Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Pelames – Por Elmo Elton

Prefeitura e Secretaria de Obras - Foto: UFES, PAES 1936

Tendo assumido o governo da província o coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, a 7 de março de 1858, visto encontrar-se enfermo o presidente Dr. Olímpio Carneiro Viriato Catão, que veio a falecer a 23 de abril, passou o mesmo a interessar-se vivamente pela melhoria dos logradouros públicos da cidade, tanto assim que, mediante a Lei n° 27, de 20 de julho daquele ano, desapropriou, nos Pelames, terrenos e casas, a fim de transformar o local em praça.

Nos Pelames, antigo charco, em parte aterrado pelo governador Rubim, funcionava um curtume, daí advindo a designação que se dava a essa área. O Cel. Monjardim deu ao local novo aspecto, nele instalando um chafariz e tanque de lavar, além de arborizá-lo com mangueiras, amendoeiras e palmeiras imperiais, uma delas tendo resistido até os anos 60, quando foi derrubada por administrador menos sensível às coisas tradicionais da cidade.

Em 1860, entre demais melhoramentos realizados em Vitória, providenciou-se o saneamento da referida área, tendo decidido o Conselho, em homenagens ao então presidente do Estado, denominar Afonso Cláudio a praça beneficiada. O mandatário não aceitou tal homenagem, sugerindo fosse a mesma denominada Paula Castro (atual Praça Ubaldo Ramalhete Maia), já que esse militar muito concorrera para o êxito dos trabalhos aí procedidos. Dois outros logradouros surgiram, no espaço antes chamado Pelames, — as ruas Coutinho Mascarenhas e Gama Rosa.

Manoel Ribeiro Coutinho Mascarenhas, deputado provincial por muitas legislaturas, exerceu, várias vezes, o cargo de vice-presidente da província, tendo exonerado, na gestão de 1873, todos os funcionários que exerciam cargos cumulativamente.

Luiz Gama Rosa, capitão de fragata, primeiro capitão dos portos do Espírito Santo, dirigiu por muitos anos a provedoria da Santa Casa de Misericórdia.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2017

Bairros e Ruas

Por quê o nome do viaduto é Caramuru?

Por quê o nome do viaduto é Caramuru?

O Viaduto foi construído em 1925 com o objetivo de ligar as ruas Dom Fernando e Francisco Araújo e servir de passagem para o bonde, que então circulava pela Cidade Alta.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Parque Moscoso (ex-Campinho) - Por Elmo Elton

O aterro do Campinho, local primitivamente chamado Lapa do Mangal, área pantanosa, foi ativado, a partir de 3 de setembro de 1888, quando presidente da província o Dr. Henrique Ataíde Lobo Moscoso

Ver Artigo
Igreja da Misericórdia – Por Elmo Elton

Transferida, anos antes, a sede do governo da capitania, de Vila Velha para Vitória, construiu-se, nesta vila, em 1605, a igreja de Nossa Senhora da Misericórdia

Ver Artigo
Capela de Nossa Senhora das Neves – Por Elmo Elton

Nos terrenos do antigo Convento de São Francisco, em Vitória, construiu-se a capela ou ermida de Nossa Senhora das Neves, ainda de pé

Ver Artigo
Praça D. Luiz Scortegagna (ex-largo da Matriz) - Por Elmo Elton

A Praça Dom Luiz Scortegagna, com a Catedral já inteiramente edificada, ostenta, agora, no centro, um lago artificial, foi asfaltada e arborizada

Ver Artigo
Jardim Municipal (ex-cais do Santíssimo) - Por Elmo Elton

No primeiro governo de Moniz Freire (1892-1896) foi construído o Jardim Municipal, exatamente onde hoje se encontra o Teatro Glória e a Rua Marcelino Duarte, sendo que, em 1905, o mesmo logradouro, reformado pelo major João Pedro das Neves, transformou-se no Eden-Parque

Ver Artigo