Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Praça Oito

Praça Oito. Foto cedida por Silvio Davel.

Quem passa pela Praça, imagina escutar melancólicos sons fugindo do solitário relógio que emudeceu na primavera, esperando voltar as tardes coloridas que transbordavam ingenuidade em seu redor, invadindo as lojas e lanchonetes, se apossando de todas as pessoas e deixando um cheiro de saudade no rastro.

Na loja Flor de Maio, as marcas do tempo estampadas nas vitrines e prateleiras, misturavam-se ao aomontoado de gravatas e guarda-chuvas, chapéus e malas à espera do assíduo freguês.

Os mesmos objetos expostos, ainda fazem parte da memória da Flor de Maio, que resiste até hoje, solitária e só, de frente para a Praça, cúmplice do tempo, parceira do Relógio.

Alguém ainda recordará das moças de saia pregueada, combinando com o colete a a gravata azul, vindas da Escola Normal, invadindo a discoteca do Magazin Lojas Unidas, nas tardes mornas de outono.

Algumas alunas ouviam Renato e seus Blue Caps, enquanto outras, ao pé do ouvido, marcavam encontro para o Sábado Dançante no Clube Saldanha, animado por Carlinhos e suas radiolas.

Os rapazes desfilavam suas extravagantes calças boca de sino, e em sinal de protesto exibiam nos dedos um amontoado de anéis tortos e sem valor, imitando os ídolos da época, enquanto outros se reuniam na porta do Café Praça Oito, destacando lustrosas botas de salto carrapeta, compradas na Sapataria Indígena.

Dona Maria, testemunha do tempo há 42 anos, a velha vendedora de balas, encostada na parede da Farmácia Klinger, não encontra remédio para aliviar o tédio e ainda cultiva no mesmo lugar, a sua sombra sob o sol do meio-dia, esperando a noite chegar, inventado pierrôs e colombinas dançando na Praça, vindos do Hotel Sagres, num carnaval que se foi com a tarde.

O Banco de Crédito Agrícola do Espírito Santo, BCAES, ainda emprestava réis, os homens vestiam camisas Volta ao Mundo disputadas nos balcões da Camisaria Braizer, os comícios e passeatas, shows e noivados desfeitos, marcavam época, enquanto  o Relógio, vitorioso, marcava as horas.

Em cima da Ótica Petrochi, após percorrer um corredor sujo e mal iluminado, e em meio a uma parafernália de bugigangas e miçangas, estava instalada a Importadora Gui-Gui da Cuca, onde se comprava sempre às escondidas e com receio, as Calças Lee e o perfume Lancaster, importados e difíceis de conseguir naqueles tempos.

Havia sempre alguém com medo, e alertava aos outros:
- Cuidado com a fiscalização, se ela pegar, você fica sem calça e ainda vai preso.

Presa no mesmo lugar até hoje, a Banca de revistas do Coelho abrigava a visita diária do Otinho, Américo Rosa, Maria Cibele, Sebastião Rabelo, Adelpho Monjardim, Nelson Albel de Almeida e Vivi, um tipo caricato e folclórico, feio como só ele mesmo, exibia uma barriga extravagante em baixo da camisa amarrotada e nas mãos um pequeno caderno sujo e desbotado, repleto de autógrafos e marcas de beijos recolhidos das normalistas que revoavam na Praça.

A poesia das noites ainda passeava aos domingos, pelas pedras de ébano e marfim espalhadas pelo chão, em zigue-zague até a Lanchonete Rio Doce, ponto de econtro para um cafezinho, na porta de frente para a Avenida Jerônimo Monteiro, de frente para a vida, próximo à praça.

À meia-noite em ponto, Ratinho, um antigo garçom da Lanchonete, pendurava seu jaleco na parede, desligava a máquina de fazer café, e todos saíam apressados em direção ao ponto de ônibus, abandonando a Praça vazia, enquanto o Relógio encerrava mais um expediente, com trilha sonora de doze badaladas.

Da janela do ônibus, as lojas, as lanchonetes, os bancos, a banca de revistas e o relógio, pareciam acenar aos passageiros suplicando um breve regresso, enquanto a dupla de soldados Cosme e Damião, sem ter com quem conversar, sentava-se no banco em frente ao Banco e esperava outro dia, às oito, na Praça Oito.

 

Autor: José Valporto Tatagiba - nascido em São José do Calçado, ES, 1948. Em Vitória desde 1950. Artistas gráfico e jornalista. Funcionário da Coordenadoria de Comunicação da Emater.
Livro: Escritos de Vitória. 1 - Crônicas (1993)
Compilação: Walter de Aguiar Filho,2011



GALERIA:

📷
📷


Literatura e Crônicas

Rubem Braga, um cachoeirense

Rubem Braga, um cachoeirense

Coube ao cronista revelar para ao mundo o bairrismo cachoeirense, esse sentimento que confere aos nascidos aqui um traço muito particular, no limite do exagero

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Identidade Capixaba, o efeito mosaico – Por Gilbert Chaudanne

Essa identidade consiste em juntar as pastilhas do mosaico capixaba e fundi-las num espelho que vai refletir um rosto único e imensamente rico e diverso

Ver Artigo
Nós os capixabas – Por Francisco Aurélio Ribeiro

Se temos um linguajar próprio? Ditongamos muito, daí os "bandeija, carangueijo" do nosso dialeto; já ouvi até menino gritar "A Gazeita!!"

Ver Artigo
A casa azulejada da Serra e os Barboza Leão – Por Elmo Elton

A Serra era então cognominada, pelo número de seus escritores e artistas, a Atenas espírito-santense

Ver Artigo
O Zorro e a Odalisca – Por Jovany Sales Rey

Tem milagre que só dá para contar falseando o nome dos santos, principalmente quando eles ainda estão vivos e vigorosos o bastante para quebrarem suas bengalas na minha cabeça. No entanto, mesmo que tivessem morrido, não me arriscaria a identificá-los

Ver Artigo
Os “Grandes Coisas” - Por Hélio de Oliveira Santos

Esta estória passou-se há uns 30 anos atrás. Estava meu irmão Alberto, o Atila Bezerra  que já foi Ministro da Fazenda, e se não me falha a memória também o nosso Asdrubal Soares

Ver Artigo