Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os loiolistas, fatores de progresso para o ES

Palácio Anchieta, 1908.

Em 1573, os jesuítas deram início à construção de sua imponente igreja: “de mais de cem palmos de comprido, fora a capela, e quarenta e cinco de largo”.(31) Não existindo pedreiro na terra, as paredes foram feitas de taipa, mas os fundamentos, de pedra e cal. Os próprios padres da Companhia dirigiram a obra, auxiliados por Belchior de Azeredo e toda a gente principal, que “com suas próprias mãos [ajudaram] a trazer pedras grandes para os alicerces”.(32) Foi assim, com o adjutório de grandes e humildes, de senhores e escravos, e graças ao naufrágio que obrigou o padre Luís da Grã e seus companheiros a uma longa demora na vila da Vitória,(33) que se levantaram as primeiras paredes do templo que, mais tarde, acolheria os restos mortais de José de Anchieta.

Os inacianos continuavam o apostolado das letras. Em 1571, ministravam ensino aos “meninos portugueses, que serão quarenta”.(34)

 

NOTAS

(31) - Carta de INÁCIO TOLOSA, apud SERAFIM LEITE, HCJB, I, 222.

(32) - “Todos mandam os seus escravos para a obra. Outros mandam as coisas necessárias para nosso mantimento e da gente que trabalha. Uma pessoa nos tem dado três bois. E com andarem quase cinqüenta pessoas nas obras, com a gente da casa, toda se sustenta de esmolas, que é para espantar em Capitania tão pequena, onde há mais gente pobre que rica”

(Carta de INÁCIO TOLOSA, apud SERAFIM LEITE, HCJB, I, 222).

(33) - Os padres Tolosa (provincial), Luís da Grã, Antônio da Rocha, Vicente Rodrigues, Fernão Luís, e os irmãos Bento de Lima e João de Sousa, no dia mesmo (vinte e oito de abril de 1573) em que deixaram o Espírito Santo rumo ao norte, naufragaram na foz do rio Doce.

O navio e tudo quanto levavam perderam-se, obrigando os náufragos a regressarem ao porto de partida (LEITE, HCJB, I, 221-2).

(34) - Brasiliae Historia 1549-1599, apud LEITE, HCJB, I, 224.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2017

História do ES

Antônio Athayde e a Colonização do ES

Antônio Athayde e a Colonização do ES

Discurso proferido pelo Dr. Antônio Francisco de Athayde, na noite de 23 de maio de 1935 em Sessão Solene do Instituto Histórico e Geográfico do ES

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cidade dormitório

Aos jovens que completavam o curso primário e aspiravam o primeiro emprego só restava procurá-lo em Vitória

Ver Artigo
A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo