Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Paulo Amorim

Paulo Amorim e seu filho Dudu

"Saí para a pesca, como fazia habitualmente todos os sábados e também uma vez durante a semana. Era dia 29 de fevereiro de 1992, sábado de carnaval, saí para a pesca com destino final chegar em Guararapari, onde passaria o Carnaval.

Sempre quando eu saía para a prática deste esporte náutico eu dizia: -"Um dia ainda vou pegar o maior peixe do mundo".

Fui para esta pescaria com uma lancha Mares 30 pés de minha propriedade, a Duda Mares. Esta lancha estava bem equipada e eu utilizei materiais qualificados e em preparados para a pesca de grandes peixes, como é o Marlin Azul.

Levei em minha companhia o amigo Luis Felipe Bumachar. Navegamos cerca de 30 milhas e por volta de 11:00 horas senti que um peixe havia entrado na linha. Pela violência do barulho que fez na carretilha, observei que o peixe era grande. Neste momento, comecei um grande batalha, pois vi o fim da linha na carretilha e por pouco não desisti, sendo animado pelos companheiros de pescaria. Nesta ocasião minha lancha era desprovida de "cadeira" própria para pesca, que dá maior segurança e estabilidade ao pescador.

Na ânsia de continuar lutando com o peixe, foi improvisado um igloo para apoiar a vara. Por cerca de 1h30min fiquei nesta longa briga, usei de toda técnica e de toda força possível quando até tive minhas roupas descosturadas quando finalmente o peixe foi capturado. Surgiu outro problema, como embarcar o peixe se o mesmo não entrava na porta traseira? Diante dessa situação, tomei a decisão de trazê-lo rebocado, somente apoiando o bico e a cabeça na porta de entrada. Após navegarmos 4:00horas chegamos ao píer do Iate Clube do Espírito Santo. Lá foram preciso 28 homens para tirá-lo da água . Somente neste momento é que constatei o tamanho real do peixe.. Eu achava que havia fisgado um peixe de 400kg Na balança tive a feliz confirmação de 636Kg. O peixe foi vistoriado pelo representante da IGFA - em Vitória - Sr. Otacílio Coser Filho, que constatou ser mesmo um Marlin Azul de grande porte, com as seguintes medidas: 4,62m de comprimento e 2,48 de diâmentro. Após as providências de praxe , por total impossibilidade do mesmo ser guardado em frigorífico...

pelo seu tamanho foi decidido que seria separado em partes para serem doadas para entidades filantrópicas. Foram preservados o bico, a cauda e as barbatanas que foram enviadas aos Estados Unidos , para confecção de uma réplica . Hoje está em exposição no salão de festas do Iate Clube do Espírio Santo, em Vitória. Durante o ano de 1992, de março a novembro, outra tarefa árdua foi desempenhada. Foi o processo de reconhecimento do recorde. Pois pelas normas estabelicidas pela IGFA - Internacional Game Fish Association - há necessidade de um rigoroso relatório com detalhamento exato do ocorrido , com provas materiais como além dos testemunhos escritos dos companheiros de pesca e das pessoas que acompanharam todo o desenrolar dos fatos. Foram enviados os materiais utilizados como vara, isca, linha, que passaram por testes de resistência. Foi exugido até o aferimento da balança que pesou o peixe. Finalmente em novembro tivemos a felicidade de dar este título ao Brasil, título este tão almejado pelo mundo inteiro, oportunizando Vitória ser chamada "capital Mundial do Marlin"

Mais um título mundial pra o Brasil !!!
Palavra do escritor: "ufa... que luta!!!.

Obs.: Reportagem organizada pelo meu saudoso filho Paulo Eduardo, quando tive a oportunidade de relatar para ele há agum tempo atrás, detalhes da captura do MARLIN AZUL de 636 KG.


Por: Paulo Amorim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012 



GALERIA:

📷
📷


Personalidades Capixabas

Consuelo Salgueiro (Parte I)

Consuelo Salgueiro (Parte I)

Uma emocionante história de vida, narrada por Ivonne Amorim, nos comprova o quanto a vida nos trás surpresas inimagináveis

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Personalidades de Vitória – Por Wanda Camargo

Escolho, para falar aos Escritos de Vitória, uma personalidade essencial. Muitos a conheceram e poucos, como eu pois falo de um mineiro, nascido em Itaúna, a 9 de fevereiro de 1909...

Ver Artigo
Annette: Uma patrona de honra – Por Maria das Graças Neves

Anna de Castro Mattos, pseudônimo — Annette, mulher de fibra, garra e prestígio. Capixaba de nascimento de Mimoso do Sul e vitoriense por título concedido pela Câmara Municipal de Vitória, em 1967

Ver Artigo
Cinquentenário de uma persona grata – Por Marcos Tavares

Se é que é possível desvincular biografia e obra de um artista, eu diria que mais conheci o homem do que o notável ficcionista de O Sol no Céu na Boca

Ver Artigo
Maria Ortiz, heroína inesperada

O prazer de Maria Ortiz era rolar pela ladeira do Pelourinho dentro de uma ancoreta vazia. Tinha nove anos nessa época. Seu pai, o espanhol Juan Orty y Ortiz, veio para o Espírito Santo em 1621

Ver Artigo
Pauta para Sussen – Por José Irmo Goring

E olha que o Elmo foi figura sempre presente e atuante no movimento cultural de Vitória. Membro da AEL e do IHGES, escreveu alguns livros

Ver Artigo