paladares. O jeito "malemolente" do povo baiano não é defeito, é característica.

Mas por que falar dos baianos quando o assunto é o capixaba? Porque há muito tempo os intelectuais tentam explicar o Espírito Santo e o povo que vive aqui. Definir as características deste povo e descobrir, afinal, o que nos torna diferentes, é um desafio.

E se é possível reconhecer um baiano a léguas de distância, o mesmo não se pode dizer do capixaba. E não é só pelo jeito de falar, andar, comer ou vestir. O baiano ama a Bahia e fala dela. Orgulha-se dela.

Caipira no nome e por natureza, "o capixaba não é ufano com as coisas de sua terra", afirma o historiador Eliomar Mazzoco. Mas isso, antes de ser um defeito, é exatamente o que nos torna únicos.

Talvez a falta de um diferencial, que seja tão evidente quanto a figura da mulata passista, do gaúcho ou da baiana, seja a nossa marca. Somos acanhados e esta característica nos torna mais antenados com o mundo. "O Espírito Santo é uma síntese do país", destaca Eliomar Mazzoco.

Somos provincianos e sem identidade, é o que se ouve por aí. E aí não podemos esquecer que o capixaba tem um problema de auto-estima que o leva a não acreditar naquilo que faz ou produz.

O antropólogo Darcy Ribeiro, e seu livro "O Povo Brasileiro", afirma que três forças influenciaram nossa formação étnica: a ecológica, a econômica e a imigração.

Historicamente nos isolamos, e esse isolamento se reflete, ainda hoje, nesta maneira provinciana de ver o mundo. Mas não nos isolamos por vontade própria e sim por imposição de uma conjuntura política e econômica que precisava proteger o ouro escondido nas Minas Gerais.

Fomos impedidos de abrir estradas e de avançar. Por muitos anos, o capixaba viveria assim, como sentinela do ouro.

Por aqui, pouco se fez a não ser manter a faixa de praia conquistada pelos pioneiros. Quando os grandes centros industriais e comercias começaram a surgir, o Espírito Santo foi excluído do processo. Os passos por aqui eram lentos em meio a uma região que se desenvolvia à velocidade de um ônibis espacial.

 

Fonte: A Tribuna (21/05/2000)
Autora: Marcilene Forechi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2012 

 

Links Relacionados:

>> Imigração no ES
>> O que Vitória tem de melhor 
>> Canela-verde 
>> Capixabas, modéstia à parte 
>> A mexerica pocou!!!
>>
 
Capixabês 
>> Canela-Verde  
>> Nobreza Capixaba 
>> Folclore Capixaba 



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

As Tropas – Por Ormando Moraes

As Tropas – Por Ormando Moraes

Não havia outra alternativa senão o uso de burros e bestas, agora de forma organizada e metódica, com características de empresa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Britz - Por Milson Henriques

De qualquer modo vamos ao agradável labor de rememorar os que eu freqüentava, lembrando que havia também as boates Buteko, Cave, Aux Chandelles, Porão 214,...

Ver Artigo
Morro Inhoá

No pé do morro Inhoá, havia a edificação onde originalmente funcionou a primeira fábrica de sabão

Ver Artigo
A fonte de Inhoá

Desde a época do Primeiro Donatário, Vasco Fernandes Coutinho, já se bebia água da fonte de Inhoá

Ver Artigo
A santa da Praia é Rita - Sandra Aguiar

A comunidade contou logo com uma paróquia, a Santa Rita, cuja primeira sede data de 1935

Ver Artigo
A Cidade em outros tempos

Bondes, lanchas, manguezais e catraeiros nos remetem há uma época que creio não retornará. Vou citar alguns fatos e nomes de alguns personagens

Ver Artigo