Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Padres, cirurgiões, rábulas etc. - Província do ES

Capa do Livro: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008

Os capixabas não podiam se queixar – comoem outros tempos tantas vezes o fizeram – da falta de sacerdotes. Além de vinte do clerosecular, viviam aqui oito do regular. Freira, ou recolhida, é que não havia uma sequer.Os cirurgiões – dada a penúria do país – não eram poucos: cinco. Em compensação,nem um médico. Os rábulas – em número de cinco – substituíam os advogados,também inexistentes. Boticários, três; magistrados, zero; alguns empregados públicose cinco professores de primeiras letras, dos quais dois em Vitória. Trinta mendigose oito estrangeiros, dos quais um naturalizado. Ninguém que vivesse exclusivamentede suas rendas. Trabalhadores jornaleiros, só alguns índios que lidavam nas fazendase aos quais se pagava, anualmente, em média, 12$800.

Preocupado com os mínimos detalhes, o presidente Acióli registrou: “Nãohá estabelecimento algum de recreio, nem militar, nem seminário, nem casas deeducação: há unicamente uma aula de gramática latina na Capital, em que se dãolições desta língua de manhã e de tarde nos dias não feriados, e tem treze alunos”.

Se não existia estabelecimento algum de recreio – como se disse acima –abundavam, em compensação, as associações pias: da Misericórdia, do Santíssimo,dos Passos, da Boa Morte, Rosário dos Pretos, Amparo, Rosário dos Pardos, Mãedos Homens, São Benedito, Remédios e Rosário.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2018

História do ES

Assembleia Provincial

Assembleia Provincial

Após o Ato Adicional, o primeiro resultado prático da independência do Brasil, para as Províncias, foi indubitavelmente, a instalação das Assembleias Legislativas, eleitas pela soberania popular

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo
Antônio Athayde e a Colonização do ES

Discurso proferido pelo Dr. Antônio Francisco de Athayde, na noite de 23 de maio de 1935 em Sessão Solene do Instituto Histórico e Geográfico do ES

Ver Artigo