Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Saci – Por Adelpho Monjardim

Saci-pererê, representado num trabalho de Poly Lazarotto

Segundo a crença, é o saci pretinho de uma perna só, barrete vermelho e um olho plantado no meio da testa. Todavia a palavra “ça-cy” significa olho doente, o que admite para o maléfico e irrequieto negrinho um par de olhos, sendo que um doente.

Pinta-nos a crendice o saci como ser diabólico a cavalgar, durante as noites, animais em disparada. No silêncio das horas mortas o seu assovio atroa, afugentando os animais, que temem a sua presença.

A cor vermelha do barrete denuncia a origem africana da lenda. Por sua extraordinária vivacidade é chamado saci-pererê.

Em o “Grande Dicionário Etimológico, Prosódico da Língua Portuguesa”, do eminente filólogo Professor Silveira Bueno, ficamos sabendo que o saci “nada mais é do que a mitização ou mitificação do morcego-vampiro que, durante a noite se enrosca na crina dos animais para sugar-lhes o sangue. Os animais põem-se a correr para ver se fazem cair o vampiro”.

Em algumas regiões do Brasil é também conhecido por saci-sapererê. Assim ou assado é o saci conhecido no lendário capixaba: Negrinho perneta, de um olho só, no meio da testa; cachimbo e barrete vermelho, cobrindo a carapinha. Não obstante é ágil e irrequieto. Quando não está fumando está assoviando. Assovio tão forte, tão estridente, que de longe denuncia a sua presença.

Fumante inveterado, a floresta virgem é o seu habitat. Perverso, compraz-se em torturar os demais seres. Se um animal monta-o e o obriga a galopar até ao esgotamento. Se um ser humano pede-lhe fumo. Ai do coitado se não o satisfaz! O cachimbo, fornalha ardente, não cessa de fumegar.

Todos que, por qualquer circunstância, eram forçados a entrar nas matas, preveniam-se com boa quantidade de fumo, conjurando o perigo de um encontro com o negrinho sinistro.

Crescêncio, negro velho, fora escravo dos senhores da Fazenda de Mangaraí nas terras de Santa Leopoldina, então meta dos primeiros colonos alemães. Mangaraí era fazenda bem cuidada, de ótimas terras, pastagens excelentes, água abundante e espessas matas. Todas as suas montanhas, de encostas verdejantes, eram abundantes em caça e ricas de seiva.

Entretanto aquela região paradisíaca possuía o seu calcanhar de Aquiles. O Monte do Meio, de mata fechada e quase impenetrável, era mal-afamado. Diziam morar ali um saci.

Certa manhã, o vaqueiro Crescêncio recebeu ordens para procurar no Morro do Meio, uma rês tresmalhada. Missão ingrata, dose para elefante, porém forçoso cumpri-la. Devoto de São Jorge, cuja oração não largava, preparou-se para a perigosa tarefa. Seriam seis da manhã quando chegou ao pé do morro. Dali para a frente seguiria só. Dando meia volta os companheiros se afastaram o mais depressa possível. Na aba do morro, antes de mergulhar na mata, parou para rezar a milagrosa oração.

Vigilante, olhar aceso, ouvidos apurados, lá se foi Crescêncio subindo o morro. Teria ascendido meia encosta quando topou com sólido aglomerado de pedras que abria clareira no meio da mata, onde vicejava robusta vegetação rasteira. Era uma espécie de respiradouro, um hiato naquele mundo vegetal. Enredado por cipós e lianas e alentados gravatas, o aglomerado de pedras apresentava aspecto suspeito e inquietante. Ah, por certo, se alapardavam coisas como cobras e outros bichos venenosos. Crescêncio estacou tal como Édipo diante da Esfinge. De súbito, sobrepondo-se ao murmúrio da floresta, ao gorjeio das aves e ao gorgolejar das águas, estridente assovio se fez ouvir. Calaram-se as cigarras e emudeceram os pássaros. Só o vento rumorejava sacudindo as frondes. Jamais assovio humano alcançaria tal diapasão, alturas tais. – O saci! Exclamou Crescêncio, gelado de pavor, a suar frio. Valha-me São Jorge! Murmurou aflito a benzer-se a tremer.

O demoníaco assovio crescia de intensidade e se aproximava veloz. Para que não lhe estourassem os tímpanos, Crescêncio tapou os ouvidos com as mãos em concha. Logo a seguir tremenda atropelada sacudiu o chão, descendo o morro. O estralejar de mato quebrado era nitidamente ouvido. O preto ficou branco, coisa terrível. Evocando São Jorge, escondeu-se por detrás de um tronco. Foi a salvação. Contornando a pedranceira, varando o espaço vazio, o saci surgiu cavalgando a rês tresmalhada. Embarafustando-se por entre os troncos passou sem perceber o intruso. O barrete vermelho, enterrado até o olho solitário, dava bem a medida daquele ser maléfico. O cachimbo, entre os dentes cerrados, fumegava insólito e provocador.

Tremendo a não suster-se nas pernas, o pobre negro viu passar a trágica visão. Sorte não ter sido visto. A rês restava perdida, pois o saci quando cavalga a presa só desmonta depois dela morta.

A novilha estava perdida. Em paz com a consciência, em desabalada carreira, Crescêndio desandou morro abaixo.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2016

Folclore e Lendas Capixabas

Turismo do Espírito Santo - Por Aloísio Santos

Turismo do Espírito Santo - Por Aloísio Santos

A chave maravilhosa, que abrirá suas portas para o Brasil e para o mundo, é ainda e será sempre o turismo. Era o que tinha para dizer, Srs. Deputados

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

A Pedra da Ema – Por Adelpho Monjardim

Em Burarama, Município de Cachoeiro de Itapemirim, situa-se a Pedra da Ema, notável pelo fenômeno que ali se processa

Ver Artigo
Os Holandeses na Penha – Por Adelpho Monjardim

Realizara-se o milagre. Em fuga os holandeses abandonavam o campo

Ver Artigo
Pedro Palácios – Por Adelpho Monjardim

A loca em que viveu, no sopé do morro, junto à subida para o Convento, transformou-se em monumento histórico

Ver Artigo
O Caparaó e a lenda – Por Adelpho Monjardim

Como judiciosamente observou Funchal Garcia, a realidade vem sempre acabar “com o que existe de melhor na nossa vida: a fantasia”

Ver Artigo
O Frade e a Freira – Por Adelpho Monjardim

O Frade e a Freira são dois imensos rochedos de centenas de metros de altura, encimando verdejante montanha.

Ver Artigo
O Tesouro da Ilha da Trindade - Por Adelpho Monjardim

O tesouro ali oculto foi roubado às ricas igrejas de Lima pelos espanhóis, durante as Guerras da Independência, quando sentiram perdidas as suas Colônias Sul-Americanas. Segundo consta é simplesmente fabuloso

Ver Artigo
O Tesouro dos Cinco Pontões - Por Adelpho Monjardim

Os Cinco Pontões uma pedreira muito alta de cinco pontas, encontrarás um córrego que nasce do Oeste para Leste...

Ver Artigo
A Pedra da Onça – Por Adelpho Monjardim

Para espanto do caçador as poderosas patas do bicho começaram a expelir pedrinhas que faiscavam ao sol

Ver Artigo
A Igreja do Rosário – Por Adelpho Monjardim

Num domingo de setembro de 1833 entraram no Convento de São Francisco e roubaram a santa imagem, levando-a para a Igreja do Rosário

Ver Artigo
A mula sem cabeça - Por Adelpho Monjardim

Em luna, quando ainda se chamava Rio Pardo, lá existiu uma assombração que por muito tempo apavorou a Vila — uma mula-sem-cabeça

Ver Artigo
O Apedrejamento e o quebra-quebra – Por Adelpho Monjardim

O Morro da Fonte Grande, palco do estranho episódio, situa-se no coração da Cidade

Ver Artigo
Fradinhos – Por Adelpho Monjardim

O casarão, que tantas vezes mudou de dono, possui nebulosa história, que raia pela fantasia

Ver Artigo
O quilômetro 2 – Por Adelpho Monjardim

E quem ousaria, depois das vinte e três horas, passar pela Volta da Jaqueira, no Km 2?

Ver Artigo
A Ilha do Imperador – Por Adelpho Monjardim

Sua Majestade, o Imperador enterrou como lembrança um champanhe que nunca foi achada, porém uma colher foi encontrada

Ver Artigo