Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Saque Holandês – Por Norbertino Bahiense

Nossa Senhora da Penha

João Maurício de Nassau, alemão a soldo dos holandeses de uma Companhia, a Companhia das índias Ocidentais, e que veio às costas do Brasil consolidar o assalto holandês à nossa terra; quando de sua estada em nossas plagas para usufruir as vantagens decorrentes da vitoriosa colonização portuguesa; quando aqui veio para pilhar o nosso ouro, a nossa prata e demais riquezas entre as quais já se destacava o nosso cobiçado açúcar industrializado em alta escala pelos milhares de engenhos em pleno funcionamento; quando dirigia os seus homens contra a nacionalidade nascente dos brasileiros, já pujante e representada pela estirpe de um Vidal de Negreiros, de um Felipe Camarão, de um Henrique Dias e outros, — não estava mais no Brasil quando as terras capixabas foram, pela terceira vez, visitadas pelos homens que aqui deixou. Desta vez — sem a sua responsabilidade, a visita tinha por único fim o sacrilégio de um saque ao Convento da Penha. O saque de jóias, o saque de uma imagem, o saque até de escravos ali existentes.

E assim foi que, em certa madrugada do ano de 1653, um dos frades do Convento, Frei Francisco da Madre de Deus, — segundo afirma Jaboatão, — orava contrito no altar de Nossa Senhora, quando pelas portas abertas do santuário surgiram os saqueadores holandeses que mais uma vez transpunham a barra de Vitória.

Sob o olhar atônito do frade, tudo roubaram, sem o molestar. Estarrecido, Frei Francisco da Madre de Deus assistia ao sacrilégio. Ao tocarem, porém, no manto da imagem, o frade não se conteve e protestou veementemente, indo ele mesmo tirar o manto e a coroa, entregando-os aos miseráveis.

Conta ainda Frei Basílio, citando Jaboatão, que "um dos holandeses tentou tirar o anel precioso do dedo de Nossa Senhora, mas não o conseguiu, como, igualmente, não pôde cortar o dedo e a própria mão.

Gomes Neto e ainda Frei Basílio dizem que os holandeses, após o saque, levaram o Menino Jesus, "arrecadando-o dos braços da imagem, alegando que o levariam para o Recife para brincar com outro menino que lá havia." Machado de Oliveira, na Revista do Instituto Histórico Brasileiro de 1856, não subscreve o sacrilégio do Menino Jesus, achando a noticia incerta.

Após a pilhagem, tudo levaram, inclusive 08 escravos, e avançaram para Cabo Frio, em busca de gado, mas ali foram surrados pelos índios, que mataram alguns pilhantes, obrigando-os a fugir a toda pressa para o Recife.

O saque da Penha marcou as vésperas do término do domínio holandês no Brasil, a 27 de janeiro de 1654.

Quando Recife foi libertada do jugo holandês, esteve presente o Custódio Frei Daniel de São Francisco a quem foram restituídos os escravos, ornamentos e alfaias que, no mesmo ano, retornaram à Penha. 

 

Fonte: O Convento da Penha, um templo histórico, tradicional e famoso 1534 a 1951
Autor: Norbertino Bahiense
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2018

Convento da Penha

A História do Convento da Penha com Imagens (Parte 11)

A História do Convento da Penha com Imagens (Parte 11)

Antes era um simples caminho particular, aberto pelo antigo capelão Pedro José Lidwin para se chegar, a cavalo, até o “campinho"

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Gruta de Frei Pedro Palácios, Oratório e Frontal do Portão - Por Seu Dedê

Na época da jurisdição do capelão Padre José Ludwin, a missa do domingo, véspera da Festa da Penha, era celebrada às nove horas em frente ao oratório

Ver Artigo
Fonte Milagrosa do Convento da Penha

Localizada no terraço inferior do Convento de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo
O genial Vitor Meireles no Convento da Penha no ano de 1871

Os pincéis mágicos que imortalizaram as grandes telas históricas também estiveram na Penha, manejados pelo genial Vitor Meireles

Ver Artigo
A Penha do meu tempo – Por Areobaldo Lellis Horta

Via-se a senzala, em ruínas, composta de pequeno número de casebres, quase destelhados uns, outros de paredes fendidas e atacadas pela hera

Ver Artigo
O Convento da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Peregrino, contempla o augusto monumento  da terra capixaba. Ali, vive a rezar, em hosanas de glória, ou rudez do tormento, o coração de um povo!

Ver Artigo