Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Pecuária no ES – Século XIX

Burro pronto para viajar - Ilustração do livro: Por Serras e Vales do Espírito Santo – A epopéia das Tropas e dos Tropeiros, do autor Ormando Moraes.

No capítulo intitulado Animais, a monografia tão desveladamente preparada pelo presidente informa existirem na província umas oito mil cabeças de gado vacum. O preço médio de um boi era catorze mil réis, e seu peso, oito arrobas. Uma vaca se comprava por doze mil réis. Utilizavam-se os bois nas fábricas de açúcar e nos carros. À bicheira – que se curava com mercúrio doce – era atribuída a maioria das perdas.(62)

A carne de vaca já entrara nos hábitos de alimentação do povo, pois, semanalmente, abatiam-se dez reses nos açougues.(63)

O rebanho cavalar, menos numeroso, contava mil e seiscentas cabeças.

Uma égua valia vinte mil réis; um cavalo, trinta e dois mil réis.

Criavam-se, também, burros e bestas, cabras, carneiros, porcos, galinhas, patos, perus, marrecos e pombos.(64)

 

NOTAS

(62) - Entre 1826 e 1827 a produção de açúcar diminuiu sensivelmente devido a uma praga de carrapatos que acometeu o gado vacum, definhando-o e matando-o (Memória).

(63) - Visitando o norte do Espírito Santo, em 1816, o príncipe MAXIMILIANO observou que o “leite era verdadeira raridade neste litoral” (Viagem, 171).

(64) - Informava o presidente INÁCIO ACIÓLI na Memória: “O gado muar em ambos os sexos não excede a cem, o seu preço médio 32$000, metade se emprega em fábricas e metade em transportes. O gado caprino há duzentos de ambas as espécies, nenhum se mata nos açougues e seu preço é 1$280. Gado ovelhum há dois mil, nenhum vai ao açougue e o seu preço é 1$000. Porcos há oitocentos, é raro que vem ao açougue, seu preço 8$000 e a libra a sessenta réis. / As galinhas de ambos os sexos custam 480 réis e há quatro mil cabeças, e poucas as chamadas da Índia. Patos custam a trezentos e vinte réis, e há mil. Perus custam a oitocentos réis e há duzentos. Marrecos custam a trezentos e vinte réis e há mil. Capões custa a quinhentos e sessenta réis e há cem. Frangos custam a cento e vinte réis e há seis mil. Pombos custam a cento e vinte réis e há trezentos.”

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, abril/2018

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo