Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ponta da Fruta – Por Edward Athayde D’Alcântara

Aldeia de Pescadores da Ponta da Fruta, 1946

Em julho de 1816, Thomás Antônio da Vila Nova Portugal dava notícia que a duas léguas da Barra do Jucu ficava a Vila de Ponta da Fruta. Uma vila de pescadores, e a freguesia do Espírito Santo: Tem todo o termo 427 fogos, 1.672 habitantes; a vila tem 81 fogos, 6 engenhos de açúcar, e quatro engenhocas. (Capitania do ES – julho 1816)

Até os anos 40 era pequena e conhecida ainda como vila de pescadores e era considerada área rural do município. Em destaque a fazenda do doutor Dório Silva e o Morro da Lagoa, do Gil Bernardes.

Além do peixe pescado pelos residentes da vila, os pequenos agricultores traziam para Vila Velha, a fim de comercializar, rapadura, farinha de mandioca, aipim, e lenha para as padarias e residências do centro de Vila Velha.

Cortavam a lenha e empilhavam em forma de fogueira para secagem e quando pronta lotavam carros de bois ou caminhões. Geralmente acompanhavam sua mercadoria até Vila Velha e voltavam no dia seguinte, de carona, em algum carro, ou mesmo a pé.

Era um povo simples e trabalhador e às vezes, em Vila Velha, caminhavam os vinte ou mais quilômetros de volta à sua casa.

Seu desenvolvimento ocorreu na década de 40 com a chegada da luz elétrica no bairro e com a aprovação do loteamento da Praia do Sol executado pela empresa Emessa (*) (se não me engano era Empresa Espírito Santo S/A).

Com a construção da Rodovia do Sol, no Governo Élcio Álvares, houve crescimento acelerado, surgindo outros e outros loteamentos.

Hoje temos os importantes bairros de Interlagos, Itanhenga, Morada do Sol, Chácara do Kajo, Solar de Vênus, Parque do Gramado, Bairro Amaralina, Balneário Ponta da Fruta e Praia do Sol.

Suas praias, Ponta da Fruta, Praia da Baleia, Praia Grande ou D’Ulé são seus balneários mais importantes, podendo ser incluída a Lagoa do Jacuné como point daquele atual distrito.

A Igreja dos Navegantes é uma relíquia local. Situada no alto da Penha (pedra) da Ponta da Fruta, dali se descortina toda a costa marítima do município.

 

(*)Nota do Site: Emessa – Empreendimento Minas Espírito Santo S/A

Foto: Aldeia de Pescadores da Ponta da Fruta de 1946 que mostra em destaque a Capelinha de Nossa Senhora dos Navegantes, construída no ano de 1945 em razão de uma graça alcançada, por Augusto Italiano e ajudado pela comunidade local.

Na parte de baixo, no sopé do Morro aparecem as casas de Zé Brasilicio (pai de Zé Maria, o Tio Zé), Benedito Bernardo (Benedito Timbu), Sampaio, Dona Ruth, Seu Antenor Coutinho e outros.

De José Geraldo Da Silveira Novais para o Facebook no grupo - ‎Vila Velha, Histórias e Estórias.

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2020

Bairros e Ruas

Rua Santa Clara

Rua Santa Clara

No governo de Nestor Gomes construiu-se, ali, um palacete, para residência presidencial, a que chamaram "Palácio das Águias", visto que, no alto de sua frontaria, via-se, esculpida, uma grande águia, de asas abertas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praça João Clímaco (ex-praça Afonso Brás) – Por Elmo Elton

Em 1910, Jerônimo Monteiro, quando o logradouro tinha o terreno inclinado, para aplainá-lo, construiu-se um muro de arrimo, coroado por balaustrada, fronteiro à atual Rua Nestor Gomes

Ver Artigo
Como nasceu a Vitória – Por Areobaldo Lellis

Circundada por montanhas desabitadas, os seus extremos eram ligados, a partir das Pedreiras, hoje Barão Monjardim

Ver Artigo
Rua 13 de Maio (ex-rua do Piolho) – Por Elmo Elton

Esse caminho, sinuoso passou a ser a Rua do Piolho, que, já neste século, trocaria de nome para rua Treze de Maio

Ver Artigo
Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Ponta da Fruta – Por Edward Athayde D’Alcântara

Até os anos 40 era pequena e conhecida ainda como vila de pescadores e era considerada área rural do município

Ver Artigo