Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Pessimismo de Mem de Sá para com Vasco Coutinho

Vasco Fernandes Coutinho - Primeiro Donatário da Capitania do ES

O governador geral já tinha elementos para julgar a situação do senhorio de Vasco Coutinho e não vacilou em transmitir seu ponto de vista ao soberano: “O perigo que esta terra agora pode ter hee ter capitão tão velho e pobre e nisto vera Vossa Alteza que os armadores são os nervos do brasil / e a capitania que os não tiver senão podera sostentar”.(1)

Tão certo estava o missivista de que o estado precário da capitania decorria da falta de capitais e da própria pessoa do seu donatário que chegou mesmo a aconselhar: “Pareceme que Vossa Alteza devia de tomar esta terra a vasco fernandez e logo mandar a san tome [?] e dar aos homens ricos que para ca querem vir as omras que pedem e embarcação e mandar alguns a esta capitania / outros ao espirito santo e conceder privilegios de novo inda que estem jaa no foral aos que ca quiserem vir”.(2)

Sede do governo do sul? – Iam além, muito além, os planos de Mem de Sá. Propunha-se a vir assentar outra cidade aqui na capitania, parecendo-lhe “co a ajuda de deos que em pouco tempo a ei de fazer tal como esta no salvador / a outra será do espirito santo”. Reforçando os argumentos, acenava com a possibilidade de “asi segurarse a a terra de todo do gentio: e dos frances: os quaes esta muito certo que em podendo hão de vir fazer salto ahi: / e mais são para arrecear”.(3)

Sabia arrazoar o senhor governador. Mas foi em pura perda o trabalho, pois a Coroa não deu ouvidos à cantilena.

 

NOTAS

(1) - Carta, I, 225.

(2) - Carta, I, 225.

(3) - Carta, I, 225.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

Vasco Fernandes Coutinho

Duarte de Lemos reaparece ainda uma vez

Duarte de Lemos reaparece ainda uma vez

Duarte de Lemos que era proprietário da ilha de Santo Antônio, coube-lhe oferecer algumas terras aos jesuítas para a construção do Colégio e mantimento dele

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pobre Vasco! - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Enfim, passa da hora de reabilitar o nome de Vasco F. Coutinho e de lhe fazer justiça

Ver Artigo
Vasco da Glória - Francisco Aurélio Ribeiro

Frei Vicente do Salvador, em sua História do Brasil, de 1600 e pouco, afirmou que Vasco Fernandes Coutinho morreu pobre e abandonado

Ver Artigo
Vida Escolar – Grupo Escolar Vasco Fernandes Coutinho (2ª Parte - final)

Em 1931, surge o Grupo Escolar “Vasco Coutinho”, pelo Decreto n° 1.720 de 23 de outubro. O diretor de então era Flávio Moraes. Em 1932 é iniciada a construção do prédio atual da escola

Ver Artigo
No princípio – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
Os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo