Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Saque Holandês – Por Norbertino Bahiense

Nossa Senhora da Penha

João Maurício de Nassau, alemão a soldo dos holandeses de uma Companhia, a Companhia das índias Ocidentais, e que veio às costas do Brasil consolidar o assalto holandês à nossa terra; quando de sua estada em nossas plagas para usufruir as vantagens decorrentes da vitoriosa colonização portuguesa; quando aqui veio para pilhar o nosso ouro, a nossa prata e demais riquezas entre as quais já se destacava o nosso cobiçado açúcar industrializado em alta escala pelos milhares de engenhos em pleno funcionamento; quando dirigia os seus homens contra a nacionalidade nascente dos brasileiros, já pujante e representada pela estirpe de um Vidal de Negreiros, de um Felipe Camarão, de um Henrique Dias e outros, — não estava mais no Brasil quando as terras capixabas foram, pela terceira vez, visitadas pelos homens que aqui deixou. Desta vez — sem a sua responsabilidade, a visita tinha por único fim o sacrilégio de um saque ao Convento da Penha. O saque de jóias, o saque de uma imagem, o saque até de escravos ali existentes.

E assim foi que, em certa madrugada do ano de 1653, um dos frades do Convento, Frei Francisco da Madre de Deus, — segundo afirma Jaboatão, — orava contrito no altar de Nossa Senhora, quando pelas portas abertas do santuário surgiram os saqueadores holandeses que mais uma vez transpunham a barra de Vitória.

Sob o olhar atônito do frade, tudo roubaram, sem o molestar. Estarrecido, Frei Francisco da Madre de Deus assistia ao sacrilégio. Ao tocarem, porém, no manto da imagem, o frade não se conteve e protestou veementemente, indo ele mesmo tirar o manto e a coroa, entregando-os aos miseráveis.

Conta ainda Frei Basílio, citando Jaboatão, que "um dos holandeses tentou tirar o anel precioso do dedo de Nossa Senhora, mas não o conseguiu, como, igualmente, não pôde cortar o dedo e a própria mão.

Gomes Neto e ainda Frei Basílio dizem que os holandeses, após o saque, levaram o Menino Jesus, "arrecadando-o dos braços da imagem, alegando que o levariam para o Recife para brincar com outro menino que lá havia." Machado de Oliveira, na Revista do Instituto Histórico Brasileiro de 1856, não subscreve o sacrilégio do Menino Jesus, achando a noticia incerta.

Após a pilhagem, tudo levaram, inclusive 08 escravos, e avançaram para Cabo Frio, em busca de gado, mas ali foram surrados pelos índios, que mataram alguns pilhantes, obrigando-os a fugir a toda pressa para o Recife.

O saque da Penha marcou as vésperas do término do domínio holandês no Brasil, a 27 de janeiro de 1654.

Quando Recife foi libertada do jugo holandês, esteve presente o Custódio Frei Daniel de São Francisco a quem foram restituídos os escravos, ornamentos e alfaias que, no mesmo ano, retornaram à Penha. 

 

Fonte: O Convento da Penha, um templo histórico, tradicional e famoso 1534 a 1951
Autor: Norbertino Bahiense
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2018

Convento da Penha

O Convento da Penha - Por Heribaldo L. Balestrero

O Convento da Penha - Por Heribaldo L. Balestrero

Representa para nós, o repositório mais sagrado de todas as nossas esperanças, as emoções mais deliciosas de nossos corações, na contemplação da fé que surpreende até a própria natureza, na sua magnificência

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Inscrições – Por Maria da Gloria de Freitas Duarte

Em Vila Velha e nos seus arredores são encontradas várias inscrições, históricas ou não, como as que registramos

Ver Artigo
História da Festa da Penha

A Festa da Padroeira dos capixabas sempre foi o principal acontecimento religioso de Vila Velha. Segundo a Lei nº 7, de 12/11/1844, o dia da Festa da Penha passou a ser considerado feriado em toda a Província do Espírito Santo

Ver Artigo
Todos os motivos nos levam à Festa da Penha

Desde 1570 comemoramos a Festa da Penha oito dias após a Páscoa. Ela é a festa cristã pioneira da América

Ver Artigo
Campo de Piratininga na história do Convento

Os franciscanos compraram o campo de Piratininga, por 5$000, a Da. Catarina de Vide, viúva de Manuel de Vide, o compadre e amigo de Anchieta

Ver Artigo
As Terras do Convento – Por Nobertino Bahiense

O documento de doação feita pela Governadora da Capitania do Espírito Santo, Da. Luísa Grinalda, desde a longínqua data de 6 de dezembro de 1591

Ver Artigo