Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Paneleiras

Paneleira

Goiabeiras e paneleiras não é apenas uma rima, é muito mais. As duas se moldam e se fundem. Sem Goiabeiras não há paneleira e vice-versa. São essas mulheres humildes, que se encarregam de preservar essa tradição secular, herdada dos indígenas, e que hoje é, sem dúvida, o mais importante manifestação cultural capixaba.

É também a fonte de renda de mais uma centena de pessoas, que diariamente se concentram no galpão de Associação das Paneleiras de Goiabeiras, criada em 15 de março de 1987, e nos quintais de muitas moradias; dali tiram seu sustento e o sustento dos filhos. Não é muito, mas em épocas boas o faturamento mensal pode chegar a R$ 500,00.

A panela de barro pode ser feita com diversas técnicas de cerâmica. No Espírito Santo a cerâmica de Goiabeiras se destaca em função da persistência de sua técnica de confecção, por ser utilitária e pelo uso de matérias-primas naturais.

A produção artesanal da cerâmica popular de Goiabeiras foi contínua porque sempre foi utilitária. Algumas modificações de aspecto funcional, como a colocação de alças nas laterais das panelas, detalhe raramente encontrado na cerâmica indígena, deve ter isso a solução encontrada pelas paneleiras para o uso das panelas de barro em fogões e posteriormente para o uso em mesas.

As panelas de barro de Goiabeiras são feitas utilizando diversos elementos naturais e artificiais e procedimentos técnicos específicos. A argila é extraída de um barreiro do Vale do Mulembá, no bairro Joana D’Arc, em Vitória. Essa argila foi formada pela decomposição de rochas gnáissicas misturadas, com argilitos, micas e outros elementos.

 

Fonte: Goiabeiras – Coleção Elmo Elton, 2000
Autor: Nilo de Mingo Jr.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2012 

Folclore e Lendas Capixabas

As lendas da Barra do Jucu

As lendas da Barra do Jucu

Maria Luiza Valadares fala de um pote de dinheiro escondido pelos jesuítas na Igreja da Barra e que, segundo ela, foi encontrado em um sítio que ainda existe ao lado dessa Igreja

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As Timbebas - Edward Athayde D’Alcântara

A Prainha era um berçário de mariscos; ali, você colhia com fartura o burdigão

Ver Artigo
Crendices, Orações e Benzimentos

As orações, rezas, benzimentos, e responsos eram muito usados pelos nossos antepassados. E nesse gênero também, o nosso folclore é rico

Ver Artigo
Praia do Suá - Malhação do Judas

Realizada no Sábado de Aleluia, durante a Semana Santa, a zombaria atrai hoje Sábado de Aleluia e porrete!

Ver Artigo
Festa de São Pedro - José Carlos Mattedi

A Festa de São Pedro é, depois da Festa de Nossa Senhora da Penha, o mais popular festejo religioso do Espírito Santo

Ver Artigo
O Judeu Pescador ou Lenda de Brás Gomes - Por Maria Stella de Novaes

Brás Gomes, o pescador, desejoso de preparar-lhe um oratório, ou lugar adequado, conservava-o numa caixa de madeira, que lhe servia de banco, em sua casa

Ver Artigo