Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ponta da Fruta

Igreja Nossa Senhora dos Navegantes. Festejos do dia de sua inauguração, anos 40 - Ponta da Fruta, ES

No passado, essa aldeia estava ligada à da Barra do Jucu pela orla marítima e depois por uma trilha que varava pastos, mata de restinga, pequenas lagoas, areias e trechos alagadiços onde vicejava rica variedade de árvores frutíferas nativas como, cajueiros, jambeiros, goiabeiras, araçazeiros, pés de araçaúna e outras. Sabe-se que desde os primóridos da colonização conquistadores, nativos, aventureiros e viajantes demandavam à região do Rio de Janeiro por essas vias naturais. Foram esses primeiros transeuntes que se referiram ao lugar como sendo a "ponta da fruta".

Nessa época o povoado do extremo sul do município de Vila Velha não passava de uma aldeia de pescadores onde a reduzida população, além de dedicar-se à pesca, base da alimentação, dedicava-se também ao cultivo da terra plantando milho, mandioca, banana, cana-de-açúcar, etc., trabalho exercido também por mulheres e jovens. E assim viveu durante quase três séculos.

Também sobre a Ponta da Fruta, assim referiu-se Oliveira [1817:180]:

A estrada geral segue sempre pela borda do mar, e duas léguas distante fica a Ponta da Fruta, pequena povoação também de pescadores, e pouco adiante o Ribeiro-Doce, que divide pelo sul a Vila do Espírito Santo da de Guarapari. Tem 6 engenhos de açúcar, denominados Calheiras, Ilha do Óleo, Jeuna, Arassatibu, dito, e Jacaroaba, 4 engenhocas, Ponta da Fruta, Jacarassú, Camboapina, e Ribeiro-Doce. Em 1817 teve 33 batizados, 26 óbitos e 14 casamentos.

Em 1960, aproximadamente, o vilarejo já era circundado por algumas propriedade que se dedicavam à pecuária, cujos serviços de estábulos e vaquejadas, eram exercidos pelos filhos mais velhos dos nativos da região. A Ponta da Fruta é hoje um dos principais balneários do estado do Espírito Santo e revela excelente potencial turístico a ser trabalhado.

Capela

No início da década de 40, quando o Brasil entrou na Segunda Guerra Muncial fazendo parte das tropas aliadas que lutavam contra a Alemanha e a Itália, o sentimento de nacionalidade fez nascer no país uma agressividade contra cidadãos alemães e italianos. Morava, então , no centro de Vila Velha, ao lado da igreja do Rosário, Augusto Italiano, solteirão, católico e estimado prestador de serviços à comunidade, especialmente aqueles que exigissem o uso do seu velho caminhão.

Sabe-se que ao tomar conhecimento dos clamores do quebra-quebra que atingiam imigrantes alemães e italianos, correu para os amigos de sua confiança pedindo proteção. Por se tratar de um estrangeiro bom, inofensivo, pobre e muito trabalhador, um dos companheiros sugeriu que se abrigasse no distante arrabalde de Ponta da Fruta. Foi o que fez Augusto levando consigo a sua mãe, já com câncer. Em seu favor, Augusto fez promessa à Nossa Senhora de construir uma bonita capela onde todos pudesse orar. Consta que, mesmo com o falecimento da genitora, o italiano cumpriu a promessa.

 

Fonte: Vila Velha - Onde começou o Estado do Espírito Santo, 1999
Autor: Jair Santos
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2000



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

Av. Marcos de Azevedo (ex-avenída José Carlos) – Por Elmo Elton

Av. Marcos de Azevedo (ex-avenída José Carlos) – Por Elmo Elton

A partir do governo de Jerônimo Monteiro, essa artéria se enfeitou de belas residências, dentre as quais o palacete de Anísio Fernandes Coelho, construído em 1914

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Primeiros moradores do Farol de Santa Luzia

Os primeiros moradores da região do Farol de Santa Luzia, na Praia da Costa, Vila Velha, foram...

Ver Artigo
Rua Dois de Dezembro (ex-rua do Beco) – Por Elmo Elton

Tinha começo em frente à Loja Maçônica Ordem e Progresso, onde se construíra um chafariz, e terminava no largo da Matriz, quase paralela à José Marcelino

Ver Artigo
Rua Cristóvão Colombo (desaparecida) – Por Elmo Elton

Da antiga Cristóvão Colombo resta um trechinho de nada, ao lado da Barão de Monjardim, sendo que uma escadaria, ao término da extinta rua, tem, agora, o nome do descobridor. A escadaria, estreita, em rampa íngreme, dá subida para o morro do Vigia

Ver Artigo
Movimento que desenha a cidade – Jardim da Penha

Desse modo, são menos comuns os movimentos urbanos que refletem sobre a qualidade da paisagem urbana, o desenho, o volume das construções

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz (ex-ladeira do Pelourinho) – Por Elmo Elton

Maria Ortiz era filha de Juan Orty y Ortiz e Carolina Darico, nasceu em Vitória em 1603, tendo falecido na vila em 1646

Ver Artigo