Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Onde o vento faz a curva - Por Beatriz Abaurre

O impoluto Penedo e a adorável árvore de Beatriz Abaurre

Sempre tive uma relação que poderia considerar afetiva com o Penedo, aquela massa granítica imensa e poderosa que se ergue em toda a sua magnificência, bem na entrada do canal de águas pardacentas e remansosas, guardião eterno da bela cidade de Vitória.

Agreste, suas encostas não descem paralelas como muitas dessas formações geológicas. A face que encara o oceano que se faz distante, desce íngreme e abrupta - rocha pura que despenca até o mar que lambe distraído sua base. Em compensação, sua parte posterior desce brandamente até o porto com seus maquinários hostis: gruas, guindastes, navios cargueiros sem nenhuma poesia, correias de metal prenhes de minérios diversos, vindos de terras distantes.

Mas é da face agreste que eu gosto. Ao passar de carro pela Avenida Beira Mar, artéria aberta à força, construída de aterro furtado de seu território, onde escoa grande parte do fluxo de veículos da cidade, não consigo deixar de apreciar a pedra imponente. Imagino então que é ele o guardião de Vitória, a cidade cheia de luz e esplendor, a se estender até seus últimos vestígios, pois, da altura de seu pico, tudo está exposto: sua beleza ou desarmonia, sua ausência de belas edificações, e sua geografia tímida, espremida numa faixa de terra que se obriga a subir morro acima, casas amontoadas, equilibrando-se precariamente em sua humildade, escoradas umas nas outras, seus moradores sem sequer perceber a pedra imensa, que se ergue logo ali, do outro lado do canal que também ignoram por falta de tempo ou de curiosidade.

Certo dia, ao manobrar o carro para percorrer o caminho de sempre, olhei, como de hábito, a pedra que aprendi a amar, apesar de seu aspecto pouco amigável, uma espécie de excrecência crescia, incomodamente, a uma altura considerável, muito próximo de seu topo. Intrigada, passei a observar mais atentamente, aquela protuberância em sua superfície árida, que crescia dia após dia. Algumas semanas depois, uma vegetação verde recobria sua superfície. Não demorou e já se percebia um único galho esquálido a se erguer corajosamente do local tão inapropriado.

Não vai adiante, pensei. Não há terra naquela pedra seca e hostil.

Pois contra tudo, permaneceu crescendo e esverdecendo, tornando-se um arbusto meio deselegante, porém persistente. Sem pressa, esforçava-se bravamente tornava-se uma árvore que se desenvolvia comprida e estóica.

Minha curiosidade aumentou. Levava em consideração vários fatores desfavoráveis: terreno mais agreste, impossível; total falta de base plana para lançar raízes; o calor inclemente do sol, alimentado pela irradiação da pedra escura. E o mais importante, agarrava-se num local totalmente absurdo; exatamente onde o vento faz a curva ao varrer o canal, percorrendo, sem qualquer obstáculo a impedir seu ímpeto voluntarioso para, de repente, viver um embate incrível e inesperado com aquela massa rochosa a barrar, indiferente, seu caminho rumo ao desconhecido.

Nada mais havendo a fazer, só lhe restava desistir frustradamente, descrever uma curva fechada ao redor da face arredondada daquela massa bruta e retroceder, investir novamente, insistindo em seguir o rumo idealizado, mas tornando a fazer a curva, exatamente onde a árvore se agarrava estoicamente.

Nessa luta inclemente, venceu a minha árvore. Hoje, ergue-se frondosa, um vistoso espécime vegetal, digno de nossa admiração o tronco coberto de liquens sadios, uma quantidade imensa de plantas que se aconchegam em sua sombra farta e acolhedora e certamente, um abrigo seguro de pássaros diversos. Uma mãe afetuosa e terna, mansa e bela em sua dignidade imprevista.

Com sua brandura, quebrou o caráter carrancudo e vetusto do Penedo, dando-lhe um toque de afabilidade e alegria. Permaneço observando a rocha e principalmente o verde radiante daquele apêndice folhoso que, nem ele, nem o vento inclemente aceitaram com complacência ou boa vontade.

Hoje, me imagino sentada sob seus galhos frondosos, calma e pensativa, admirando, encantada, a cidade de Vitória, que amei à primeira vista, estendendo-se bela, iluminada em seu esplendor pela brandura do sol ao entardecer, preguiçosa como eu, sem pensar no amanhã incerto. O impoluto Penedo, a minha adorável árvore, o vento agora mais brando, fazendo insistentemente sua curva necessária, porém roçando cuidadosamente a superfície da pedra, a agitar levemente meus cabelos, e a cidade, cuja geografia hoje me encanta muito mais que outrora, assim, dolente, acolhedora como a árvore que hoje me aninha em sua sombra.

 

Vitória - Ilha do sol e da esperança

 

Vejo uma ave,

Gaivota.

E digo — não se vá.

Voa num céu cheio de cor

E penso — o mar está perto.

Vejo folhas caindo inquietas

E imagino — é o verão que se finda.

São tantas e nem sequer se queixam

E peço — não morram.

Há um tempo que foi, é certo

Mas há também, talvez, um amanhã

Porque ontem e hoje é tudo isto,

Este desejo de céu, de sol, de vento,

Este grito rouco cujo eco

Talvez nunca existiu,

Talvez nem mesmo o grito.

É este desejo de ser jovem

Desejo capaz de ser história,

De transportar fora do tempo

A renúncia e o cansaço de meu corpo insone.

 

É esta ilha —

Azul e branca,

Obstinada ilha

Trajetória de selvagens aves marinheiras,

De barcos que navegam apressados

Rumo ao Sul, ao esquecimento.

É esta ilha assim, rude, que sabe a esperança

Onde há lágrimas secadas pelo vento

E sorrisos

Alvos sorrisos com sabor de maresia;

Terra sofrida cheia de luz e de coragem.

 

Vejo uma ave,

Gaivota.

E grito — volta

E penso — talvez não se vá

Mas sempre se vai

Vôo alongado, solitário,

Sobre a terra, sobre o mar,

Sobre o abismo,

Sobre o planalto distante, infinito,

Sobre o tempo que não acaba de passar...

 

Fonte: Vitória, Cidade Sol – Escritos de Vitória nº 25, Academia Espírito-Santense de Letras e Secretaria Municipal de Cultura, 2008
Autora do texto: Beatriz Abaurre, nasceu em Londrina, PR, em 1937. Musicista, poeta, prosadora e ensaísta. Pertence à AFEL e à AEL
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2019

Literatura e Crônicas

Réu Papagaio - Por Carminha Corrêa

Réu Papagaio - Por Carminha Corrêa

O ano era 1977. O local: redação do jornal A Gazeta, na rua General Osório. Já passava das 18 horas, fechamento de edição

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Anos de 1567 e 1569 - Por Basílio Daemon

Ainda outra aldeia em Reritiba, hoje Benevente, na rampa de uma montanha e ao redor dela com outra principiada ainda no lugar chamado Orobó, a dez quilômetros pouco mais ou menos do mar

Ver Artigo
Ontem, Hoje e Amanhã - Por José Carlos Corrêa

Gostávamos muito dali pois o Parque na época era o melhor lugar da cidade. Lá morava a Lurdinha, melhor amiga de Dodora, no Edifício Moscoso

Ver Artigo
Quarta-feira no Parque - Por Maria Helena Hees Alves

Admiro as peças antigas que o Parque ainda guarda: um sinaleiro apagado, um chafariz sem água e um relógio parado

Ver Artigo
Fumaça nos meus olhos - Por Marzia Figueira

A jovem de longo vestido branco, em renda e tule,...correm os anos dourados, suave é a noite, o salão é do Clube Vitória e a debutante sou eu...

Ver Artigo
O Fim - Por Maria Amélia Dalvi

A imagem mais recorrente quando eu pensava nele era: nós dois prendendo as bicicletas com correntes nas calçadas da Rua Sete

Ver Artigo