Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Onde o vento faz a curva - Por Beatriz Abaurre

O impoluto Penedo e a adorável árvore de Beatriz Abaurre

Sempre tive uma relação que poderia considerar afetiva com o Penedo, aquela massa granítica imensa e poderosa que se ergue em toda a sua magnificência, bem na entrada do canal de águas pardacentas e remansosas, guardião eterno da bela cidade de Vitória.

Agreste, suas encostas não descem paralelas como muitas dessas formações geológicas. A face que encara o oceano que se faz distante, desce íngreme e abrupta - rocha pura que despenca até o mar que lambe distraído sua base. Em compensação, sua parte posterior desce brandamente até o porto com seus maquinários hostis: gruas, guindastes, navios cargueiros sem nenhuma poesia, correias de metal prenhes de minérios diversos, vindos de terras distantes.

Mas é da face agreste que eu gosto. Ao passar de carro pela Avenida Beira Mar, artéria aberta à força, construída de aterro furtado de seu território, onde escoa grande parte do fluxo de veículos da cidade, não consigo deixar de apreciar a pedra imponente. Imagino então que é ele o guardião de Vitória, a cidade cheia de luz e esplendor, a se estender até seus últimos vestígios, pois, da altura de seu pico, tudo está exposto: sua beleza ou desarmonia, sua ausência de belas edificações, e sua geografia tímida, espremida numa faixa de terra que se obriga a subir morro acima, casas amontoadas, equilibrando-se precariamente em sua humildade, escoradas umas nas outras, seus moradores sem sequer perceber a pedra imensa, que se ergue logo ali, do outro lado do canal que também ignoram por falta de tempo ou de curiosidade.

Certo dia, ao manobrar o carro para percorrer o caminho de sempre, olhei, como de hábito, a pedra que aprendi a amar, apesar de seu aspecto pouco amigável, uma espécie de excrecência crescia, incomodamente, a uma altura considerável, muito próximo de seu topo. Intrigada, passei a observar mais atentamente, aquela protuberância em sua superfície árida, que crescia dia após dia. Algumas semanas depois, uma vegetação verde recobria sua superfície. Não demorou e já se percebia um único galho esquálido a se erguer corajosamente do local tão inapropriado.

Não vai adiante, pensei. Não há terra naquela pedra seca e hostil.

Pois contra tudo, permaneceu crescendo e esverdecendo, tornando-se um arbusto meio deselegante, porém persistente. Sem pressa, esforçava-se bravamente tornava-se uma árvore que se desenvolvia comprida e estóica.

Minha curiosidade aumentou. Levava em consideração vários fatores desfavoráveis: terreno mais agreste, impossível; total falta de base plana para lançar raízes; o calor inclemente do sol, alimentado pela irradiação da pedra escura. E o mais importante, agarrava-se num local totalmente absurdo; exatamente onde o vento faz a curva ao varrer o canal, percorrendo, sem qualquer obstáculo a impedir seu ímpeto voluntarioso para, de repente, viver um embate incrível e inesperado com aquela massa rochosa a barrar, indiferente, seu caminho rumo ao desconhecido.

Nada mais havendo a fazer, só lhe restava desistir frustradamente, descrever uma curva fechada ao redor da face arredondada daquela massa bruta e retroceder, investir novamente, insistindo em seguir o rumo idealizado, mas tornando a fazer a curva, exatamente onde a árvore se agarrava estoicamente.

Nessa luta inclemente, venceu a minha árvore. Hoje, ergue-se frondosa, um vistoso espécime vegetal, digno de nossa admiração o tronco coberto de liquens sadios, uma quantidade imensa de plantas que se aconchegam em sua sombra farta e acolhedora e certamente, um abrigo seguro de pássaros diversos. Uma mãe afetuosa e terna, mansa e bela em sua dignidade imprevista.

Com sua brandura, quebrou o caráter carrancudo e vetusto do Penedo, dando-lhe um toque de afabilidade e alegria. Permaneço observando a rocha e principalmente o verde radiante daquele apêndice folhoso que, nem ele, nem o vento inclemente aceitaram com complacência ou boa vontade.

Hoje, me imagino sentada sob seus galhos frondosos, calma e pensativa, admirando, encantada, a cidade de Vitória, que amei à primeira vista, estendendo-se bela, iluminada em seu esplendor pela brandura do sol ao entardecer, preguiçosa como eu, sem pensar no amanhã incerto. O impoluto Penedo, a minha adorável árvore, o vento agora mais brando, fazendo insistentemente sua curva necessária, porém roçando cuidadosamente a superfície da pedra, a agitar levemente meus cabelos, e a cidade, cuja geografia hoje me encanta muito mais que outrora, assim, dolente, acolhedora como a árvore que hoje me aninha em sua sombra.

 

Vitória - Ilha do sol e da esperança

 

Vejo uma ave,

Gaivota.

E digo — não se vá.

Voa num céu cheio de cor

E penso — o mar está perto.

Vejo folhas caindo inquietas

E imagino — é o verão que se finda.

São tantas e nem sequer se queixam

E peço — não morram.

Há um tempo que foi, é certo

Mas há também, talvez, um amanhã

Porque ontem e hoje é tudo isto,

Este desejo de céu, de sol, de vento,

Este grito rouco cujo eco

Talvez nunca existiu,

Talvez nem mesmo o grito.

É este desejo de ser jovem

Desejo capaz de ser história,

De transportar fora do tempo

A renúncia e o cansaço de meu corpo insone.

 

É esta ilha —

Azul e branca,

Obstinada ilha

Trajetória de selvagens aves marinheiras,

De barcos que navegam apressados

Rumo ao Sul, ao esquecimento.

É esta ilha assim, rude, que sabe a esperança

Onde há lágrimas secadas pelo vento

E sorrisos

Alvos sorrisos com sabor de maresia;

Terra sofrida cheia de luz e de coragem.

 

Vejo uma ave,

Gaivota.

E grito — volta

E penso — talvez não se vá

Mas sempre se vai

Vôo alongado, solitário,

Sobre a terra, sobre o mar,

Sobre o abismo,

Sobre o planalto distante, infinito,

Sobre o tempo que não acaba de passar...

 

Fonte: Vitória, Cidade Sol – Escritos de Vitória nº 25, Academia Espírito-Santense de Letras e Secretaria Municipal de Cultura, 2008
Autora do texto: Beatriz Abaurre, nasceu em Londrina, PR, em 1937. Musicista, poeta, prosadora e ensaísta. Pertence à AFEL e à AEL
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2019

Literatura e Crônicas

Meio-Fio - Tipos Populares de Vitória

Meio-Fio - Tipos Populares de Vitória

Foi assassinado, covardemente, em Vitória, no mercado da Vila Rubim, em madrugada de janeiro de 1962

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jogos de botões pelas calçadas... Por Marien Calixte

"Jogos de botões pelas calçadas, eu era feliz e não sabia..."

Ver Artigo
Vitória, cidade bendita pelo sol de cada dia!

O Cruzeiro se podia subir mais fácil pelo nosso imenso quintal, e, eu estudava muitas vezes, lá em cima, pois tinha maior concentração

Ver Artigo
Juiz de Fora - João Bonino Moreira

Estávamos em 1947 e eu, deslumbrando-me com férias cariocas, fui assistir a um jogo de futebol no Estádio do Vasco

Ver Artigo
O Grande Jogo - Hércules Dutra de Campos Filho

Aos dez minutos, 1 a 1, aos quatorze, 2 a 1, aos vinte e cinco, 3 a 1, aos quarenta já ganhávamos por 6 a 2

Ver Artigo
Do campus, minhas lembranças em formol - Poe Anne Mahin

Fiquei para assistir à dissecação do cachorro, que, depois de ter os órgãos retirados e analisados, acabou com a carcaça numa caçamba de lixo

Ver Artigo