Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Patrimônios Históricos em abandono – Por Levy Rocha

Monumento à Vasco Fernandes Coutinho, que atualmente se encontra na Praça dos Namorados. Há pouco tempo sua efígie foi roubada.

Digna de louvores a temática do II Simpósio de História, realizado, em Vitória, em outubro de 1974. Mais do que oportuno o destaque ao que vem ocorrendo com o Patrimônio Histórico do Espírito Santo, sujeito ao abandono e à destruição. Foi destacado o desleixo pelos arquivos municipais, incúria que levou à perda a documentação dos municípios de Santa Teresa e Muniz Freire, queimados como papéis imprestáveis, por ordens de autoridades locais, bem como o desaparecimento de grande parte do arquivo da igreja de São Mateus, destruído por incêndio, em 1949.

A desídia - diga-se de passagem - vem de longa data, mas não constitui uma peculiaridade dos capixabas.

Contou-me o diretor do Museu Parreiras, de Niterói, que certa vez, o historiador Alberto Lamego deparou, inesperadamente, dois caminhões que estavam sendo carregados de papéis velhos, destinados à remoção, da Prefeitura Municipal de Campos, para o monturo do lixo, onde seriam incinerados. O historiador fluminense se transtornou. Num inflamado discurso, fez parar o trânsito, na rua, e conseguiu sustar o gesto vandálico, mas ficou prostrado pelo desencanto, chegando a cair doente. Quando ele escolheu a Biblioteca Pública de São Paulo para ser a compradora do seu acervo de história, colecionado em andanças pela Europa, quis estar seguro de que a rica documentação estaria preservada, para o futuro.

Estou, agora, pensando como três painéis de azulejos de quatrocentos anos, da Sé de Olinda, em Pernambuco, escaparam da destruição. O museólogo Simoens da Silva, ao visitar a velha Sé, em 1914, espantou-se com o estado de ruínas, vendo caídas duas paredes mestras da igreja e se estarrecendo com a prática de tiro-ao-alvo, feito por desocupados da cidade que apostavam atingir, com pedradas, os quadros de azulejos barrocos que eram, em grande parte, quebrados e derrubados ao chão. Com permissão do Arcebispo, após muitas horas de paciente trabalho, o Prof. Simoens conseguiu recompor, completos, três quadros, dentre mais de vinte que existiram e foram considerados irremediavelmente perdidos.

Em Goiás Velho, soubemos como desapareceu um grande bloco de pedra, monumento monolítico da natureza, que balançava e se mantinha em equilíbrio, constituindo verdadeiro marco turístico da região: um anônimo boçal, explodiu uma dinamite, na base da pedra, fazendo-a se desprender e rolar serra abaixo.

Em Conceição do Castelo, o saudoso amigo Mário Pizol contou-me que foi achado, na mata, um velho arcabuz, do tempo do Aldeiamento dos Afonsinos, quando os soldados pedestres do Quartel se defrontavam com os índios bravos que procuravam impedir o trânsito da estrada do Rubim. O dono do achado, ao invés de guardar valiosa peça de museu, pôs em prática outra idéia: encheu o cano do trabuco de pólvora socada; amarrou-o num tronco de madeira e lançou fogo ao “estropício”, reduzindo-o a mil pedaços, com a singularidade de não ser atingido pelos estilhaços...

Afinal, valho-me duma noticia alentadora, para fecho dessa crônica. A Casa do Capão do Bispo, ex-sede duma propriedade rural que compreendia toda a freguezia do lnhauma, no Estado do Rio, e estava há mais de trinta anos transformada em cortiço, foi recuperada pelo Patrimônio Histórico da Guanabara, tornando-se a sede do Museu de Arqueologia. Eis um belo exemplo, a ser seguido em nosso Espírito Santo.

 

Fonte: De Vasco Coutinho aos Contemporâneos
Autor: Levy Rocha,1977
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2015

Curiosidades

Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os vizinhos de Florentino Avidos – Por Jair Corrêa

Fui trabalhar "Flor de Maio". A "Flor de Maio" ficava ali mais ou menos onde hoje está aquele hotel ao lado das Pernambucanas

Ver Artigo
Vitória, explosão demográfica e progresso

Vitória, que, em 1970, tinha 133.019 habitantes, em 1980 já contava com a presença de 207.736 pessoas

Ver Artigo
Década de 50: a nova fase de Vitória depois dos aterros

Depois, com o novo aterro é que formou a Esplanada Capixaba, novas ruas surgiram, entre elas a General Mascarenhas de Morais (Beira-Mar) e a  Av. Princesa Isabel

Ver Artigo
Os guarás

Foram os guarás – pássaros de porte médio e coloração rosada – que deram origem ao nome Guarapari. Guará é a espécie da ave; e paryn, alçapão ou armadilha

Ver Artigo