Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Zé Pereira

Os três carnavalescos: Ao centro Clementino Barcelos, à sua direita Lúcio Bacelar e à sua esquerda Abraão Farias

Precedendo o Carnaval, semanas antes, puxados por animadas bandinhas, os "Zé Prereira" percorriam à noite as ruas da cidade acompanhados por pessoas fantasiadas de "sujo", em sua maioria homens, pois as mulheres geralmente iam por fora dos cordões ou ficavam à janela, assistindo à passagem. De quando em vez ecoavam os gritos dos participantes em coro: "Zé Pereira!" Buum, buum, buum, bum, bum!!! Volta e meia se repetiam o grito e a batida dos tambores, isso sempre ao término das cantorias das marchinhas carnavalescas da época.

Algumas pessoas se apresentavam com alegorias e carros alegóricos, juntando-se a esses blocos. O mais bem trabalhado dos carros alegóricos de que se tem notícia foi o do festeiro, hoje se diria carnavalesco, Lúcio Bacelar, que moldou uma bela, colorida e grande sereia que desfilou em patamar sobre rodas num desses "Zé Pereira". A sua segunda e última aparição dessa alegoria deu-se dias depois, num domingo, durante o famoso banho a fantasia. As fantasias, de papel crepom colorido, tingiam a água cristalina do mar da praia da Sereia.

 

Fonte: Ecos de Vila Velha, 2001
Autor: José Anchieta de Setúbal
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2013

História do ES

Arquitetura Colonial do Século XVIII – Por Serafim Derenzi

Arquitetura Colonial do Século XVIII – Por Serafim Derenzi

É bastante considerar os poucos logradouros da cidade, que guardaram os eixos diretores daquela época: Rua Duque de Caxias, Maria Ortiz, Prof. Azambuja, José Marcelino...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo