Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os franceses atacam no Governo de Belchior de Azeredo

Estandarte de Santiago

Belchior de Azeredo teve de se haver logo com os franceses, que infestavam a costa. No decorrer de 1561, “duas naos mui grandes e bem artilhadas se poserão de fronte desta povoação,(42) cousa para causar assaz terror por serem os moradores poucos, as casas cobertas de palha e sem fortaleza”.(43)

Brancos e índios correram às armas. O padre Brás Lourenço fez de alferes, empunhando o estandarte de Santiago. Belchior comandou o improvisado exército, e com tanta habilidade se houve que conseguiu frustrar os planos de desembarque dos aventureiros. Nenhum balaço “fez dano aos da povoação nen a ella”, o que significa sorte excepcional, pois muitos tiros foram trocados durante as quatro horas de combate. Segundo o relato jesuítico, a peleja se decidiu graças a um tiro certeiro encaixado “ao lume d’agoa em huma das   naos” e ao inesperado aparecimento deum navio que transitava de São Vicente para o Reino. De tal maneira se desmoralizaram os franceses que, na retirada, foram perseguidos a frechadas pela escravaria embarcada em almadias.

Mal sucedidos na vila, tentaram carregar as embarcações com pau-brasil em um porto das proximidades. Por azar, os índios da região haviam sido alertados e lhes tomaram uma chalupa, aprisionando, para cativeiro, sete ou oito tripulantes.
(44).

Em 1562, novo corsário visitou a barra de Vitória, desaparecendo tão logo foi notada sua presença.(45)

Notícias sobre os primeiros artesãos – A catequese ia em progresso, prestigiada pela boa vontade do delegado d’el-rei. Alguns pupilos dos jesuítas, vindos da Bahia e aqui casados com índias da terra, emprestavam o concurso da sua habilidade à indústria de uma tecelagem incipiente. As esposas colaboravam, fiando e costurando. Eram ofícios mui prezados, pois raríssimos sabiam uma arte, mesmo rudimentar.(46)

 

NOTAS

(43) - Carta do Espírito Santo, de 1562, in Cartas, III, 465.

(44) - VALE, Cartas, III, 496-7; LEITE, HCJB, I, 218.

(45) - Carta do Espírito Santo, de dez de junho de 1562, in Cartas, III, 465-6.

(46) - Carta do Espírito Santo, de dez de junho de 1562, in Cartas, III, 468.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

Vasco Fernandes Coutinho

Duarte de Lemos x Vasco Coutinho

Duarte de Lemos x Vasco Coutinho

Em contraste com o cavalheirismo pródigo de Coutinho, Duarte de Lemos é um ambicioso e frio, calculador e intrigante

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Crise – Armando os engenhos

Basta dizer que, em 1552, a capitania não rendia o suficiente para pagar ao padre Gomes Ribeiro

Ver Artigo
Ainda a carta de delação de Duarte de Lemos

Vem, a seguir, a delação da fuga de Coutinho para a França, que calamos por inconseqüente

Ver Artigo
Vasco Coutinho à testa do governo – Auxílio a Pero de Góis

Pero de Góis estivera no Espírito Santo e daqui levara para S. Tomé um mestre de açúcar

Ver Artigo
Regresso do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Talvez o regresso se tivesse verificado em 1547, na frota mencionada na carta de Fernando Álvares de Andrade, ou pouco depois

Ver Artigo
Produção de açúcar na era Vasco

Primeiro carregamento – Minucioso relatório a carta de Ambrósio de Meira. Tudo quanto dizia respeito ao interesse da Fazenda Real registrou cuidadosamente

Ver Artigo