Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Parque Moscoso (ex-Campinho) - Por Elmo Elton

Vista geral de Vitória, destacando-se o aterro do Campinho, futuro Parque Moscoso. Da esquerda para a direita, as Igrejas do Rosário, Matriz e São Gonçalo, além da Igreja de São Tiago e Palácio do Governo. Ao fundo, a Baía de Vitória e o Penedo, 1909 -

O aterro do Campinho, local primitivamente chamado Lapa do Mangal, área pantanosa, foi ativado, a partir de 3 de setembro de 1888, quando presidente da província o Dr. Henrique Ataíde Lobo Moscoso. Dois meses depois, o engenheiro Augusto Olavo Rodrigues Ferreira apresentou estudo sobre a referida área, sendo que, a 2 de abril do ano seguinte, já estava concluída parte considerável do aterro, visto que, para tal empresa, empregaram-se numerosos operários, incluindo presos da Cadeia Pública e desocupados, todos recebendo salário razoável.

O Presidente Moscoso, trabalhador, empenhado em mudar a fisionomia da capital da província, ia, diariamente, fiscalizar a obra, "mais parecendo um engenheiro do que um bacharel de Direito". Acontece que, a 27 de abril de 1889, foi o mesmo transferido para a província do Pará, para ali exercer idêntico cargo, mas, atacado de beribéri e febres, não chegou a viajar, falecendo, a 8 de junho, em Vila Velha (ES).

"A Câmara Municipal de Vitória deu ao lugar aterrado o nome de Vila Moscoso, demarcado. no mesmo ano, para edificações e arruamento. A 21 de junho, inaugurou-se ali um chafariz, com água da fonte dos Cavalos. No governo do Dr. Afonso Cláudio, em 1889, ergue-se um monumento do Presidente com o resultado de subscrição popular. em toda a Província. O mausoléu foi transferido para o cemitério de Santo Antônio. no governo de Jerônimo de Souza Monteiro, que transformou a Vila no grande Parque Moscoso."

Dois anos após a morte do Dr. Henrique Moscoso, tiveram reinicio as obras do aterro fizeram-se os primeiros estudos para uma rede de esgotos e o abastecimento de água, na Capital, mas a empresa contratada para tal empreendimento, a Companhia Torrens, não cumpriu a contento suas obrigações.

Em 1911, já de todo aterrado o Campinho, o Governo contratou, a 26 de março, o Sr. Paulo Motta para transformá-lo num amplo jardim.

Luiz Derenzi, engenheiro e historiador, registra:

"No plano Torrens, os terrenos do Campinho foram divididos em lotes e vendidos antes de serem recuperados ao pântano. Desapropriou o presidente as partes alienadas, requereu, por aforamento, ao Patrimônio da União. toda a gleba, legítimos terrenos da Marinha. Cometeu ao Dr. João Thomé Alves Guimarães, culto e honesto advogado, a incumbência da desapropriação. Não esperou, porém, o governo pelo término do processamento para iniciar os trabalhos de desmonte e terraplanagem, pois, a 27 de agosto de 1910, e, a 26 de fevereiro do ano seguinte, contratava, respectivamente, com o Cel. Antônio José Duarte o aterro e com Paulo Motta, o ajardinamento da maior parte da área a ser beneficiada (...)

À medida que o aterro avançava, Paulo Motta ia estaqueando os canteiros do magnífico parque florestal e florido, que veio a ser o Parque Moscoso, orgulho dos capixabas e um dos mais belos de todas as capitais. Paulo Motta merece menção especial. Não teve curso superior, mas era um esteta, um panteísta romântico. Toda a sua alma se refletiu na forma harmoniosa do jardim, que desenhou, construiu e matizou de mil arbustos policrônicos. As minúcias são quase de ourives: lago, "ruínas", repuxos, fonte luminosa, recantos sombrios, labirintos, pontes, tudo caprichosamente perfeito. Não esqueceu os cisnes abstratos e os gansos vigilantes contra os profanadores intrusos."

O Parque Moscoso foi inaugurado, festivamente. a 19 de maio de 1912, com a presença do presidente Jerônimo Monteiro, passando, desde então, a ser considerado o mais belo e acolhedor logradouro de Vitória, conforme acentuado acima, embora nem sempre devidamente conservado pela Prefeitura. Infelizmente, seu antigo traçado já não é o mesmo de antes, modificaram o desenho dos canteiros, demoliram o coreto, sua iluminação não prima pelo bom gosto, sendo que, ultimamente, toda a área do parque foi cercada por muro com gradis de ferro, mesmo sem a aprovação da maioria dos ilhéus. Uma pena!

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2017

Bairros e Ruas

Escadaria da Misericórdia (ex-ladeira da Misericórdia)

Escadaria da Misericórdia (ex-ladeira da Misericórdia)

A ladeira começava no final da Rua Duque de Caxias e terminava no adro da igreja de Nossa Senhora da Misericórdia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Rua Cais de São Francisco (ex-cais de São Francisco)

Quem passa hoje, pela rua Cais de São Francisco, fica intrigado com esta denominação. Ora, por que tal nome, se não há ali cais algum?

Ver Artigo
Rua Sete de Setembro (ex-rua da Várzea)

Partia da Prainha (largo da Conceição) e terminava na rua da Capelinha (atual Coronel Monjardim), hoje se alongando até a Fonte Grande

Ver Artigo
Rua Wilson Freitas (ex-ladeira Pernambuco)

Tem início na rua do Rosário. A antiga ladeira, que ganhou calçamento no governo de Florentino Avidos, servia de acesso aos terrenos da Capixaba, antes da total urbanização dessa área

Ver Artigo
Iluminação das ruas de Vitória no século XIX

No começo da escadaria de acesso à igreja do Rosário, viam-se até pouco tempo passado, ainda, arcos de gambiarra desse sistema de iluminação

Ver Artigo