Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Rio Cricaré

Rio Cricaré - Conceição da Barra, foto Mônica Boiteux, 2012

O rio Cricaré, como é conhecido pelos nativos, ou rio São Mateus, como foi rebatizado pelos portugueses, tem suas nascentes em Minas Gerais.

Cortando serras e vales, chega ao território mateense onde descreve graciosas curvas, cujo traçado grafa generosamente o “S” e o “M”, iniciais de São Mateus, e deságua no Oceano Atlântico, em Conceição da Barra. Ao todo percorre 11 municípios capixabas, apesar de ter sua cabeceira no estado vizinho.

O encanto das suas águas mornas e calmas, de cor verde-esmeralda, levou os índios a chaná-lo de Kiri-Kerê (dorminhoco). A quietude do seu curso, ornado pela vegetação típica e de coqueiros, exerce verdadeiro fascínio, principalmente ao entardecer.

A história de São Mateus começou a ser escrita com a chegada dos primeiros colonizadores portugueses, por volta do ano 1544.

A pequena povoação do rio Cricaré recebeu o nome de São Mateus, por ter sido no dia consagrado ao evangelista Mateus (21 de setembro) que o padre José de Anchieta passou pela capitania do Espírito Santo, visitando suas aldeias.

Por meio do rio, os portugueses colonizaram a região, onde fundaram o porto no século XVII. Sua história passa pelos ciclos da cana-de-açúcar, do café, da farinha de mandioca e da madeira.

A relação do homem com o rio é muito estreita. Os colonizadores chegaram por ele. As edificações mais importantes foram erguidas no porto. A vila começou a prosperar a partir do rio, que por muito tempo foi o único elo de ligação entre São Mateus e as demais localidades, explica a historiadora Elinéia Lima.

Atualmente, em função do assoreamento e do lançamento de esgoto em suas margens, o rio pede socorro. A pesca, apesar do forte declínio, ainda sobrevive.

 

Fonte: A Gazeta de 15/07/2007
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012 

 

LINKS RELACIONADOS:

  São Mateus 
  São Mateus, terra de barões



GALERIA:

📷
📷


Rios do ES

Os primeiros navegadores do Rio Doce

Os primeiros navegadores do Rio Doce

Na procura de riquezas, ouro e pedras preciosas, as inúmeras “estradas líquidas” de nossas bacias hidrográficas ocuparam um lugar de destaque, já que eram as únicas vias acesso

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Rio Doce, o gigante pede socorro

Vinte e oito municípios do Espírito Santo estão ligados ao rio Doce, que precisa de ajuda para superar os problemas

Ver Artigo
Rio Doce - As bandeiras

Por volta de 1572, Sebastião Fernandes Tourinho, conceituado habitante da Capitania de Porto Seguro e aparentado com o donatário, reuniu 400 homens para subir o Rio Doce em busca de pedras preciosas

Ver Artigo
Valores sepultados no fundo do Rio Doce

Geme e range sob o peso das areias movediças, no leito do rio, a enferrujada carcaça do Juparanã. Há poucos anos, ainda se divisavam a proa, as escotilhas, os camarotes que...

Ver Artigo
Vapores no Rio Doce

Há um cruzeiro atrás da Igreja Paroquial e, sobre as cabanas, como um gigante erguido, descobre-se o grande farol pisca-piscas, de moderna armadura mecânica

Ver Artigo
Preservação é prioridade – Rio São Mateus

Áreas de Preservação Ambiental renovam a expectativa de um futuro melhor para a população da bacia do rio São Mateus

Ver Artigo