Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O samba da Caprichosos de Pilares, homenagem ao ES

Caprichosos de Pilares - Homenagem ao Espírito Santo no carnaval de 2006

Sinopse de Enredo

É chegado mais um carnaval e novamente entro na avenida com a minha irreverência de sempre. Quero levar ao meu povo um pouco mais de alegria em tempos tão complicados, de tanta turbulência política. Vou seguir numa viagem pelo meu querido Brasil. Passarei por terras ainda não manchadas por tanta sujeira humana, se é que eles são humanos. Nessa noite minha preocupação maior é com a folia e com essa gente sofrida e batalhadora que não merece tanta maldade.

Ouço sons ecoarem, que vão me chamando. São tambores e casacas, um ritmo gostoso se misturando aos meus surdos e tamborins, unindo o sagrado e o profano. Esse encontro desperta nos homens uma sensação eufórica de gozo, de contemplação da vida. A alma explode em cores e contagia a todos. Estamos entrando num estado santo em plena folia. É o carnaval carioca invadindo as terras de índios canibais que mostram sua força através da cultura popular.

Espírito Santo. Um lugar de diversidades. Um estado singular. Ali nossas almas são tomadas pelos espíritos " Goitacás" e " Botocudos" , terríveis canibais que comiam seus adversários. O carnaval, legítimo representante do antropofagismo cultural, devora culturas e delas monta seu espetáculo. O homem se devora em busca de conhecimento e sabedoria.

A minha comunidade suburbana, agora aborígene, segue comigo com fome de saber. Vamos devorando as nações que formaram esse povo tão especial, são diversidades de raças que enriqueceram e deram origem ao homem capixaba, cheio de mistérios e pluralidade. Um povo que se mistura a beija-flores e orquídeas protegido pela força da padroeira Nossa Senhora da Penha.

Oh, Espírito Santo! Tu és naturalmente belo, sua mistura de lagoas e cachoeiras, mangues e dunas, montanhas e praias nos encantam. Estava nas montanhas e o frio congelava minha alma, precisei recorrer a vinho e polenta para me aquecer. Em quarenta minutos cheguei às praias e a visão do litoral me fez delirar. Sua geografia foi abençoada pelo Divino.

Passeando por suas cidades fui conhecendo o folclore capixaba tão bom de se ouvir, de se ver e de sentir. Sua força é sua gente, que é quente e busca na raiz do passado suas origens. De geração em geração, assim o povo vai modelando as tradições do Espírito Santo.

Na travessia do seu litoral avistei portos e vi produtos dessa terra sendo levados ao mundo. Não são mais piratas e corsários, mas sim o progresso que faz a economia prosperar em meio a guindastes e ferragens de gigantescos navios. Temos orgulho do nosso mármore e granito.

Do barro, do amor, da sensibilidade. Assim é a origem do belo artesanato capixaba. Sua culinária é colorida com influências negra, branca e com uma pincelada de vermelho dos índios. Sua culinária tem "Espírito", e o sabor é "Santo". Dos manguezais sai o barro que nas mãos de artesãs se transforma em panelas de origem secular. Nelas preparam-se moquecas e diversos pratos apetitosos à base de frutos do mar.

Em Vila Velha deparo-me com a força do chocolate. Tento devorá-lo, mas sua força é maior. Caio na sua fúria e deixo-me ser devorado por essa delícia marrom que se fixou nas terras capixabas aos pés da padroeira.

O tambor, a casaca , o coração. Tudo isso bate mais forte no Espírito Santo. Ouço sons de lamentos em forma de canções. São verdadeiras orações louvando a São Benedito. Vejo um povo festeiro invadindo as ruas com as bandas de congo. Mascarados, fiéis, romeiros misturam-se ao povo e irmanados formam uma única corrente de fé.

A alegria sagrada invade minha alma e peço a São Benedito que ilumine o caminho da minha comunidade suburbana tão sofrida. A festa de alma profana curva-se ao sagrado numa expressão de fé.

Na folia vamos desfilando com o Espírito Santo e manchando a passarela de forma multicor! Em busca de um "Santo Espírito" vamos deixar a folia levar nossa alma em busca de felicidade.

Abram seus espíritos à inspiração e como verdadeiros canibais indígenas devorem esse estado santo que tanto tem a oferecer.

 

 

Carnaval 2006 - Na folia com o Espírito Santo: o Espírito Santo caprichou

 

Samba Enredo

 

Vou te devorar

A tua história incorporar
Espírito Santo, guerreiro
Caprichosamente me levar
Profano canto suburbano
Se transforma em divinal
Linda e sagrada terra capixaba
Alma do meu carnaval

E o sabor que traz o teu tempero
Se misturou com o povo estrangeiro (bis)
Quando ecoa o teu tambor
Lembro Pilares, meu divino amor

Enquanto aporta o turismo
Riqueza em pedra e flor, exportar
Arte moldada no barro
Encanta os olhos e o paladar
Montanha e mar...
Feito garoto me lambuzei
Senti a fé me renovar
Na Caprichosos me tornei
Romeiro-folião
Faço um desfile procissão
Oh! Santo Espírito do samba
Tu és a inspiração

Espírito Santo caprichou
É chocolate na Avenida (bis)
Numa serenata Pilares canta
Feliz da vida

 

 

Composição: Josemar Manfredini, Mauro Speranza e Márcio do Swing
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2013 

 

Links Relacionados:

>> O "Zé Pereira"
>> Origem do carnaval no Brasil

Matérias Especiais

Clubes Republicanos

Clubes Republicanos

Sob o governo de Pedro II o regime parlamentar brasileiro, se não primou por grandes arrancadas de progresso material, foi contudo uma verdadeira democracia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Aspectos do Direito Brasileiro na República - Parte III (FINAL)

Constituição de 1934, não consagrando no seu art. 113, nº 3, aquela cláusula “em caso algum”, veio dar um grande passo para a situação atual em que a irretroavidade das Leis

Ver Artigo
Partido Republicano - Cisão

As divergências de interesses entre os grupos da elite capixaba ficaram nítidas no Congresso do Partido Republicano realizado em Vitória, em 1890

Ver Artigo
Clubes Republicanos

Sob o governo de Pedro II o regime parlamentar brasileiro, se não primou por grandes arrancadas de progresso material, foi contudo uma verdadeira democracia

Ver Artigo
Comparações e fatos alusivos a Proclamação da República

Discurso proferido por Robero Brochado Abreu, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha - Casa da Memória, durante as comemorações da Proclamação da República

Ver Artigo
Canudos e a consolidação da República - Por Hélio Athayde

Os brasileiros ainda questionam a sua forma e o seu sistema de governo, vergados sob o imenso peso de um “complexo de culpa coletivo”, que parece continuar rondando os seus espíritos

Ver Artigo