Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Porto - Escritos de Vitória

Prostitutas do Porto de Vitória - Autor: Attílio Colnago

Apresentação do Livro Escritos de Vitória – PORTO

O Porto sempre esteve presente na minha vida. Especialmente quando adolescente e morador do centro de Vitória. Morava na Beira-Mar e, muitas vezes, percorria os olhos em direção ao Porto. Algumas coisas me intrigavam, a vida dos embarcadiços, as estórias de contrabando, as mensagens escritas nas pedras, os marinheiros do Bar Scandinávia, as prostitutas. Esta é a imagem que conservo do Porto de Vitória.

O apito dos navios ressoando no canal de Vitória... Os navios de guerra... Como gostava de ver os navios de guerra! A formação dos marinheiros, todos de branco no convés. O embarque e desembarque de café, a facilidade com que aqueles homens levantavam e carregavam os sacos de juta impressos com um ramo de café verde. Os novos guindastes, lembro-me bem, acompanhei a montagem deles da escadaria do Palácio.

Uma certa noite, desci do apartamento e deitei-me sobre a balsa que servia para atracar as embarcações da praticagem. Deitado de bruços, olhando rente ao mar, o reflexo das luzaes da Beira-Mar, dos prédios, dos navios, dos portos ficou para sempre registrado na minha memória. Esta parte da cidade, para mim, era um grande mistério. Nem tudo que via entendia, mas acreditava que fazia parte da vida do Porto as idas e vindas de diferentes navios e nacionalidades. Houve uma época que eu colecionava maços de cigarros vazios. Só próximo ao Porto se conseguia uma variedade maior de marcas. Às vezes fico imaginando Vitória sem o Porto ou o Porto sem Vitória. O que seria disso? Imagine um elevado ao lado do Porto. O cais virando mão e contramão. Os navios fora do Porto. De repente, quem sabe, um aterro unindo Vitória a Vila Velha. Nossa Senhora!... Isto é delírio.

As ilustrações, os contos, as crônicas, os poemas, presentes nos Escritos de Vitória no futuro poderão ser dos únicos registros do sentimento que o nosso Porto – parte da nossa Memória – inspira em nosso artífices do traço e da palavra. Vale a pena lê-los e entendê-los como cada um vê o seu Porto e como cada um o interpreta.

  

Fonte: Escritos de Vitória – Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória, ES – 1994. Prefeito Municipal, Paulo Hartung
Autor: Jorge Alencar – Secretário  Municipal de Cultura e Esporte  de Vitória - 1994
Ilustração: Atílio Colnago - Ilustrou nesta publicação a crônica " Kallima" da autora Bernadette Lyra



GALERIA:

📷
📷


Literatura e Crônicas

Contos de Surfe - Por Paulo Marreco

Contos de Surfe - Por Paulo Marreco

Paulo Marreco surfa há mais de 25 anos. Desde 2007, mantém uma coluna no maior portal de surfe do Espírito Santo, onde escreve contos e crônicas que retratam o universo do surfe 

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Kallima

Ali perto, Diná andava pela calçada, entre outros travestis. Com as unhas pintadas de vermelho vivo combinando com o batom, a mini-blusa de malha apertada sobre o short comprado na Vila Rubim

Ver Artigo