Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Palácio Anchieta

Palácio Anchieta, antiga Igreja de São Tiago

Fui, vi e gostei. Aliás, fiquei deslumbrado com a profundidade e riqueza das informações históricas e culturais que tive a oportunidade de ver, e o melhor: é tudo 0800. Além do mais, a visita ao Palácio Anchieta é acompanhada por monitores de conhecimento profundo que nos repassam informações de história, geografia, arqueologia, arquitetura, cultural, engenharia e curiosidades sobre o Palácio, que consagrou-se como um monumento de grande importância histórica, arquitetônica e artística na vida do povo capixaba.

Caminhar sobre o piso de vidro blindado transparente e iluminado, vendo debaixo dele, as escavações recentemente realizadas no entorno do túmulo do Padre José Anchieta, é arrepiante!

No Palácio está guardada também, mesmo que virtualmente, a genealogia da memória capixaba desde a colonização do nosso estado até os dias atuais, que foi muito bem narrada por Gabriel Bittencourt e Nádia Alcuri Campos no livro Palácio Anchieta: de colégio à casa de governadoria (ano 2000). E agora recentemente lançado, em 25/05/2010, o jornalista e historiador José Tatagiba foi fundo também, trabalhando e história por meio de fotografias no livro “Palácio Anchieta: o apóstolo do Brasil foi sepultado aqui”.

O Palácio é um mar de cultura. Sua construção foi iniciada nos primórdios da colonização do solo espírito-santense, quando da chegada em terras capixabas o jesuíta Afonso Brás e o irmão leigo Simão Gonçalves, dando início à primitiva Igreja São Tiago.

Em 1587, o Padre José de Anchieta concluiu a primeira ala do colégio São Tiago, voltada para a praça (atualmente João Clímaco). O Apóstolo do Brasil – como ficou conhecido - morreu em 1597 no dia 09 de junho em Reritiba, atual município de Anchieta e foi enterrado junto ao altar-mor da Igreja São Tiago.

No ano de 1759, por decreto do então rei de Portugal, Dom José I, os jesuítas foram expulsos do reino e de todas as possessões da Coroa. Foi o fim do colégio São Tiago.

Uma nova reforma foi feita no Palácio para receber em 1860 suas Majestades Imperiais Dom Pedro II e Dona Teresa Cristina Maria numa visita que durou 15 dias.

Dando um pequeno salto para o início do período republicano, em 1908, assume o Governo o presidente Jerônimo Monteiro, responsável pela reconstrução do Palácio, transformando radicalmente as feições do conjunto.

Logo depois, no ano de 1935, o Palácio passou por uma completa reestruturação, incluindo lajes de concreto armado, quando comemorava-se o quarto centenário do Espírito Santo.

Há mais de 100 anos o Palácio tem funcionado como o coração do Poder Executivo do Estado consagrando-se como um monumento de grande importância e palco de intensas idéias e articulações políticas que nortearam o Espírito Santo, esses são os nossos bens intangíveis. 
Com relação aos bens tangíveis, durante esse período houve um processo contínuo de conservação e reformas de suas instalações internas que foram redefinidas, passaram a abrigar setores burocráticos como secretaria, biblioteca, gabinetes e salas de despachos.

Em 2004, iniciou-se o processo de restauro do Palácio, visando reconstruir, preservar e conservar a obra de arte em sua forma original. A restauração do acervo artístico e mobiliário e a capela realocada junto ao túmulo simbólico de Anchieta foi concluída em 2009, ficando assim, salvaguardados os nossos bens culturais, que são produtos de nossa cultura – do pensamento, do sentimento e da ação do homem.

O Palácio Anchieta, por intermédio de suas ambientações, das exposições temporárias, de longa duração e dos eventos culturais, oferece ao visitante um panorama da história capixaba. Fotos, documentos, objetos, mobiliário e obras de arte integram seu acervo, exposto nos diversos salões do Palácio. Se você está ligado em cultura, não sabe o que está perdendo. Lá você poderá assistir filmes em telões e aprender um pouco mais desfrutando de informações preciosas da era das capitanias do império e da república, percebendo esse permanente movimento de recriar a história partir das relações e interferências humanas até os dias atuais.

Não perca! Agende a sua visita!

Horários:

De quarta a sábado: das 10 às 17h.
Aos domingos: das 10 às 16h, visitas agendadas pelo tel.: (27) 3321-3578 ou agendamento@seg.es.gov.br

Walter de Aguiar Filho
Editoria do site Morro do Moreno
Maio/ 2010

Links Relacionados:

>> Fotos do Palácio Anchieta
>> A capitania do ES e os Jesuítas
>> 4º Centenário do ES no Senado 
>> Os jesuítas e o Palácio Anchieta
>> A República
>>  A Igreja de São Tiago
>> Resgatem Anchieta! 
>> Site oficial do Palácio Anchieta



GALERIA:

📷
📷


Editorial

Editorial do Site: Alerta no Planeta

Editorial do Site: Alerta no Planeta

Outro dia, tarde da noite, liguei a tv para assistir alguma coisa e dormir. Zapeando, peguei o programa que mostra comerciais engraçados em todo o mundo. Como adoro assistir esse programa, fiquei por ali. Então, foi mostrado um comercial do Greenpeace sobre invasão na Terra.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Agente do Afeto - Por Rogério Medeiros

A maior parte de nós não sabe por que vive e nem porque vai morrer.  Mas Hermógenes Lima Fonseca sabia

Ver Artigo
Reclames de Vitória no tempo que Dondon jogava no Andaraí

Veja as propagandas antigas, da década de 50, veiculadas na Revista Vida Capichaba. Imperdível!

Ver Artigo
Site Morro do Moreno dá a volta ao mundo

O site Morro do Moreno foi fundado em 2000. No ano de 2008 o site já dava a volta ao mundo

Ver Artigo
A História do Site Morro do Moreno - No ar desde 2000

Na década de 90, com o crescimento da consciência ecológica, iniciou-se na mídia capixaba um movimento requerendo a preservação do Morro do Moreno

Ver Artigo
Morro do Moreno - A origem da sua Logomarca

Na quase quincentenária (1535 -2035) Fazenda da Costa estava inserida a residência do 1º Donatário da Capitania do ES, localizada no sopé do Morro do Moreno, na Pedra das Caiçaras, onde hoje se encontra o campo de bocha do Clube Libanês

Ver Artigo