Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ouro e Açúcar

Livro: Vila Velha seu passado sua gente, 2002 - Autor: Dijairo Gonçalves Lima - Capa: Denilson Coelho - Revisão: Reinaldo Santos Neves - Ilustrações: Mônica Mol - Editoração: Edson Maltez Heringer

A maioria das capitanias foi entregue a pessoas de recursos médios, sem alto crédito financeiro que lhes desse condições de montar engenhos que ao produzirem, oferecessem, pelo menos a médio prazo, retorno no investimento propício ao pagamento das dívidas contraídas. Foi o caso do nosso capitão. Vendeu tudo que tinha para angariar dinheiro. Chegou a renunciar a uma tença recebida mensalmente do Erário para em troca obter de sua majestade uma caravela com artilharia e farta munição. Na mesma situação estavam outros donatários, exceção feita para as capitanias de São Vicente e de Pernambuco, respectivamente de Martim Afonso de Souza e de Duarte Coelho, que prosperaram. Seus donatários, além de serem muito ricos, possuíam elevado crédito junto às classes dominantes do comércio no Reino e fora dele. Já Vasco Fernandes Coutinho não era um homem rico, de amplos recursos como os seus colegas de Pernambuco e de São Vicente. Logo, só mesmo um forte motivo poderia induzi-lo a protagonizar uma missão tão espinhosa, na qual colocava em risco todos os bens que possuía, sujeitando-se também ao perigo de perder a própria vida. Portanto, o motivo seria ouro! A esperança de enriquecimento rápido. Não foi por mera coincidência que entre os ocupantes da caravela Glória estava o espanhol Felipe Guilhem, entendido em mineração. Não se pode deixar de acrescentar que a cultura da cana e a construção dos engenhos para a produção açucareira representavam um bom investimento, pois o açúcar se destinava exclusivamente ao consumo dos europeus. Pagava-se caro para se ter o produto. A produção do açúcar, conforme estimativa da época, poderia gerar recursos financeiros iguais ou até superiores ao comércio das especiarias, tal a sua procura pelos povos da Europa. Naquela época era produzido apenas pela Sicília e pelas ilhas portuguesas do Atlântico. Para se ter uma idéia do quanto era valioso, vendia-se o açúcar em pequenas porções nas casas especializadas em venda de remédios. Valia uma fortuna, pois figurava até como dote no casamento das princesas.

Para se fabricar o açúcar, o caldo da cana era fervido em tachos e, para se obter sua purificação, adicionava-se ao suco fervente cal e clara de ovo. Na falta da clara colocava-se sangue de animal. Com a fervura, as impurezas do caldo aderiam a esses ingredientes e formavam crostas que subiam à superfície. As crostas eram retiradas e o líquido continuava a ferver até a evaporação de toda a água. Restava então uma pasta que era colocada em moldes de argila postos a secar. Quando a massa cristalizava, isto é, quando se formava o açúcar, era retirada do molde de barro com o formato de um cone parecido com um pão. Por isso era chamado de “pão de açúcar”. O morro da Urca, no Rio de Janeiro, tem este nome devido à semelhança com um dos pequenos montes de açúcar que assim eram exportados para a Europa. Aliás, o nosso Penedo, em outras épocas, tinha também o nome de Pão de Açúcar.

 

Fonte: VILA VELHA - Seu passado e sua gente, ano 2002
Autor: Dijairo Gonçalves Lima

LINKS RELACIONADOS:

 Uma capitania atribulada
 A morte do primeiro donatário
 Quarto Centenário de Vila Velha 

 Perfil - Vasco Fernandes Coutinho 
 Primeiro núcleo de Vila Velha 
 Vasco Coutinho veio na certa! 
 Barrinha - A foz do Rio da Costa 
 O Morro do Moreno na história do ES

História do ES

Pacto entre as elites

Pacto entre as elites

As divergências entre as facções elitistas no Espírito Santo foram conciliadas pela habilidade política dos membros da família Monteiro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo