Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Palácios e o Convento da Penha

A imagem de Nossa Senhora da Penha, encomendada por Frei Pedro Palácios em Portugal e inaugurada em 1570

Dois grandes Centenários comemorou no ano de 1958 o Convento da Penha do Espírito Santo e, com ele, todo o povo capixaba.

É de tradição constante que no ano de 1558 chegou à Capitania do Espírito Santo o Irmão franciscano Frei Pedro Palácios. Quando outros deixavam sua pátria em busca de riquezas no Brasil, Frei Palácios fez a longa viagem para levar na solidão uma vida de oração e de penitência. E não só isto. Embora Irmão leigo quisesse auxiliar os recém-chegados Jesuítas (em Vitória, 1551) na catequese.

A lembrança desse santo varão até hoje perdura na memória dos espírito-santenses e, por isto, com júbilo foi celebrado o IV Centenário de sua chegada.

O segundo Centenário quatro vezes secular é a implantação do culto de Maria Santíssima sob a invocação de Nossa Senhora dos Prazeres, vulgarmente cognominada Nossa Senhora da Penha.

Frei Pedro era singularmente devoto de Nossa Senhora dos Prazeres, devoção essencialmente franciscana. Trouxe de Portugal um quadro pintado a óleo e colocou-o numa capelinha no alto do cume da montanha, donde se originou a denominação: da Penha, propagou a devoção entre o povo e com muita alegria celebrava anualmente a festa de Nossa Senhora dos Prazeres, de acordo com o calendário franciscano, na segunda-feira depois da dominga de Pascoela. Com a sua morte, em 1570, a capelinha ficou aos cuidados de alguns amigos, que a aumentaram. Depois da entrega da montanha aos Franciscanos (1591), a capelinha se transformou aos poucos em o Santuário como hoje existe, e oitenta anos depois da morte de Frei Palácios iniciou-se também a construção do célebre Convento, ousadamente colado nos flancos da rocha.

Para dignamente celebrar o quarto Centenário da chegada de Frei Palácios e do início do culto de Nossa Senhora dos Prazeres, o Convento da Penha programou solenes festas. Promoveu também a publicação da presente brochura, ricamente ilustrada e que representa uma separata do livro Páginas de História Franciscana no Brasil, de autoria do P. Dr. h. c. Frei Basílio Rower, O.F.M.

São de Frei Alfredo W. Setaro, O.F.M., atual Guardião do Convento, os dizeres que acompanham as várias ilustrações.

Queira Deus que a celebração das solenidades mais e mais confirme no coração do povo capixaba o amor à Santíssima Virgem.

F. B.

 

Autor 1: Frei Basílio Rower autor desta monografia histórica
Autor 2: Frei Alfredo W. Setaro autor dos dizeres que acompanham as ilustrações
Fonte: O Convento De Nossa Senhora da Penha do Espírito Santo - 2ª edição, 1965

Religiosos do ES

Anchieta - Última jornada à Vitória e o Funeral

Anchieta - Última jornada à Vitória e o Funeral

A última jornada à Vitória. O conselheiro da casa do Espírito Santo. Despedida. Morte. Funeral e Glorificação 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

De como Anchieta foi ao sertão em busca de uns homens alevantados (revoltados)

Andou este índio muito tempo debaixo da água, e não o achando se veio para cima a tomar fôlego e a descansar

Ver Artigo
De como Anchieta foi feito Provincial

Padre Geral Everardo Mercuriano nomeou-o Provincial 

Ver Artigo
De como o Padre Anchieta continuou a conversão dos índios

Era muito amado pelos Índios pela sua brandura com que procurava o bem de suas almas

Ver Artigo
Do fruto que Nosso Senhor tirou do seu cativeiro

A primeira foi de um menino que, por não ser legítimo, uma velha sua avó o enterrou vivo

Ver Artigo
De como Anchieta leu (ensinou) latim

Obreiros que trabalhariam nesta grande vinha do Senhor, da conversão dos naturais da terra

Ver Artigo