Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Oratório à Nossa Senhora da Penha - Por Walter de Aguiar Filho

Jaqueira no Morro do Moreno (2014), onde foi construído o Oratório à Nossa Senhora da Penha em 1914

Segundo me contou Francisco Mascarenhas de Barcellos, na época em que seu pai Clementino era o chefe do posto semafórico localizado no Morro do Moreno (nomeado pelo Governo Federal em 14 de novembro de 1914, aos 23 anos), o posto contava com uma luneta de longo alcance para identificação dos navios e também com bandeiras que eram hasteadas sinalizando a entrada de navios na baía de Vitória.

Mestre Clê, como também era conhecido Clementino, construiu no local uma cabana de apoio para descansar e guardar as bandeiras coloridas. A escritora Maria da Glória de Freitas Duarte, sobrinha de Mestre Clê, no livro Vila Velha de Outrora, conta que em noites de luar todos subiam o Morro para passar a noite com Clementino e que em noites frias o agasalho era as bandeiras coloridas.

Clementino era católico fervoroso, por isso logo depois que construiu sua cabana, ergueu um oratório à Nossa Senhora da Penha de frente para o Convento da Penha.

Francisco me contou que ao lado desse oratório, seu pai plantou algumas árvores frutíferas e dentre elas uma jaqueira que cresceu e se tornou uma frondosa árvore. Os anos se passaram e na década de 70, quando estive no topo do morro havia no local um enorme tronco rasteiro ao chão, já quase todo podre, com apenas um broto. Fiz questão de regar e cuidar para que essa árvore voltasse a desenvolver. Verifiquei que se tratava de uma jaqueira, que começava a crescer. Mais tarde, no ano 2000, quando já estava escrevendo o livro Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno, consultei Francisquinho e tive a informação do oratório e da jaqueira, e desde então, tais fatos fazem parte do meu livro, que por sinal, ainda precisa de patrocinadores para a impressão.

 

Autor: Walter de Aguiar Filho
Data: 05 de agosto de 2005
Nota do Site:  O livro foi patrocinado pela GAROTO em 2006 e a foto da jaqueira é de 2014 (Ano do centenário do Oratório à Nossa Senhara da Penha)



GALERIA:

📷
📷


Literatura e Crônicas

Um cordão de ouro - Por TANECO

Um cordão de ouro - Por TANECO

José sempre foi um menino tímido, igual a muitos outros garotos que nascem e morrem por falta de recursos, sem carinho nem amor, não podendo realizar seus sonhos de criança

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Sobre Paulo Torre, uma semana depois de sua morte

Nosso último encontro foi na quarta-feira, dia 11 de outubro de 1995, seis dias antes de sua morte, um dia depois da de Amylton de Almeida, que o abalou muito

Ver Artigo
Identidade Capixaba, o efeito mosaico – Por Gilbert Chaudanne

Essa identidade consiste em juntar as pastilhas do mosaico capixaba e fundi-las num espelho que vai refletir um rosto único e imensamente rico e diverso

Ver Artigo
Nós os capixabas – Por Francisco Aurélio Ribeiro

Se temos um linguajar próprio? Ditongamos muito, daí os "bandeija, carangueijo" do nosso dialeto; já ouvi até menino gritar "A Gazeita!!"

Ver Artigo
A casa azulejada da Serra e os Barboza Leão – Por Elmo Elton

A Serra era então cognominada, pelo número de seus escritores e artistas, a Atenas espírito-santense

Ver Artigo
O Zorro e a Odalisca – Por Jovany Sales Rey

Tem milagre que só dá para contar falseando o nome dos santos, principalmente quando eles ainda estão vivos e vigorosos o bastante para quebrarem suas bengalas na minha cabeça. No entanto, mesmo que tivessem morrido, não me arriscaria a identificá-los

Ver Artigo